Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Se Dilma para o bicho pega!


A economia está no mato sem cachorro. Além do aumento de impostos de R$ 80 bilhões, anualizados, propostos pelo Joaquim Levy, ministro da Fazenda, a Dilma presidente cede ao plano de ajustes econômicos e propõe corte de gastos públicos em R$ 78 bilhões. Isto é o que release do Palácio do Planalto está anunciando, insistentemente. Fez até encenação de reunião num domingo no Palácio da Alvorada. 

O governo Dilma se meteu numa encrenca do tamanho de bonde. Inicialmente teve que fazer ajustes dos preços administrados como energia elétrica e combustíveis que estavam engessados numa aventura irresponsável, tudo para manter a popularidade da presidente com intensão clara de ser reeleita para o segundo mandato.

Com os aumentos de impostos e contribuições propostos, a economia entrou na rota de retração. Para piorar, a economia do País está sentindo o reflexo da contração da economia em função da Operação Lava Jato. Com economia em retração, a arrecadação do governo está em declínio, obviamente. 

Apesar de aumento de impostos e contribuições e cortes nos gastos públicos, somados, em torno de R$ 160 bilhões, anualizados, parece encontrar dificuldade em atender a demanda o suficiente para gerar o superávit primário de R$ 55 bilhões, somente pelo governo federal, neste ano.  

O superávit primário, a diferença de tudo que o governo arrecada e tudo que o governo gasta é importante para o mercado financeiro global. Isto é uma dogma do FMI. O certo é que o FMI e a comunidade internacional exige  que o Brasil gere superávit primário acima de 2 % do PIB somente o governo federal.  Isto equivale a cerca de R$ 120 bilhões no final do ano. O governo Dilma faz do tripa o coração para gerar pelo menos R$ 55 bilhões, para acalmar a comunidade financeira internacional.

O cumprimento da meta do superávit primário, dinheiro para pagar parte dos juros da dívida pública, prometido pelo Joaquim Levy perante a comunidade internacional, é importante para manter o "grau de investimento" e não ser rebaixado para o "grau de especulação" pelas agências de classificação.

A geração de superávit primário é importante para que o Brasil, que precisa rolar a sua dívida pública de cerca de R$ 4,2 trilhões, para isso é importante manter a classificação de riscos no "grau de investimentos". Deixar cair a classificação para o "grau de especulação" será um passo para o País entrar em colapso ou "default". Isto é que se classifica como administração incompetente e irresponsável. Só este fato mereceria o processo de impeachment.

Se Dilma para o bicho pega, se a Dilma corre o bicho come!

Ossami Sakamori
@SakaSakamori



6 comentários:

  1. O Brasil está igual ao cidadão que deve para um agiota. Quanto mais ele paga mais fica devendo. O Site do Claudio Humberto noticiou isto: "Receita do governo federal passa de R$1 trilhão
    As receitas do governo federal, retiradas do contribuinte com impostos, multas e taxas, além de outras arrecadações oriundas de investimentos e outras cobranças, já ultrapassam R$ 1,05 trilhão, pela Transparência. O valor é ainda mais impressionante, pois foi atingido só nos primeiros quatro meses de 2015 e equivale à quase metade dos R$ 2,23 trilhões embolsados pelo governo Dilma em todo o ano passado." Link: http://www.diariodopoder.com.br/coluna.php

    ResponderExcluir
  2. Parabéns. De fato a nossa economia encontra-se numa encruzilhada. O Governo não fez a sua parte quando deveria, e agora tenta corrigir os erros de muitos anos. Não é uma tarefa fácil. Vamos aguardar os desenrolar dos fatos. Só o tempo irá dizer se a equipe econômica segue o caminho certo.

    ResponderExcluir
  3. O país (povo) está entregue às traças.
    Nunca ninguém roubou tanto,,em tão pouco tempo e sem nenhum castigo.
    Impunidade é o nome dado para a incompetência e ladroagem que rola solta,sem freio,sem limite e o povo que se f.....da.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que me irrita é a passividade dos nossos concidadãos em acreditar que esse trio: Equipe econômica com Levy(banqueiro só vê lucros à bancos); Presidente Dilma(Comunista guerrilheira, mentirosa e arrogante); Pres Senado Renan Calheiros(Guerreia com Dilma pois ambos estão enrolados na lava jato ): Pres Congresso Federal Eduardo Cunha(mercenário: vota em quem paga mais). Sem falar no STF, OAB, UNE, CNBB, STE......todos emparelhados com o PT. Como vamos mudar para melhor esperando por esses? Final desse mês tem o "Ocupa Brasília" quando o MBL chega a Brasília e a oposição pedirá o Impeachment da Dilma. Se isso não der certo, só uma guerra civil pois Lula planeja se candidatar para Prefeto de São Paulo em 2016 e Presidente da República em 2018 e como ele é bom de papo e o povo bobo, pode ser que até ganhe e aí estaremos ferrados.

      Excluir
    2. A quadrilha mafiosa não larga mais o osso.
      Não há (nunca houve)político sério no Brasil.
      Não há mais saída para o povo a não ser a miséria e a fome.

      Excluir
  4. Agora, o corte na própria carne vai sair do âmbito da retórica. Esqueceram desse pequeno detalhe, ou seja, com o FMI pedaladas não funcionam. Que a PETROBRAS, por seus diretores, coloque a barba de molho tbém, porque está sendo alvo de novas ações na justiça dos EUA.

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.