Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Dilma & Cunha, a "separação" litigiosa !


Acabou o acordão entre Dilma e Cunha, ontem. Os deputados do PT votaram pelo prosseguimento do processo de cassação do Cunha no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar e o presidente da Câmara Eduardo Cunha acolheu o pedido de impeachment formulado pelo Hélio Bicudo. O acordão foi comentado neste blog  em 18/11 com o título: Dilma & Cunha estão "in love".  Acabou "lua de mel"!



O deputado Eduardo Cunha, presidente da Câmara dos Deputados estava segurando o pedido de impeachment formulado pelo ex-procurador e fundador do PT, Hélio Bicudo, em troca de arquivar o pedido de cassação de mandato do deputado no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar. O acordo foi rompido, ontem. 

Segundo imprensa, a presidente Dilma quando soube do acolhimento do pedido de impeachment pelo deputado Eduardo Cunha, não se surpreendeu e afirmou: "C'est la vie" e completou: "Eu não vou aceitar ser chantageada".



Mais tarde, a presidente Dilma fez um pronunciamento para a imprensa mostrando sua contrariedade contra a decisão do deputado Eduardo Cunha em acolher o pedido de impeachment. Aproveitou para dar uma "estocada" no deputado dizendo que ela não possuía contras no exterior "em seu nome". O discurso é muito semelhante à afirmação que Eduardo Cunha fizera na CPI da Petrobras de que não tinha contas no exterior "em seu nome". A conta pode estar em nome do seu ex-marido ou pessoas da família ou ainda o dinheiro pode estar depositado em "trust" tal qual o deputado Cunha. 

Quanto ao processo de impeachment aceito para ser analisado e votado pela Câmara dos Deputados, o desdobramento é imprevisível. O governo Dilma já avisou que vai recorrer da decisão no STF. Dificilmente, a votação no plenário da Câmara dos Deputados acontecerá ainda neste ano. Segundo especialistas, a votação na Câmara dos Deputados deverá ocorrer no prazo de seis meses. Tomara que isto não venha acontecer. O País não aguenta esta situação de instabilidade política. 

Enquanto o processo de impeachment corre nos escaninhos jurídicos, o País vai paralisar. Os empresários e os agentes econômicos ficarão em compasso de espera. As agências de classificação de riscos, poderão rebaixar as notas de riscos do País. No cenário internacional, o Brasil continuará sendo motivo de piada. No entanto, o processo de impeachment é um fato e a cassação de mandato também. O PMDB já prepara o governo do Michel Temer. 

O comentário de hoje é sobre a "separação" litigiosa da Dilma & Cunha. Sobre o tema de impeachment ainda vai dar muito pano para manga e será objeto do meu comentário em outras matérias. 

Ossami Sakamori













@SakaSakamori

6 comentários:

  1. Eduardo Cunha e Dilma são como óleo e água: não se misturam. Ambos são impulsivos, não voltam atrás e são arrogantes. Dessa forma, conviver juntos seria impossível e uma separação amigável também seria difícil, só restou a litigiosa mesmo.

    ResponderExcluir
  2. AINDA BEM: ESSA LUA DE MEL SERIA UM QUADRO HORRÍVEL

    ResponderExcluir
  3. Pizza com dois sabores, mofados e prontos para redundar numa diarréia nunca antes vista na história deste país.
    A palhaçada continua e o povo que se f...

    ResponderExcluir
  4. O PT sabia que ao se posicionar Contra Eduardo Cunha no conselho de ética, o mesmo aceitaria o impeachment. O Congresso tinha acabado de aprovar o rombo nas contas públicas de 2015.
    Então, caro Saka, lhe pergunto: se o PT sabia, fez de caso pensado, mas por quê? Talvez pq com esse rombo sobre dinheiro pra comprar os nobres senadores? Ou talvez pq o PT, em segredo, tbm deseja a saída da Dilma do cargo??

    ResponderExcluir

  5. Então, em seu nome não tem, mas e os familiares?

    E mais, no seu pronunciamento DILMA disse mentira atrás de mentira.

    Continua a mesma, não muda.

    ResponderExcluir
  6. Não há comprometimento da classe política brasileira com o povo e com o país.

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.