Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Tombini na Fazenda é a aposto do momento.


Contrariando a expectativa inicial minha e do mercado financeiro sobre a indicação do novo ministro da Fazenda do segundo mandato da Dilma, o indicado deverá ser o atual presidente do Banco Central, Alexandre Tombini ao invés do Henrique Meirelles, indicado do Lula. 

O provável ministro da Fazenda Alexandre Tombini reúne o perfil que a Dilma quer para a pasta. Tombini no exercício do cargo de presidente do Banco Central executou a política monetária que a Dilma queria. Pautou pelo "real valorizado" e a meta da inflação dentro do teto da meta, sobretudo.

Uma coisa é certa, com Alexandre Tombini à frente do ministério da Fazenda, é pouco provável que promova "choque" na economia para restabelecer a confiança dos investidores institucionais e especuladores internacionais. Tombini deverá fazer ajuste na economia, sem medidas de impacto, com muita parcimônia, bem ao seu estilo.

Com Tombini na Fazenda e presidente do Banco Central indicado por ele, o real continuará valorizado.  Os preços administrados deverão continuar engessados. A política de expansão de crédito ao consumidor continuará. Algumas desonerações pontuais, como IPI dos automóveis deverá estar na pauta para decisão como primeiras medidas da sua administração frente ao ministério da Fazenda.

Alexandre Tombini deverá conter os gastos públicos nos próximos 2 anos para conseguir gerar o superávit primário, feito que não se alcançará no ano de 2014. A política de subsídios do programa PIS, o Bolsa Empresário, deverá ser restringido aos limites já autorizados pelo Senado Federal. Tombini deverá seguir a política do então ministro Maílson da Nóbrega, estilo "feijão com arroz". 

O estilo Tombini deverá ser marcado pela opção de preservar o sistema financeiro saudável, isto é, continuará como agora no comando do Banco Central privilegiando o sistema financeiro em detrimento do sistema produtivo do País. Os credores e especuladores internacionais deverão se acalmar com a indicação do Tombini para a Fazenda.

O Tombini, burocrata de carreira, na condição de ministro da Fazenda deverá assumir a presidência do Conselho de Administração da Petrobras, acalmando o mercado agitado em função do escândalo de corrupção desvendado pela operação Lava Jato.  Tombini deverá impor austeridade na Petrobras para tentar recuperar a credibilidade da Companhia. 

Com Tombini na Fazenda, o Brasil continuará com a cara da Dilma.  O mercado financeiro acalmará. O Brasil continuará como "pato manco", ao estilo Dilma, enganando o povo brasileiro, o mercado financeiro internacional, sem que haja perspectiva de desenvolvimento sustentável. Brasil vai parar por 4 anos, com crescimento do PIB pífio e inflação encostado no teto da meta.  

Tombini na Fazenda é a aposta do momento.

Ossami Sakamori


7 comentários:

  1. Bom conhecer mais sobre o moço, Tombini. Mas Dilma não tem muita saída, tem que diminuir os estragos causados nos 4 primeiros anos, diminuir os rombos... e desenvolvimento, crescimento, não são especialidades nem interesses do PT. Esperamos que ela não fique mais 4 anos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa cambada faz de conta que governa e nós,bobos,fazemos de conta que temos um país do qual se orgulhar...

      Excluir
  2. Caro amigo Saka, Tombini como tudo ultimamente é o começo ou o fim de nosso "tombo". Esse cerceamento físico e moral faz parte do engessamento "pato manco" que estamos vivendo.Olhe para o rosto dos que trabalham. Onde está a alegria ou a esperança ? Olhe para quem vive à custa de quem trabalha. Está o medo de ter que trabalhar. O PT cumpriu sua meta e continua cumprindo. Deixa a classe operária pobre e a eleitora achando que está mais rica. E assim o nosso Tombo será nos braços do castrismo, ou mais embaixo, onde reina o analfabetismo da alma

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estamos sendo condicionados para ser cubanos e estamos contentes com isso.Reclamamos,mas gostamos...

      Excluir
  3. Concordo, que o Tombini não tenha o tamanho necessário para o cargo, apesar de ter um transito razoável no mercado, acredito que por influencia de LULA se indique H Meirelles para a pasta da Fazenda. Bom mas cuidado com quem damos ouvido ao amigo que escreve este blog, por isso indico a leitura http://amigosdoossami.blogspot.com.br/ e http://nalei.com.br/golpe-do-carro-facil-presos-no-acre-sao-liberados-457/ para abri a cabeça dos leitores.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não importa quem esteja no cargo(palco),o teatro sempre vai ter uma platéia de espectadores tontos (nós),que gostamos de ser enganados e nem sabemos viver de outra maneira.

      Excluir
  4. Brasil,país de todos os bobos (nós).
    Mudam os burros,mas a carroça é a mesma.
    Falta de vontade política para mudar.
    Trocar seis por meia dúzia,dá no que dá:um país de último time sendo campeão de incompetência,com resultados pífios e que tem a cara de pau de maquiar resultados para estar entre os 20 países mais ricos (e ainda fazem um slogan dizendo : BRASIL-País rico e País sem pobreza (até hoje não entendi se BRASIL significa povo (nós) ou políticos corruptos(eles).
    O gigante acordou,olhou em volta e voltou a dormir eternamente,em berço explendido...

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.