Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Dólar vai bater R$ 5,00 ?


Definitivamente, a crise política e econômica se instalou no País. Na prática, existe um processo de pedido de impeachment da presidente Dilma pronto para ser detonado. A Dilma sabe. O Lula sabe. O PT sabe. Os partidos da base aliada sabem.  A presidente Dilma vai ser cassada até o final do ano. Os partidos da oposição estão com opção de escolha entre várias possibilidade. 

O mercado financeiro já sentiu isto. A prova disto é que o dólar vem batendo recorde de altas. Hoje, o dólar fechou a R$ 4,13, muito acima da cotação do "efeito Lula" em 2002, decorrente das eleições presidenciais daquele ano. O mercado temia que o Lula poderia não seguir a política "neo-liberal" do FHC. Temia-se que o Lula poderia acabar com a estrutura do Plano Real.

Decorrido 13 anos, o mesmo fenômeno acontece. O problema hoje, é a política econômica desastrada da Dilma. Os ajustes fiscais propostos pelo ministro Joaquim Levy e aprovados pelo Congresso Nacional estava a retomar a credibilidade da Dilma. Mas, a presidente Dilma cometeu o equívoco imperdoável, mandou o Orçamento Fiscal de 2016 com "déficit primário", exatamente o contrário que o ministro Joaquim Levy estava a prometer ao mercado financeiro internacional.

A consequência foi imediata, a agência de classificação de riscos Standard Poor's, rebaixou a nota do Brasil para o "grau de especulação". A presidente Dilma tentou consertar, com atraso, enviando o Orçamento Fiscal de 2016, "transparente" (sic) mas piorou a situação. Para o equilíbrio do Orçamento Fiscal, ao invés de cortar gastos, a Dilma propõe ajustamento para mais, alguns impostos e contribuições. Pior, Dilma propõe recriar a CPMF.

Diante de tantas notícias ruins, o mercado financeiro internacional acredita que outras agências de classificação vão rebaixar a nota para o "grau de especulação". Com duas notas de "grau de especulação" algumas instituições estrangeiras como fundos de pensão, são obrigados a retirar as aplicações em títulos brasileiros, sobretudo do Tesouro Nacional.

A fuga de capital estrangeiro do País, faz o dólar disparar no mercado, apesar da intervenção do Banco Central tentando segurar o dólar. Por enquanto, o Banco Central está intervindo no mercado de câmbio, vendendo o dólar à futuro, para tentar segurar a cotação. O mecanismo de intervenção do Banco Central, ao contrário do objetivo imaginado pelo Banco, cria desconfiança no mercado financeiro, provocando instabilidade maior ainda. 

Em algum momento, poderá o dólar bater a cotação de R$ 5,00, mas isto é apenas especulativo. Quanto o Congresso Nacional efetivamente cassar o mandato da Dilma, o dólar vai voltar no patamar de R$ 4,20. Vai quebrar a cara quem vai apostar na cotação de R$ 5,00 como de estabilidade.

Ossami Sakamori










11 comentários:

  1. Professor, obrigada!
    Este artigo me deu um tantinho de esperança!
    Já havia desanimado de acreditar que o Congresso possa realmente cassar o mandato desta presidente incompetente.
    Mas, então, o Senhor ainda acredita! Que bom! Vou acompanhá-lo!
    E o Lewandowski querendo enfraquecer a Lava Jato???
    Será que o Povo terá ainda forças para exigir que tal não ocorra?!
    Paz e bem!!

    ResponderExcluir
  2. Mais um comentário interessante.
    Sakamori, você tinha previsto o dólar a R$. 4,20 no final do ano.
    Ele bateu R$. 4,13 hoje.
    Parece que Dilma esta querendo chegar no seu patamar já...

    ResponderExcluir
  3. Faz algum tempo falei no twitter que o dólar bateria os R$6,00 disseram ser impossível, etc, bater R$ 5,00 é molinho e não vaio demorar não. Enquanto o dólar sobe, vamos empobrecendo e perdendo o poder de compra. Isto sim, é algo que não vai demorar muito. Uma pena, meu país e seu povo vivendo a vergonha e o empobrecimento enquanto os bandido só enriquecem a nossas custas.
    Quero ver agora o que vai acontecer e se vamos ficar calados com a Lava Jato se ultimando porque, NESTE PAÍS MESMO TENDO UM DIGNO JUIZ COMO SERGIO MORO, MAIORIA SÃO TÃO DECENTES QUANTOS OS PETRALHAS ERVAS DANINHAS, GANHOTOS DESTRUIDORES.

    ResponderExcluir
  4. Se não nos mexermos o Brasil vai quebrar antes do fim do ano.

    ResponderExcluir
  5. Eu concordo que se tudo sair como planejado ou seja os ajustes começam de fato, a Dilma cai , e o país começa a ter um politica macroeconomica, realmente o dólar recuaria, e é claro se pararmos de ter déficits estruturarais em nossa conta corrente o dólar vem para baixo como consequência. Agora como está ainda há muito linha para se dar nessa pipa e estamos perdendo o timing se demorar muito e o real continuar se desvalorizando e as medidas continuarem no papel chegaremos a um ponto sem retorno, a moeda perderá a confiança, e o pior o risco de entrarmos numa espiral inflacionária é grande, aí Sakamori o real virará um peso argentino piorado. Abs Ale

    ResponderExcluir
  6. Sr Sakamori, todos os economistas usam esses termos, como: Alta do dólar. Mas o correto, para mim, seria: Desvalorização do Real. Para quem não entende, dá a impressão que a moeda americana supervalorizou e no entanto é o Real(no nosso caso) que desvalorizou.

    ResponderExcluir
  7. "ao invés de cortar gastos, a Dilma propõe ajustamento para mais, alguns impostos e contribuições."

    Que loucura! Que absurdo! A mulher está doidona pra caramba!

    ResponderExcluir
  8. Eu penso que irá subir muito mais. Mas muito, porque estamos quebrados e o que temos de reservas cambiais não tarda em acabar.

    ResponderExcluir
  9. Amarramos a âncora do navio no pescoço e pulamos no mar...

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. dilma e sua quadrilha vao cair,o pais entrara numa crise sem fim,os anos seguintes serao de superinflaçao e desemprego tao grande,como nunca se viu na historia desse pais

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.