Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

quinta-feira, 26 de novembro de 2015

O começo do fim do PT !


Na sessão, de ontem à noite, do Senado Federal, especialmente convocado para decisão sobre prisão do Senador Delcídio Amaral, PT/MS, os senadores que compõe a Câmara alta, decidiram por 59 votos a favor e 13 contra, a manutenção da prisão preventiva determinada pelo ministro relator do Lava Jato Teori Zavascki e ratificada pelo pleno da Segunda Turma do STF. Pela decisão do Senado, o Senador Delcídio Amaral continuará preso.

O assunto mereceu acirrado debate por se tratar da primeira prisão de um senador em exercício de mandato. O assunto ganhou destaque sobretudo pelo conteúdo da gravação que fazia parte da peça do processo. Na gravação, o diálogo entre os detidos e o filho do delator colaborativo Nestor Ceveró, falava em proposta do senador, para em troca de silêncio sobre nome dele e do banqueiro André Esteves, em troca de da fuga espetaculosa do delator para Espanha e oferta de mesada para manutenção da família.

O fato ganhou contorno político porque o Senador Dulcídio Amaral, PT/MS, exercia até ontem, função de líder do governo Dilma no Senado Federal. Além de tudo, o assunto tratado nas conversas gravadas, se referia sobre à compra da Refinaria Pasadena nos Estados Unidos, que segundo TCU, deu prejuízo à Petrobras em cerca de US$ 962 milhões de dólares ou equivalente a cerca de R$ 3,67 bilhões, na cotação de ontem. 

Lembrando que a compra da Refinaria Pasadena foi aprovado pelo Conselho de Administração presidido pela atual presidente da República Dilma Rousseff. A alegação da presidente Dilma de que assinou sem ler, é derrubada pela delação colaborativa do Nestor Ceveró, à época, diretor da Área Internacional da Petrobras. A investigação sob relatoria do ministro Teori Zavascki vai levar fatalmente à investigação da participação ou não da Dilma no processo fraudulento de compra daquela refinaria.

O presidente do PT Rui Falcão, na manhã de ontem, fez chegar à imprensa a declaração de que não se solidarizaria com o Senador da República, filiado ao Partido do Trabalhador, porque o assunto era de caráter pessoal do Senador Delcídio Amaral, como se o processo de maior ladroagem na Petrobras revelada pela Operação Lava Jato não tivesse nada com o PT.

Na votação em aberto, os senadores e senadoras que votaram à soltura do Senador, apesar de unanimidade da decisão do STF, foram os seguintes:

Ângela Portela, PT/RR
Donizeti Nogueira, PT/TO
Fernando Collor, PTB/AL
Gleisi Hoffmann, PT/PR
Humberto Costa, PT/PE
João Alberto de Souza, PMDB/MA
Jorge Viana, PT/AC
José Pimentel, PT/CE
Lindberg Farias, PT/RJ
Paulo Rocha, PT/PA
Regina Sousa, PT/PI
Roberto Rocha, PSB/MA
Telmário Mota, PDT/RR

O governo Dilma que já estava sem apoio no Congresso Nacional para votação dos projetos importantes para equilíbrio das contas fiscais deste exercício e do Orçamento Fiscal de 2016, fica completamente inviabilizada a aprovação de qualquer projeto. A já difícil situação política da Dilma, com a decisão do Senado, de ontem, acabou de enterrar o governo Dilma. Vão juntos, para o lixo da história brasileira, o PT, a Dilma e o Lula.

A decisão do Senado, decretou o "começo do fim do PT".

Ossami Sakamori














12 comentários:

  1. Um país de psicopatas no comando, igualzinho ao do cumpañero Maduro.
    Balança, mas não cai. Até mãe do capeta foi comprada por eles, para se garantirem no poder para sempre. O Brasil acabou de vez. Se a esperança é a última que morre, já morreu faz tempo...

    ResponderExcluir
  2. Coisa rara é votação aberta.
    Anotem bem os nomes das tranqueiras que votam contra o povo,defendendo a cambada de ladrões que se instalarem em Brasília.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O 13 saiu do folclore para a vida real. Seus seguidores sofrem de disturbios reais...

      Excluir
  3. A QuadrilhaBrasil não desaponta ninguém.
    Todo dia tem uma sacanagem nova.
    PQP. Paisinho chinfrim esse Brasil...

    ResponderExcluir
  4. PQP,
    Isso é país ou uma z...?
    O Senado mais parece uma casa de tolerância (a recíproca é verdadeira).
    Que vergonha !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Numa casa de tolerância ou casa de putas, elas são trabalhadoras ou por conta própria ou por conta de outrêm, e há certa dignidade no seu trabalho porque essa profssão é considerada de risco.
      Mas no Senado? Só há corruptos e filhos da puta sem dignidade alguma. $ó pen$am em roubar e $erem corrompido$ não importa como, nem me$mo pela vaca bulgara.

      Excluir
  5. MAS QUEM SABE OS COMPANHEIROS COLLOR E BARBALHO CONSIGAM SALVAR O PT? AINDA HÁ ESPERANÇA PELA ILIBADA HISTÓRIA DESSES DOIS SENADORES

    ResponderExcluir
  6. Meu nobre Mestre Sakamori, a votação foi aberta pela pressão popular nas redes sociais, porque se dependesse do Presidente do Senado, seria fechada e o Senador que mesmo sendo citado na Lava Jato estava acima de qquer suspeita, seria naturalmente solto. Essa Vitória é da população brasileira que parou seus afazeres para mandar mensagens cobrando dos Senadores uma votação aberta. Esperamos agora, que o jovem banqueiro abra a boca e coloque os grandes mentores dessa máfia brasileira na Cadeia. Bom dia e SALVE O STF....SALVE SERGIO MORO!

    ResponderExcluir
  7. O juiz Sergio Moro está sozinho para enfrentar essa tropa de petistas FDP cujo único objetivo é acabar com o Brasil.Só revolução armada e guilhotina para o barbudo e seus asseclas,

    ResponderExcluir
  8. O nome correto é D-E-L-C-Í-D-I-O.....

    Não é IpiLanga, é IpiRanga...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Ortelino Trocaletras escreve de forma que o conteúdo é entendido.De letrados o Planalto está cheio e de que vale isso,para o Brasil?Acrescentam o que além de corrupção deslavada e patriotismo venezuelano. Infiltrado é tudo igual, só sabe criticar e trabalhar em silêncio, na sombra, como morcego, sangue-suga.

      Excluir
  9. Paisinho de merda esse Brasil...

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.