Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Dilma perde eleições se disputar o segundo turno!

Saiu pesquisa da Datafolha, hoje, sobre a possível ideologia da população brasileira.  Não deu outra, é aquela que eu próprio já vinha constatando através das conversas com diversos segmentos da população brasileira, sobretudo após manifestações de junho último.  Veja abaixo trecho principal da matéria e na sequência a minha avaliação sobre o tema. 

O maior grupo é formado por eleitores de centro-direita, que representam 38% de todo o eleitorado. Os de centro-esquerda somam 26%. A turma de centro reúne 22%. Os de direita são 11%. Para chegar a essas conclusões, o instituto fez 2.517 entrevistas em 154 municípios. Esta é a primeira vez que o Datafolha investiga a inclinação ideológica dos eleitores de todo o Brasil. Fonte: Folha.

Comentário.

É errôneo pensar que a população está ideologicamente alinhado com a ideologia neo-socialista dos presidentes Lula & Dilma.  A grande massa de população nem sequer entendem o que significa a ideologia esquerda ou direita.  Devamos considerar que o Brasil tem 55 milhões de adultos analfabetos funcionais.  Isto já representa cerca de l/4 da população brasileira.  Se considerarmos o número de eleitores, cerca de 140 milhões, o número de analfabetos funcionais representa quase 1/3 da população.

Isto de certa forma justifica o elevado número de pessoas com ideologia pretensamente de centro-direita, de centro-direita e de centro, somados representa cerca de 86% do eleitorado, segundo Datafolha.  O número mostra claramente que o socialismo bolivariano ou qualquer coisa deste gênero não tem adeptos no Brasil.  Este último contingente de eleitores representa cerca de 3%. 

Desde que me conheço como eleitor, faz mais de 50 anos, tenho observado que o brasileiro sempre teve preferência para os candidatos de centro.  Única exceção, foi no período do regime militar que o MDB exercia papel de esquerda e teve seu auge ainda no período governado pelo regime.  Hoje, sob nova denominação o PMDB, representa exatamente o partido do centro.  Não vai nem para esquerda, nem para direita. Está sempre, acompanhado o partido que governa o País.

Resumindo, o povo não quer saber de ideologia de extrema, tanto de direita como de esquerda.  As próximas eleições, mostrarão claramente esta posição.  O povo enxerga que o PT é de esquerda e PSDB é de centro-direita.  O PT vem fazendo esforço para mostrar que são do centro, mas ainda com resquício da  esquerda.  O PSDB, mostra que está umbilicalmente ligado ao empresariado, mas tenta a construir discurso mais para o centro-esquerda.  

Dilma e Lula são considerados pela população como de esquerda, querendo ou não.  É assim que se apresentaram no início do período do governo petista há 11 anos.  O PT de hoje, toma atitude do PSDB de ontem.   Ambos partidos tem passado diverso.  Eram como frente e verso de uma folha.  Hoje em dia, ambos partidos escrevem textos semelhantes.  Cada um dos partidos se assemelha ao outro cada vez mais.  PT e PSDB estão hoje, como gatos siameses, tão semelhantes que fica difícil distinguir um do outro, em temos de ideologia. 

Neste cenário, a Marina Silva é considerada como de esquerda, ou melhor da esquerda radical.  Como candidato solo nunca ganharia eleições no Brasil.  A Dilma só ganharia eleições de 2014, não pela posição ideológica do PT, mas pelo apoiamento da mídia, abastecido com verbas publicitárias que ultrapassam R$ 1,5 bilhão por ano.  Claro, na frente a Rede Globo.  As notícias plim-plim, encomendadas, vem funcionando a todo vapor.  

Resta saber, onde vai se situar o candidato Eduardo Campos.  Se ele se apresentar como da esquerda, não ganha eleições.  Eduardo Campo só terá chance, se ele se apresentar como candidato do centro-esquerda, já que do centro ele não é.  Alguns querem taxar de esquerda, mas pela gestão à frente do governo de Pernambuco mostra que Eduardo Campos é do centro-esquerda.  

Posso estar falando bobagem, mas o candidato que fizer discurso de extrema não ganhará eleições em 2014.  O discurso e a postura deverá estar mais para o centro.  A pesquisa Datafolha me fez fortalecer o pensamento que já estava a ser consolidado.  

