Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

quarta-feira, 1 de junho de 2016

O equívoco da política econômica do Temer

Crédito da imagem: Estadão

Quem está no centro do poder como presidente da República, ministro da Fazenda ou presidente do Banco Central, não respira a grave crise que vive o País. O deles estão garantidos e também do "establishiment" que os sustenta. Como diz, popularmente, eles estão numa "nice". Para o povo vai sobrar o aumento de impostos para cobrir o rombo deixado pela Dilma. 

O povo sofre a consequência das sucessivas retrações do PIB. Já se fala em retração do PIB para o ano de 2016, próximo de 5%.  A inflação continua resistindo próximo de dois dígitos (10%). O número de desemprego oficial medido pelo IBGE aponta 11,4 milhões de desempregados na média do trimestre encerrado no mês de abril, mas o número real da população desocupada está acima de 20 milhões, segundo @senador_ataides, no que concordo. O número de inadimplentes no sistema crediário, já ultrapassou os 60 milhões de pessoas, ou seja 40% do total da população adulta do País. Estes indicadores não são graves? Então, o que são graves para o "establishiment" ?

O "ajuste fiscal" desenhado pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, não é suficiente para reverter a situação de "depressão" no curto prazo. O "ajuste fiscal", não pode ser único instrumento para reverter a grave situação. Há que considerar outros dois importantes instrumentos da política monetária, a "política de juros" e a "política cambial" para tirar o País do atoleiro que se meteu. 

A inadequada prática de política monetária pelos sucessivos governos, dentro do Plano Real, levou o País a esta situação. Estamos pagando a conta dos erros passados, não só da administração Dilma. A transferência de renda dos pobres para ricos no País, fez crescer o abismo que separa as classes sociais, favorecendo os banqueiros e agiotas internacionais em detrimento da maioria absoluta da população brasileira.

É uma pena que o presidente Michel Temer é míope na macroeconomia, para ele perceber que estão a equipe econômica está a praticar a matriz econômica "neoliberal", a fórmula clássica da política econômica do FMI. Se fosse eu a desenhar a política econômica para levar o Brasil ao desenvolvimento sustentável, adotaria a matriz econômica liberal proposta no e-book de minha autoria. 

A adoção da política econômica "neoliberal", com apenas "ajustes fiscais" deixando no segundo plano a política econômica liberal não vai tirar o País da "depressão", no curto ou no médio prazo.  Enquanto isto, o povo continua a pagar o preço do equívoco que não pediu para praticá-lo. 

Ossami Sakamori












3 comentários:

  1. ÚNICO POLÍTICO QUE ANDOU NA LINHA O TREM PASSOU POR CIMA

    ResponderExcluir
  2. Esvaziaram os cofres da União, distribuição a torta e a direita incluindo a LEI ROUANET , Dilma afastada, Temer interino dando curso a "legalização" do crime através das reformas fiscais que traduzindo significa o que o Sr Ossami Sakamori descreve em mais um brilhante e lucido texto

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.