Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Dólar comercial romperá R$ 4,20 até o final do ano.

Crédito da imagem: Estadão

As notícias negativas sobre economia nos cenários externo e interno, levou o dólar à vista a iniciar o mês de setembro no maior valor em quase 13 anos. O dólar comercial fechou hoje na cotação de R$ 3,69 acima do R$ 3,73 do dia 13 de dezembro de 2002, esta última cotação devido ao efeito Lula. 

No cenário externo, a mudança na política econômica da China está levando o mercado mundial de ações e de moeda em queda. Para os chineses faz parte da mudança no foco na economia. Antes, o crescimento era sustentado com dólar valorizado ou o yuan desvalorizado, baseando o crescimento econômico nas exportações. A mudança da política econômica visa dar prioridade ao mercado interno, valorizando o yuan frente ao dólar. O que é mudança de enfoque na economia para os chineses virou problema para o mercado financeiro mundial, sobretudo para o Brasil. 

O cenário político econômico interno, com a apresentação do Orçamento da União para 2016 com déficit primário de R$ 30,5 bilhões, não só mexeu com o humor do mercado interno, mas também o do mercado financeiro internacional. O Banco Morgan Stanley, afirmou em último relatório da possível perda do "grau de investimento" do Brasil nos próximos 12 meses. O relatório mostra que o Brasil, entrará no rol de países com o "grau de especulação". 

Com a possibilidade de "grau de especulação", os investidores institucionais tradicionais como fundos de pensão dos países desenvolvidos começam a revoada para países mais seguros, com o "grau de investimento". A saída de dólar, por enquanto discreto, já provoca a alta do dólar. A reserva cambial tão festejada pelo Banco Central do Brasil em cerca de US$ 370 bilhões, não é tão significativo. Só como comparação, a reserva cambial da China gira em torno de US$ 3,8 trilhões ou equivalente a 10 vezes a reserva cambial brasileira.

Outro motivo que vai traduzir na fuga de dólares, consiste no provável alta da taxa de juros do título do governo dos Estados Unidos, devido a consolidação de crescimento do PIB americano, que já ultrapassa os 2,5% nos  12 últimos meses. Esta alta da taxa de juros dos títulos americanos é o que mais teme o Banco Central brasileiro. Quem acompanha a movimentação do FED não é difícil concluir que haverá o esperado aumento da taxa de juros básicos do título americano, ainda este ano.

Diante do cenário, é possível prever que o dólar no final deste ano deverá romper facilmente os R$ 4,20. A minha previsão inicial de dólar nos níveis de R$ 3,50 a R$ 3,60, já rompeu com 4 meses de antecedência. O swap cambial tradicional não está mais fazendo efeito na cotação do dólar. O Banco Central, já está vendendo o dólar físico à futuro, na tentativa de segurar a cotação. As tais medidas serão inúteis em função das considerações já expostas acima.

Com segurança podemos afirmar que o dólar comercial romperá a cotação de R$ 4,20 até o final do ano.

Ossami Sakamori












6 comentários:

  1. Sakamori:

    A posição da China e dos EUA não é mero acaso. Todos sabemos que eles tem política de longo prazo e, então, não decidem suas posições assim, no joelho.

    Tudo é fruto de planejamento e acompanhamento das posições mundiais e da política que desejam adotar no curto, médio e longo prazos.

    Nada é como aqui no Brasil, onde o governo decide seus investimentos na base do "cara ou coroa". Pior é que já faz um tempinho que está sem a moeda para jogá-la ao ar e fazer as apostas.

    Pior para nós brasileiros.

    ResponderExcluir
  2. Eu tenho Fé em Deus que Dilma não chegará como Presidente até Dezembro. Dessa forma, com outro Presidente, o mercado dará um voto de confiança e se acalmará.

    ResponderExcluir
  3. E o salário mínimo já cai para os 200 dólares. Onde está não mexer em nada dos trabalhadores assegurado em campanha, dona Dilma?

    ResponderExcluir
  4. E , infelizmente , com a possibilidade até de ultrapassar a sua previsão , sempre correta !

    ResponderExcluir
  5. o boneco inflável do apedeuta cachaceiro chegou em Curitiba. Se houvesse eleição para presidente hoje, certamente o boneco do bebo seria exitoso no pleito.
    Escorrega Brasil

    ResponderExcluir
  6. Déficit primário de R$ 30,5 bilhões? Será mesmo só isso? Essa importância é apenas para essa vaca se livrar do impeachement!

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.