Todos candidatos tentando se aproximar do centro, resta o diferencial do carisma pessoal de cada candidato.  Dilma tem tem  distribuição do tempo de TV do programa gratuito majoritário.  Do total de 20 minutos do programa de TV do horário gratuito, 12 minutos estarão disponíveis para Dilma, 4 minutos para Aécio Neves e 2 minutos para Eduardo Campos, se prevalecer o atual quadro.   Neste quesito, os candidatos Aécio Neves e Eduardo Campos, saem com desvantagem significativa.  

Aécio Neves e Eduardo Campos tem vantagem sobre Dilma, no quesito de discurso do novo.  Aécio Neves pelo centro-direita e Eduardo Campos pelo centro-esquerda.  Ambos terão um longo caminho a percorrer para se tornarem conhecido nacionalmente.  

Diante de todas considerações expostas acima, quem dos dois candidatos da oposição quem tiver carisma será o escolhido para o segundo turno.  E no segundo turno, se houver, qualquer um dos candidatos da oposição vence eleições de 2014, pela posição ideológica do centro.  

Ossami Sakamori

5 comentários:

  1. Excelente análise.
    Permita-me. Vi esta pesquisa e achei uma bobagem. Esquerda / Direita é o que há na Grécia, França e Alemanha.
    Eu tenho avaliado a reeleição em cima de Dólar e +Médicos, como estas medidas recentes estão sendo entendidas.
    Até agora, pra mim, vai dar Dilma ano que vem.

    ResponderExcluir
  2. Saka,

    Para mim os 4 candidatos são de esquerda. Marina (socialismo verde); Dilma (Socialismo Bolivariano); Campos e Aécio Néves (socialismo democrático). Marina está para as tribos indigênas e bárbaras do passado, como Dilma está para a Venezuela e Foro de SP e Campos e Aécio estaria para uma mistura entre Obama e Européia. Porám todos sicialistas. Quanto ao PMDB, mais parece um saco de gatos.

    PobrePecador.

    ResponderExcluir
  3. Acho tudo isso uma indecencia, pois nenhum desses candidatos sao honestos nos ideais de um sistema politico democratico. Infelizmente a democracia foi confundida com uma feroz e desmedida falta de etica de todos os envolvidos. Nao ha respeito por nada. Nem o Judiciario cumpre sua etica. O Brasil esta sendo dominado por almas perdidas, que fatalmente nos levarao ao caos. Nao ha um dia que nao se descubra safadeza de politicos, policiais, juizes. Ha um frenetico desejo de uma unica coisa: o Poder, e para tal, nao pode haver uma pedra no caminho. E isso que eu penso, infelizmente.

    ResponderExcluir
  4. Bem, hoje vivemos numa nova realidade, que ainda não foi discutida, que a tradição de levar as eleições para o segundo turno, antes, havia o hábito, que ainda exista, na verdade, da reeleição, assim como nos EUA. Mas, pela primeira vez, se fala, no Brasil, na possibilidade de um candidato, cotado para reeleição, Dilma, que pode, sim, não se reeleger. Sim, Dilma pode se reeleger, mas já se cogita a possibilidade, mesmo que remota, da atual presidente, não levar...

    No Brasil, tudo é lento demais, por isso, Marina, sozinha, não tem condições de se eleger sozinha, pois ainda existe o tabu de que "militantes verdes" são socialistas chiques, que só agradam a uma determinada elite intelectual.

    Não acredito em carisma, acredito n o poder para chamar votos, coisas que Aécio e Campos não têm de jeito nenhum. Os ranços ideológicos ainda existem no Brasil, o que impede que o Brasil chegue, finalmente, à maturidade política. Pelo menos, a tradição da reeleição já está sendo questionada. Daí, a possibilidade, mesmo que remota, de uma possível derrota de Dilma. Vamos ver...

    ResponderExcluir
  5. Acho que seja muito difícil que a Bandilma perca em 2014. Espero que sim, mas não tenho ânimo. Com 12 minutos para falar mentiras na cara dos brasileiros acho difícil !

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.