Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

terça-feira, 2 de junho de 2015

Brasil vai amargar quadro recessivo nos próximos 2 anos.





Até que enfim o governo Dilma se posiciona oficialmente sobre os ajustes na economia proposto e aprovado nesse início do ano. Segundo o governo as medidas foram necessárias para corrigir as medidas "anti-cíclicas" tomadas pelo próprio governo PT em 2009 e que deu continuidade no governo Dilma até o final do primeiro mandato.

Nelson Barbosa, ministro de Planejamento, disse na Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas, disse que o esforço fiscal perseguido pelo Brasil vai durar pelo menos dois anos. Disse ainda, que no momento, a política de aumento da taxa básica de juros Selic é um remédio necessário para que a taxa de inflação convirja para o centro da meta, qual seja 4,5% ao ano. Lembrando que a taxa de inflação está ascendente aproximando do 9% ao ano.

Na outra ponta, em Nova York, ministro da Fazenda Joaquim Levy Bradesco participando do encontro do Fundo Monetário Internacional - FMI, disse que o processo de recuperação da economia brasileira deve ser lenta, destacando que o processo precisa ser construído "tijolo a tijolo". Esta afirmação, de certa forma, vai na direção contrária ao que dissera anteriormente. Quando estava a defender proposta das medidas de ajustes no Congresso Nacional, deu a entender que a economia deveria retomar o crescimento ainda no segundo semestre deste ano.

Curiosamente, sem saber das afirmações de ambos ministros da área econômica, fiz matéria sobre a atual situação da economia, mostrando que o Brasil se encontrava na "sinuca de bico" com pouca chance de estabilização da economia no curto prazo. Concordo, agora, com os ministros. A tendência da economia neste ano é de retração e não haverá luz no final do túnel ainda neste ano. 

No entanto, apesar de alguns pontos em convergência com as falas dos ministros da área econômica, divirjo da política econômica adotada pela equipe econômica que baseia o controle da inflação por via de aumento da taxa básica de juros Selic. Isto é fórmula clássica do Fundo Monetário Internacional - FMI. Insisto, para uma economia desorganizada como o do Brasil, não se combate inflação via taxa de juros Selic. Pelo contrário, a taxa básica de juros Selic que baliza todos os juros praticados pelo sistema bancário é um forte componente da retroalimentação da inflação. Há mecanismos mais eficientes como "depósito compulsório" dos bancos.

Vamos lembrar que o Brasil pratica taxa básicas de juros Selic a mais alta do mundo, ficando atrás apenas da Turquia, entre 40 maiores economia do mundo. A taxa básica de juros Selic não é remédio para a inflação como faz crer a equipe econômica. Já disse aqui no blog 300 vezes que a taxa básica de juros Selic é termômetro da economia. Este mesmo "erro sistêmico" da política econômica foi o que levou o Brasil para a situação presente. A fórmula clássica do FMI não serve para o Brasil.

Definitivamente, a equipe econômica da Dilma atende os agiotas nacionais e internacionais mas está longe de atender os interesses do Brasil.  O País vai amargar quadro recessivo pelo menos nos próximos 2 anos.

Ossami Sakamori




11 comentários:

  1. E esse desgoverno alguma vez quis atender aos interesses do Brasil ? Espero que não passe de 2 anos.

    ResponderExcluir
  2. Somos o lixo do mundo.
    Vergonha do planeta.
    PQP

    ResponderExcluir
  3. Mas essa dilma é economista aonde? Ela andava metida na subversão do regime democratico militar e não tinha tempo para os estudos. Com ajuda de professores soviéticos e muita, mas muita cola, terminou mal e porcamente a merda da sua licenciatura. Quem paga as culpas por essa eterna terrorista não ter estudado corno seja do que for, é o Brasil

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito interessante: ... subversão do "regime democrático militar"

      Excluir
    2. Entre esta corruptocracia, eu optei sem minima duvida pelo "regime democrático militar", porque regime democratico civil é sempre uma bosta.

      Excluir
  4. Eu acho que nem em 2 anos sairemos dessa crise pelo motivo de que na Venezuela foi assim! Depois do arrocho financeiro e a população sem dinheiro, o país também não tinha como comprar alimentos acabando-se com os estoques, assim o povo teve de se contentar em comer o que Maduro(Presid da Venezuela) oferecia e oferece.
    Dilma é fã de Maduro e espera nos impor esse modelo A regra é simples: quando há falta de comida poucos se lembram do governo. O grosso da população que é mais pobre briga-se entre si disputando a comida oferecida nos supermercados..

    ResponderExcluir
  5. VEM CONVULSÃO SOCIAL GRAVE,BREVEMENTE,NO BRASIL...

    ResponderExcluir
  6. "Não existe tal coisa como um bom imposto."
    (Winston Curchill 1874-1965)

    ResponderExcluir
  7. "Há apenas uma maneira de matar o capitalismo: com impostos, impostos e mais impostos"
    (Karl Marx 1818-1883)

    ResponderExcluir
  8. País feudal... e tem gente rindo à toa, aproveitando-se do povo "quebrado". Na avenida aqui perto abriram mais portas oferecendo empréstimo p/ pessoas pagarem contas de água e luz...!!

    ResponderExcluir
  9. A Venezuela mudou-se para o Brasil,sob os auspícios dos pilantras instalados no Palácio do Planalto.

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.