Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

domingo, 9 de agosto de 2015

Tu és meu pai ! por Mônica Torres

Por Mônica Torres
Hoje em especial quero me dirigir a ti, meu Deus, como filha. Quero que compreendas a dificuldade de elaborar uma prece com as palavras simples, quando meu desejo é tão carregado de emoções ricas.
Aqui, de onde eu escrevo, há limites, porque apesar de perfeita a natureza da matéria com que me fizeste, minha pequenez espiritual ainda engatinha pelo terreno bruto da evolução, e assim, não sou capaz de alçar estágios mais avançados de uso desse intelecto.
Então, apenas som a compreensão limitada que os filhos têm dos pais e no gozo pleno do privilégio de ser amados incondicionalmente, eu Te procuro agora, meu Deus, para te falar hoje, mais do que ouvir.
Há dias venho me ressentindo da chegada do dia de hoje, há dias tenho antevisto a alegria de uns e a tristeza de outros, e Tu Senhor, sabes bem porque. Os jornais, a TV e toda sorte de vozes à volta promovem e comemoram no automático de seus cotidianos, o dia dos pais. Há pessoas nas ruas, nas lojas, nos restaurantes, nas casas simples ou elegantes, em hospitais, em abrigos, visitando os seus pais, ora com presentes, ora com abraços e beijos. Mas eu, Senhor, eu não participo desses preparativos, e tampouco da comemoração, porque levaste aquele que me era caro e a quem eu poderia abraçar com risos e carinho no dia de hoje. Então, acho que Tu conheces bem a minha queixa.
Parte de mim, amanheceu mágoa e minha primeira lembrança acompanhada de lágrimas foi para ele, meu pai. Ele não foi um homem comum e curiosamente “como tantos outros”, foi diferente de todos. e o melhor pai do mundo. Eu daria tudo para que num descuido em Tua agenda sagrada, permitisses por um instante, um instante apenas, o encontro entre nós para um abraço que matasse um pouco a saudade. Mas como eu Te disse, Deus, é só parte de mim que está magoada.

A outra parte, se regozija em consolo e gozo, porque compreende que apenas Tu és meu pai, e somente a Ti, preciso me dirigir assim. Mais que isso, não preciso sair às ruas para Te comprar um presente, nem preparar o almoço de comemoração, porque Tu estás devidamente introjetado em minha vida. 

Obrigada meu Pai, por me fazeres entender que minha comemoração e festa dão-se dentro de mim e à minha volta, a cada dia que acordo e posso festejar Tua presença na minha vida.
Não há lágrimas ou mágoas na minha lembrança de Tua presença, só agradecimento pela vida em todas as faces que me permitisses viver. Há somente a sensação serena de uma presença divina que nunca vai embora, que sempre esteve aqui e a quem sempre poderei chamar de Pai.
Nesse então, refeita dos primeiros pensamentos de queixas, percebo que aquele cuja presença material, em minha vida permitisses por um tempo, aquele a quem chamei de pai por todos os dias de minha vida, é tão somente meu irmão perante Ti, e de quem cuidas com o amor, que eu, pobre de espírito, jamais poderia prover.
Mônica Torres
@nictorres

23 comentários:

  1. Mônica,

    Peço sua licença para assinar junto contigo.

    Ossami Sakamori
    Editor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não há nada menos que honra, professor, em ter sua assinatura junto à minha. Obrigada pela oportunidade, sempre.

      Excluir
  2. Gostei muito!!! Traduziste sensações de muitos de nós, órfãos na vivência diária e eterna com o Pai de Todos!!! Grato pelas belíssimas palavras!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela presença, Jorge. Acredito mesmo que muitas pessoas se sentem assim hoje.

      Excluir
  3. Como sempre, Mônica.... você arrasa!

    ResponderExcluir
  4. Este foi o texto mais lindo dos dias dos pais que eu, como pai, já li. Seu pai mereceu a filha que és. E Deus, orgulhoso disso, deve estar mostrando ao seu pai. _Veja o que sua filha Mônica escreveu para "Nós".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Puxa, Daniel, difícil respondê-lo... trouxe-me de volta as lágrimas.. Espero sinceramente que todos nós sejamos merecedores desse amor incondicional divino que Ele nos dá. Abraços e seja sempre bem vindo.

      Excluir
  5. Cláudio Cabral Silva9 de agosto de 2015 18:59

    Exato, lúcido e cristalino pensamento. Inteiramente de acordo com aquilo que acredito, sigo e pratico.Beleza de texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grata Cláudio, pela leitura.. que nunca nos falte o amor de nosso Deus, que é Pai verdadeiro todos os dias. Abraços!

      Excluir
  6. Mônica é por isto que me aquieto. Meu pai e eu éramos muito amigos desde criancinha confiava em mim. Isto facilitou a minha visão para com o Pai Eterno, que vive eternamente. Também foi suporte para que eu tomasse muitas decisões e aceitasse desafios, por meu pai estava ali. Partiu no momento certo, infartando em meus braços. Era a filha que ele mais confiança. Que privilégio. Tantas foram a minha responsabilidade que não tive tempo para choro. Depois veio o desamparo. Meu pai foi o homem mais inteligente que já conheci. Extremamente humanitário e isto herdei dele, sem tirar nem por ou querer copiar. Todas suas obras engenhosas do passado, ainda estão lá na minha terra. Um modelo a ser seguido!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Felicidade poder viver isso. Então fica fácil secar as lágrimas e ir em frente. Bjs, Marilene!

      Excluir
  7. Um lamento, Uma oração. Que mais posso dizer de tão belo diante de tão belas palavras que exprimem o meu sentimento diante da partida de meu pai. Adorei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Francisco. Partilhamos então da mesma emoção. Nossa fé nos faz ir em frente. Sorte e paz pra você. Abraços e volte sempre!

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  8. texto maravilhoso diria transcendental..

    ResponderExcluir
  9. Minha querida Mônica, impossível não ler o seu texto sem que às lagrimas uma a uma ,rolasse feito uma cachoeira.Precisei, confesso, parar muitas vezes para chegar ao fim. Que belo,maravilhoso,espetacular,divino,verdadeiro,óvbio e magnífico...A emoção tomou conta de mim, difícil demais escrever mais alguma coisa. Mas não posso (e nem devo), antes de encerrar, parabenizá-la e abraçá-la fortemente, por sua grandeza, por abrir a sua alma e nos contemplar com um JÓIA desse quilate. Beijo no coração, Sempre, Fátima Queiroga

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Fátima. Não era meu desejo provocar lágrimas, mas ao escrever também não pude conter as minhas. Vale sempre o consolo da esperança do reencontro, não é? Fica com Deus! Grande abraço carinhoso, amiga.

      Excluir
  10. Querida, Mônica!
    Parabéns!
    Seu texto está repleto de Alma e Coração!!
    Que estes sentimentos filiais de tanto amor e compreensão à temporalidade da existência, amenizem a dor da saudade e a mágoa da ausência, para que vivas plenamente feliz, com a gratidão pelo paizinho amado que te acolheu em Nome do Pai de todos nós!!
    Fraterno e carinhoso abraço!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nasa perdemos, Monica, porque nada neste mundo é de fato nosso. No entanto o presente divino, dado por nosso verdadeiro Pai, o presente da convivência com aqueles a quem amamos, tão precioso é, que não desejamos jamais nos afastar dele e então tecemos até propriedade e posse. No entanto nosso bem maior é nos lembrar nessas horas de saudade, que todos, sem exceção, somos apenas irmãos e que nosso Pai divino, jamais nos faltará. Grata por suas visita e atenção, querida. bjs!

      Excluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.