Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

terça-feira, 31 de maio de 2016

Michel Temer e a política de juros.


Amanhã, quarta-feira,  está agendada a sabatina do Ilan Goldfajn (leia-se goldfain) pela Senado Federal. O plenário do Senado deverá votar na sequência para que o presidente do Banco Central indicado pelo presidente Temer, possa participar da próxima reunião do COPOM. Aproveito para reproduzir o texto do e-book de minha autoria Brasil tem futuro? , para entender como importante é, a indicação do presidente do Banco Central, dentro do quadro de depressão em que o País se meteu. 

Eu disse no e-book:

Um dos maiores equívoco da política econômica "neoliberal" dos últimos 22 anos é a "política de juros". Brasil se porta como um país de economia estável como Estados Unidos, Alemanha ou Japão. Brasil está longe de ter os indicadores comparáveis com aqueles países desenvolvidos. No entanto, os sucessivos governos "neoliberais", tanto PT como PSDB, praticaram "fórmula clássica" recomendada pelo FMI e outros organismos de fomento ao desenvolvimento. Com Meirelles na Fazenda, o governo Temer não será diferente.

O Banco Central do Brasil tenta controlar a inflação apenas com a "política de juros", mesmo no ambiente de inflação próximo de dois dígitos (acima de 10%). Isto é um tremendo equívoco! A taxa de juros praticados pelo Banco Central, Selic a 14,25%, por exemplo, embute o "juro real" próximo de 5% ao ano. O Brasil paga juros reais, segundo maior entre 40 maiores economias do mundo, atrás apenas da Turquia! O que serve para economia com inflação dos países do primeiro mundo, não serve para o Brasil. As condições macroeconômicas são totalmente diferentes entre o Brasil e os países desenvolvidos para serem adotados os mesmos critérios. 

No ambiente econômico com juros reais muito acima da inflação, não controla a inflação, mas "realimenta" a própria inflação. O fato é que o Brasil está precisando financiar a sua dívida pública com dinheiro dos especuladores nacionais e estrangeiros. Só como informação, cerca de 17% da dívida pública bruta é financiada pelos especuladores estrangeiros, que eu chamo de "agiotas internacionais". A distorção acontece porque o Banco Central do Brasil tenta evitar a fuga do capital especulativo estrangeiro, pagando juros "abusivos". Isto que é a realidade!  O resto é conversa para boi dormir.

Uma boa "política de juros" aliada à "política cambial" e rigoroso "controle do expansão da base monetária", poderão induzir a economia a tomar o rumo do desenvolvimento sustentável do País, no curto prazo. A "política de juros" e a "política cambial" deverão perseguir a meta de inflação e a meta de crescimento. O Banco Central tem diversos instrumentos para estabelecer a "calibragem" dos "juros" e do "câmbio" em níveis adequados para alcançar as metas preestabelecidas.  

A "dogma" de que o Banco Central deve ser "independente" do governo é uma "falsa tese" que é aceita e adotada na prática pelos formuladores da política econômica dos sucessivos governos "neoliberais". Imagine se o FED praticasse política monetária na contra mão do presidente da dos EEUU ou que o Banco Central europeu ousasse divergir do(a) pensamento do(a) chanceler da Alemanha. 

O Banco Central independente, não existe na prática. Banco Central independente é falsa dogma. Banco Central de qualquer país está interdependente com o governo em exercício. É impensável que o Banco Central existisse apenas no controle da moeda, sem se preocupar com a realidade econômica do País.

No Brasil dos governos "neoliberais", o ministro da Fazenda vai para um lado e o presidente do Banco Central vai para outro lado. Cada um rema para direção diversa e muitas vezes opostas. Essa queda de braço entre o ministro da Fazenda e o presidente do Banco Central torna-se visível até para leigos. O fato é que no Brasil, o presidente ou a presidente da República não dá diretriz para que ambos caminhem no mesmo sentido. Infelizmente, o Brasil é desprovido de presidentes competentes na área econômica. 

A consequência nefasta desta "política econômica" equivocada é a transferência de renda dos mais pobres para os mais ricos. Pelos indicadores econômicos atuais, 96% da população, cerca de 196 milhões, transferem cerca de R$ 200 bilhões por ano para os "agiotas internacionais" e para 4% ou 8 milhões da população brasileira. Nunca se viu tamanha transferência de renda dos mais pobres para mais ricos com a justificativa de "controle da inflação". 

