Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

quinta-feira, 4 de junho de 2015

No governo Dilma, as filas de desemprego vão aumentar.


Segundo aponta a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), divulgado pelo IBGE, ontem, quarta-feira, dia 3 de junho, no trimestre encerrado em março deste ano, 8,029 milhões de brasileiros estavam desocupados. O índice da série histórica iniciada em 2012, é maior do que o primeiro trimestre de 2013.

Eu disse há apenas três dias: "Definitivamente, a equipe econômica da Dilma atende os agiotas nacionais e internacionais, mas está longe de atender os interesses do Brasil. O Brasil vai amargar quadro recessivo pelo menos nos próximos 2 anos".

Esta realidade vem da implementação da política econômica (sic) equivocada da Dilma Rousseff e sua equipe econômica. O desemprego é consequência, também, do desemprego causado pelo sistema Petrobras. A Petrobras vem enfrentando situação de desinvestimento por conta da Operação Lava Jato levado a efeito pelo Ministério Público Federal e Polícia Federal. O efeito cascata do desemprego é sentido em cidades com base de operação da Petrobras, sobretudo.

A política econômica (sic) equivocada da equipe econômica, com aumento de taxa de juros básicos Selic e aumento de impostos e contribuições tem levado as empresas industriais ao desinvestimento. É uma situação que o próprio governo, deliberadamente, criou para conter o desequilíbrio fiscal, mas que está levando o País à estagnação. 

Por enquanto o setor agrícola vem garantindo a sobrevivência do País e do governo federal. Até onde isto vai durar não sabemos. O setor agrícola vem ressentindo também com os preços dos commodities em queda e custos de produção em alta. O governo está prestes a matar a galinha dos ovos de ouro. 

O índice de desemprego vai aumentar ainda mais, pelo menos, até o final deste ano. O ano que vem é uma incógnita. O País só tem uma saída, a saída da presidente Dilma Rousseff da presidência da República.

No governo Dilma, as filas de emprego vão aumentar!

Ossami Sakamori




4 comentários:

  1. E como está aumentando! Só esse desgoverno é que não quer ver.

    ResponderExcluir
  2. Será que iremos vivenciar os maus tempos da década de 90, antes do Plano Real? Quando os preços eram reajustados(para cima) várias vezes ao dia; Quando tínhamos escassez : de alimentos, de gás de cozinha; de gasolina,...... Bancos oficiais sem dinheiro nos caixas,......Para tudo era preciso enfrentar longas filas. Alguns até amanheciam na fila para pegar ficha e ter direito ao produto em oferta. Quem viveu aquela época sabe da tristeza que era. Ah, não! é melhor tirar a Dilma do Planalto.

    ResponderExcluir

  3. Sertãozinho, uma cidade bem próxima (20 km) de Ribeirão Preto, está amargando demissões e mais demissões devido aos problemas da administração desastrosa da "gerentona de coisa nenhuma" e agora da Petrobras.

    A cidade se estruturou para o crescimento em cima do fornecimento de produtos e serviços tendo em vista o "milagre econômico dos governos PT" e agora enfrenta desemprego e desesperança entre sua população, que cresceu bastante nos momentos de euforia, com muita gente vindo de outros locais para ali se fixar e trabalhar.

    Recentemente precisei de mão de obra de pintura e dos dois profissionais que me atenderam, um era recém demitido de uma metalúrgica de lá que demitiu todos os seus funcionários porque estão nos seus pátios produtos e mais produtos encomendados pela estatal que agora diz não ter como pagá-los e receber as encomendas.

    Sabemos desse e demais outros casos, mas ninguém diz nada.
    A imprensa acaba dizendo apenas o que o governo acha interessante dizer.

    É isso...

    ResponderExcluir
  4. O Brasil está numa rota de colisão com ele mesmo.
    Os loucos que comandam o país,estão levando o país à falência,em todos os sentidos,com benesses tão somente para eles.

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.