Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Dólar perseguirá a meta de R$ 4,50.


Hoje, 16 de dezembro, quarta-feira, acontece dois eventos importantes para a vida dos brasileiros. Um destes é a decisão do STF sobre recurso impetrado pelo PC do B sobre o andamento do processo de impeachment da presidente Dilma, o outro é a reunião do Fomc (Comitê Federal de Mercado Aberto) do FED (Banco Central) americano. 

Sobre o primeiro tema, o do impeachment da presidente Dilma, farei matéria após a decisão do pleno do STF. Isto só deve ocorrer à noite. Vamos ao segundo evento citado.

O FED, diante do aquecimento da economia americana há mais de um ano, em meses consecutivos e o índice de desemprego favorável, acompanhando o desempenho da economia, deve adotar na reunião de hoje ou deve apontar a tendência para a próxima reunião (março de 2016), o aumento da taxa de juros dos títulos do Tesouro americano.

Os títulos do Tesouro americano, atualmente remunerando os de curto prazo, em 0,25% ao ano, deve sofrer ligeiro aumento. A medida visa enxugar o liquidez do mercado, na tentativa de segurar o ritmo da expansão da economia, uma situação exatamente oposta ao quadro da economia brasileira. O principal indicador deles que é o índice de desemprego dos Estados Unidos, do mês de novembro deste ano é menor desde novembro de 2008, quando estourou a crise hipotecária que deu origem à crise financeira mundial naquele ano.

Sobretudo os países emergentes como Brasil, Turquia e Rússia, irão sofrer com o aumento da taxa de juros dos Estados Unidos, com a fuga de investimentos estrangeiros. Com o aumento da taxa de juros dos Estados Unidos, os investidores estrangeiros irão preferir aplicar em títulos americanos, embora com taxas menores, mas com maior segurança possível. Esta tendência já vem acontecendo desde o mês de outubro último. 

A fuga de investimentos estrangeiros em títulos do Tesouro brasileiro em torno de US$ 200 bilhões (os números mudam diariamente a cada minuto), vai trazer consequência imediata ma economia brasileira. A primeira consequência é a alta do dólar no mercado interno. O termo usado para esta situação se denomina "fuga de capital externo". Outra consequência é a alta da taxa básica de juros Selic na próxima reunião do Copom do Banco Central, na tentativa de estancar a "fuga de capital externo".  

Devido ao volume de reserva cambial brasileira, US$ 369,4 bilhões, apesar da "fuga de capital externo", não haverá "crise cambial", mas certamente, hoje ou nos próximos meses, considerado a conjuntura econômica brasileira totalmente desfavorável, o dólar deve romper o teto imaginado pelo Banco Central de R$ 4. O Banco Central aturará com intervenções, mas não terá força para segurar o dólar no teto de R$ 4. Nos próximos meses, o dólar deve flutuar no intervalo de R$ 4 a R$ 4,50. Digamos que isto seria a "banda informal" para o Banco Central. 

Podemos afirmar, em consequência, de que o dólar perseguirá a meta de R$ 4,50.

Ossami Sakamori





10 comentários:

  1. Bom dia Professor Sakamori!
    Merecemos o selo virtual "Prêmio Dardos", quando somos capazes de executar um trabalho de levar às pessoas, conteúdo útil, verdadeiro, de peso e de valor através da nossa escrita. Ao longo desse tempo, O Blog do Sakamori tem sido feito a diferença, com a contribuição de conteúdo sério e limpo.
    Grupomoneybr e eu, temos o prazer e o orgulho de indicar este blog ao prêmio "Dardos". Confira aqui..
    http://wp.me/p1phjb-Ew
    Abraços!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você deu um presente de Natal ao Sr Sakamori e a todos nós, seus leitores e comentaristas. Conferi a indicação e até deixei lá um comentário te elogiando. Tomara que seja o premiado!

      Excluir
    2. Como parte do Grupomoneybr sinto-me também honrada, por desta forma estar indicando nosso amado professor que nos trás o fruto de seu esforço em todo o tempo. Assim, estamos sempre atualizados. Receba o nosso coletivo abraço professor Sakamori.

      Excluir
    3. Aos amigos Mônica, Daniel e Marilene,
      Agradeço demais a indicação feito por vocês ao selo virtual "Prêmio Dardos", embora não seja merecedor de tanta honraria.
      Felizmente, este blog tem sido espaço para discussão de temas importantes para o País.
      Ciente sou de que respondo solidariamente ao conteúdo dos comentários de leitores destes, não me ouso fazer censura ou moderação a nenhum deles.
      O blog é mais de vocês do que meu.
      Para conhecimento de vocês, o tema tratado nesta matéria (Dólar persegue meta de R$ 4,50), o Estadão acaba de publicar o parecer do Itaú/Unibanco tratando do mesmo tema indicando a tendência do dólar alcançar R$ 4,50 no próximo ano.
      Aproveito a todos leitores e leitoras, o meu muito obrigado!
      Ossami Sakamori

      Excluir
  2. Pelo jeito o Plano Real já está comprometido. Tenho saudade da década de 90 em que um Real valia um Dólar.

    ResponderExcluir
  3. A paridade em 4 ou 4,50 diminui o custo Brasil. Indústria e exportadores são beneficiados, desde que estável este cenário. Câmbio valorizado não indica economia saudável.

    ResponderExcluir
  4. A paridade em 4 ou 4,50 diminui o custo Brasil. Indústria e exportadores são beneficiados, desde que estável este cenário. Câmbio valorizado não indica economia saudável.

    ResponderExcluir
  5. O pessoal do agro-negócio está rindo à toa e torcendo pra o dólar americano ir a R$ 10,00 .

    ResponderExcluir
  6. Aos amigos Mônica, Daniel e Marilene,
    Agradeço demais a indicação feito por vocês ao selo virtual "Prêmio Dardos", embora não seja merecedor de tanta honraria.
    Felizmente, este blog tem sido espaço para discussão de temas importantes para o País.
    Ciente sou de que respondo solidariamente ao conteúdo dos comentários de leitores destes, não me ouso fazer censura ou moderação a nenhum deles.
    O blog é mais de vocês do que meu.
    Para conhecimento de vocês, o tema tratado nesta matéria (Dólar persegue meta de R$ 4,50), o Estadão acaba de publicar o parecer do Itaú/Unibanco tratando do mesmo tema indicando a tendência do dólar alcançar R$ 4,50 no próximo ano.
    Aproveito a todos leitores e leitoras, o meu muito obrigado!
    Ossami Sakamori

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.