Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Defendo o fim do monopólio de petróleo!


Não vejo solução para salvar a Petrobras, no curto prazo. A Petrobras padece de males acumulados desde a sua criação em 1953 pelo presidente Getúlio Vargas. Petrobras está longe de ser o "orgulho nacional", pelo contrário, é motivo de "vergonha nacional". Apesar da negativa do governo, como acionista majoritário, a Petrobras está em "estado de falência". 

Só a quebra de "monopólio' de petróleo na área de exploração, refino e comercialização colocará a Petrobras em encontrar a eficiência e competência, sem ladroagem, para enfrentar o livre mercado.  Não há motivo suficiente para "privatizar" a Petrobras, pelo menos neste momento. Se o governo e a própria direção da Petrobras acham que a Companhia é viável, que deixe a Petrobras continuar a operar, no regime de "livre concorrência", concorrendo em igualdade de condições com os gigantes do setor. 

Deixem o "pré-sal" com a Petrobras, porque o próprio presidente anterior afirmou que o custo de exploração do "pré-sal" é de US$ 8 o barril. Segundo os próprios técnicos da Companhia, afirmam que o custo de pré-sal é de US$ 50 o barril. Lembrando que o petróleo do pré-sal do campo de Tupi tem o custo adicional de US$ 8,51 por barril, devido ao ágio colocado na última capitalização da Petrobras. Portanto, o custo de petróleo do pré-sal custa ao País, US$ 58,51, em tese. 

Deixem os gigantes do setor atuarem na importação de petróleo bruto, no refino e na distribuição de combustíveis, em igualdade de condições com a Petrobras. Para lembrar os leitores, a gasolina pura, na bomba, nos Estados Unidos, está sendo negociados a uma média de US$ 0,50 o litro, ou grosso modo R$ 2,00, "sem adição" de 27,5% de álcool anidro. O preço base para efeito de equalização de tarifas pelo CONFAZ é de R$ 3,67 o litro no País. 

Mesmo que agregue sobrepreço devido aos "impostos e contribuições", cerca de 25% sobre o preço de gasolina aos preços praticados nos Estados Unidos, ainda assim o preço de gasolina pura deveria estar custando na bomba não mais que R$ 2,50 o litro, no País. Eu disse, o preço de gasolina pura no Brasil deveria estar custando R$ 2,50 o litro, no máximo, com dólar médio de US$ 4.

A simples conta de matemática demonstra que  o usuário de veículos automotores, aeronaves e indústrias em geral, "subsidiam" o preço do petróleo para que a Petrobras continue existindo, pagando pela administração ineficiente. Os contribuintes continuam "subsidiando" a ladroagem na Companhia para tornarem os fornecedores e os corruptos as pessoas mais ricos do Brasil. A simples mudança da diretoria da não mudará a situação, porque o espírito corporativo está presente nos quase 80.000 trabalhadores ativos da Companhia. 

A Petrobras carrega uma dívida de US$ 100 bilhões, equivalente a R$ 400 bilhões na cotação de dólar a R$ 4, para um patrimônio líquido "fictício" de R$ 260 bilhões. A Petrobras carrega R$ 727 bilhões de imobilizados contábeis, que está recheado de "esqueletos" acumulados ao longo dos 63 anos de existência da Companhia. Há que fazer "reavaliação" do imobilizados para expurgar os "esqueletos". O governo tem medo de mandar reavaliar o ativo imobilizado porque exporia a verdadeira situação patrimonial da Petrobras, isto é, o "estado de falência".

A nova matriz econômica prevê "o fim do monopólio de exploração, refino e comercialização do petróleo". Não estou propondo a "privatização" da Petrobras. Desafio os "neoliberais" de hoje e de ontem proporem a quebra do monopólio na área do petróleo, que trarão benefícios para a população. Desafio os administradores da Petrobras a realizarem o impairment (reavaliaçãodos ativos e expurgar os "esqueletos" da Companhia. 

Com a nova matriz econômica, tenho certeza de que o País não viverá mais ladroagem que custou a falência da Petrobras, que um dia foi orgulho de todos os brasileiros. Com a transparência, e a livre concorrência, vai acabar o domínio da Petrobras por uma ou mais facção criminosa.

Solução para o País em crise ~> Brasil tem futuro? <~ clique 

Se quer mudança no rumo do País, há que colocar o fim do monopólio da exploração do petróleo!

Ossami Sakamori


9 comentários:

  1. A CLAREZA das INFORMAÇÕES e a CONFIABILIDADE nos remetem ao ensejo de ACREDITAR que esse negócio de ORGULHO NACIONAL é apenas mais umas das ESTRATEGIAS de MARKETING destes governantes que por aqui até então passaram.
    .
    A SÍNTESE que mais cabe a Petrobras e a visão que a sociedade brasileira tem que ter para esse momento delicado da empresa e do país é o seguinte:
    .
    CONCORRÊNCIA GERA QUALIDADE E PREÇO...
    .
    E não podemos entrar na pilha que os POLÍTICOS SUJOS FAZEM QUE SE ISSO ACONTECER o preço irá disparar, pois o mercado é volátil mas se ajusta a COMPETIÇÃO...
    .
    E temos DITO...