Não vou aqui estabelecer especificamente, em números, as metas de inflação e de crescimento do País, nem tão pouco colocar aqui, a política de juros e a política de câmbio, porque é tarefa da equipe econômica do presidente da República. O que vale é a tese defendida aqui na nova matriz econômica proposta por este editor. 

Se deixar que eu desenhe a política econômica, farei que o Brasil cresça 6% por ano, ao longo de décadas, com moeda estável. Diante do quadro de "depressão", de queda contínua do PIB e consequentemente o número de desempregado em ascensão, a medida mais importante deveria ser o corte da taxa de juros Selic para algo como 0,5% abaixo da taxa de inflação presente. Para a taxa Selic ligeiramente abaixo da inflação, há que mexer no depósito compulsório de bancos e nos percentuais de aplicação dos fundos de investimentos em títulos públicos. Solução tem. No entanto, um presidente do Banco Central do setor bancário, hesitará em tomar  as medidas propostas por mim.

O Brasil é um país que tem todos ingredientes para elaborar um plano de desenvolvimento sustentável. É imprescindível, para que isto possa acontecer, que o País tenha um presidente além de probo e competente, um presidente da República que tenha competência para dar indicação segura ao novo presidente do Banco Central.



Solução para o País em crise ~> Brasil tem futuro? <~ clique 

O Brasil tem potencial para crescer sustentavelmente por várias décadas. Para isto, basta que o presidente da República olhe não só o próprio umbigo, mas sobretudo, olhar o horizonte do seu povo, levando em conta toda potencialidade que o País oferece. 

Ossami Sakamori










@SakaSakamori


3 comentários:

  1. Bom dia à todos(as). Se no Brasil os Políticos não tivessem essa quase obsessão por enriquecimento pessoal ilícito(Candidata-se pensando em enriquecer), nossa Nação seria uma das mais próspera do planeta terra.
    Sabemos que sempre houve uma cúpula brasileira que comanda o destino da nossa Nação. Qualquer Presidente que senta na cadeira presidencial, ou joga com "eles" ou é desalojado. Collor saiu por incompetência aliado a arrogância. Dilma está a sair por causa do seu tutor(Lula) querer roubar só para ele e esquecer da cúpula.
    Os bancos internacionais são geridos por outra cúpula(FMI) que age como AGIÓTA em outros países.
    O FMI dita as regras, os países se endividam e a população fica atrelada a essa dívida eternamente, ou até que um Presidente declara moratória ou dá o calote(perdoe-me Sakamori, se estou a escrever bobagem).
    Lula disse que tinha quitado a dívida externa brasileira, no entanto a dívida interna deu um salto gigantesco. E agora nossa dívida externa e interna está impagável. Não estamos conseguindo pagar nem os juros da dívida. O FMI está contente por isso nem nos incomoda mais com suas visitas.
    Precisamos de um Patriota que governe para nós, do Brasil, e não para os banqueiros internacionais. Mas para isso temos que ter uma Força Armada que garanta a nossa defesa para podermos "bater o pé"(negociar) nas reuniões com o FMI.
    Qual País rico tem suas forças armadas sucateadas? China? Estados Unidos? Japão? Rússia?,,,,,,,,pois é, todos esses países tem suas defesas e é pelo temor delas que conseguem negociar. Nós(Brasil), só levamos na cabeça por termos uma sucata armada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente somos uma república de bananas, com todas as mordomias dignas dos títeres que fingem nos governar (escravizar). Prova? olhem à volta e vejam a institucionalização lenta e gradual da venezuelização tupiniquim avançado rapidamente e os nossos maduros (vermelhos) acabando com o que restou do Esqueleto Brasil).

      Excluir
  2. "Farra das quarentenas: já são mais de 100 pedidos
    Brasil31.05.16 17:09
    Já chegaram à Comissão de Ética Pública, ligada à Presidência da República, 108 pedidos de quarentena.

    São viúvas do governo Dilma querendo seis meses de salário pagos por nós.

    A reunião extraordinária do colegiado, iniciada às 9h de hoje, ainda não terminou. Os sete integrantes, todos nomeados ou reconduzidos por Dilma, estão se esforçando para analisar o máximo de pedidos possível.

    A comissão promete soltar uma nota ainda hoje com o resultado."

    http://www.oantagonista.com/posts/farra-das-quarentenas-ja-sao-mais-de-100-pedidos

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.