    ResponderExcluir
  2. A diferença entre os Norte Americanos e o Brasil é que lá há patriotismo e aqui, não.
    A Livre concorrência é saudável em qualquer mercado porém, no Brasil tudo tem que passar pelo crivo dos Políticos para eles embolsarem "pixulecos".
    A livre concorrência também depende do não uso de cartéis pois neles os preços são superfaturados. Um bom exemplo são as obras nas construções de estradas em que empresas particulares construíram um trecho e o Exército terminou a obra inteira pela metade do tempo usado pela empresa e ainda devolveu dinheiro para a União. Isso chamasse seriedade e honestidade com o dinheiro público.
    Agora Michel Temer quer usar o Exército para acabar de construir a obra da Transposição do Rio São Francisco. Vamos acompanhar o resultado.
    A Petrobras deveria, sim, ser privatizada. Haveria o enxugamento da Empresa acabando por ex: com o cabide de empregos e a prioridade dos empresários seria zerar os desperdícios e isso causaria impacto positivo nos preços dos produtos.
    E o etanol brasileiro? Fomos pioneiros no Mundo e agora os produtores de cana preferem transformá-la em açúcar e exportá-la do que transformar em álcool por causa da enorme carga tributária. Os USA já são auto suficientes em etanol extraído da beterraba(se não estou enganado).

    ResponderExcluir
    Respostas

    1. "Brasil supera China como maior importador de etanol norte-americano
      De acordo com a Datagro, dos 259,37 milhões de litros de etanol exportados pelos EUA em fevereiro deste ano, 83,59 milhões de litros foram enviados para o mercado brasileiro"

      link:https://www.novacana.com/n/etanol/mercado/importacao/brasil-supera-china-maior-importador-etanol-norte-americano-260416/

      Excluir
    2. Paisinho de m...

      Excluir
    3. Sr. Daniel Camilo!
      Parabéns pelo excelente comentários, a venda a meu ver seria, em todos aspectos positivo.Raposa não administra galinheiro. O Correio um péssimo serviço e caro, é outro dinossauro que deviria ser privatizado.
      Ladrões não administra, a especialidade deles é o roubo.Lugar de ladrão é na cadeia, ou na forca.

      Excluir
  3. O Brasil nunca teve planejadores nem executores dos planos que fosse sérios. A prova está aí. Estamos sem rumo e sem futuro. Quem quiser um país sério terá que se mudar daqui. Estamos falidos e sem chance de soerguimento. A Venezuela está chegando por aqui.

    ResponderExcluir
  4. Quem quereria privatizar a Ptropras na falência técnica? Por mais que custe, devemos fechá-la e importar a gasolina e diesel.

    ResponderExcluir
  5. Por que não fazemos o mesmo em vez de insistirmos em copiar o modelo petista/corrupto de lula e dilma mantendo estupidamente alto o real sem lastro algum que o justifique, a não ser político na política fraudolenta do "bem-estar" da população?

    "Yuan cai para o valor mais baixo em mais de cinco anos; manobra aumenta competitividade chinesa

    O Banco Central chinês anunciou nesta segunda-feira (30) desvalorização do yuan (a moeda chinesa) para a cotação mais baixa em mais de cinco anos, em relação ao dólar norte-americano, no momento em que se espera uma subida das taxas de juro nos Estados Unidos.

    De acordo com as cotações do Banco Central do Brasil, o dólar valia nesta segunda 6,5784 yuans. Trata-se da cotação mais baixa da moeda chinesa desde fevereiro de 2011. O yuan não pode ser convertido inteiramente, sendo que o seu valor diante de um pacote de moedas internacionais pode variar, no máximo, 2% ao dia.

    “O yuan vai sofrer uma depreciação gradual”, disse à agência de notícias Bloomberg o economista Song Yu, da Goldman Sachs. “O principal motivo para essa desvalorização será um dólar mais forte, devido às expectativas de que o FED [Federal Reserve, o Banco Central norte-americano] suba as taxas de juro”, acrescentou.

    Na última semana, a presidente do federal Reserve (FED), Janet Yellen, sinalizou, durante discurso na Universidade de Harvard, que as taxas de juro nos Estados Unidos aumentarão em breve.

    Em agosto, o yuan caiu quase 5% em uma semana, aumentando o receio de que Pequim esteja tentando desvalorizar a moeda para ganhar competitividade, mas as autoridades têm rejeitado essa possibilidade.

    Mesmo com a negativa por parte do governo de Pequim, a desvalorização da moeda local é uma estratégia que visa não apenas aumentar a competitividade do país asiático no mercado externo, mas evitar uma crise na economia chinesa, já que o consumo interno vem caindo nos últimos meses, em claro sinal de que há algo errado na condução da política econômica.

    Considerando que a economia chinesa cresceu nos últimos anos com base na exportação, o que só foi possível na esteira da produção em grandes quantidades e baixo custo, algo precisava ser feito para compensar a falta de consumo interno.

    De tal modo, exportar cada vez mais é a saída para evitar um nó na segunda maior economia do planeta, a qual Lula, um dia, afirmou ser de mercado. A grande questão é o tamanho do estrago que isso provocará em outras economias ao redor do globo."

    http://ucho.info/yuan-cai-para-o-valor-mais-baixo-em-mais-de-cinco-anos-manobra-aumenta-competitividade-chinesa

    ResponderExcluir
  6. "Depois de comprar ativos da Petrobras, Pampa vai revender
    Economia30.05.16 13:12

    O Antagonista vem denunciando sozinho a sinistra operação de venda dos ativos da Petrobras na Argentina para o grupo Pampa Energía.

    Aldemir Bendine acelerou o negócio antes de deixar o cargo. A Pampa pertence a Marcelo Midlin, amigo de Cristina Kirchner.

    Surgem agora informações de que os ativos adquiridos serão revendidos por preço bem maior."

    http://www.oantagonista.com/posts/depois-de-comprar-ativos-da-petrobras-pampa-vai-revender

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.