Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Derrubada o veto dos votos impressos.


Na noite de hoje, dia 18, o Congresso Nacional derrubou veto da presidente Dilma sobre votos impressos, nas eleições em todos os níveis, à partir do ano que vem, 2016. Na votação na Câmara dos Deputados a oposição venceu com ampla margem. No Senado Federal, o presidente Renan Calheiros segurou a votação até que desse quorum de 62 senadores, à pedido do PSDB. A derrubada do veto no Senado ocorreu com 56 votos favoráveis e 6 contra. 

O TSE já estava programando normas para as eleições municipais de 2016, sendo que com a derrubada do veto da presidente Dilma sobre voto impresso, será necessário fazer adaptações. No entanto, as últimas informações constam que o voto impresso será implantado somente nas eleições de 2018. O detalhamento como será o voto impresso, deverá ser regulamentado pelo TSE para as eleições de 2018 ou 2016, de acordo com decisão do Tribunal. 

O Congresso Nacional não conseguiu derrubar o veto da presidente Dilma sobre financiamento de empresas privadas nas campanhas eleitorais, aprovados pelo Senado e Câmara. Sendo assim, o financiamento das campanhas eleitorais à partir de 2016 será feito exclusivamente pelas pessoas físicas. A regulamentação deverá ser feita pelo TSE até o fim de março do próximo ano.

Vamos aguardar regulamentação das próximas eleições, diante das novas normas, ou seja da manutenção do financiamento de pessoas físicas para campanhas eleitorais e sobre utilização das urnas eletrônicas com o voto impresso, no dia da votação. 

A impressão que ficou na seção do Congresso Nacional sobre a derrubada ou manutenção dos vetos da presidente Dilma, é que o PT perdeu a força política no Senado Federal e na Câmara dos Deputados. PT não é mais o mesmo partido aguerrido de antes. 

Ossami Sakamori












12 comentários:

  1. VIVA A DEMOCRACIA, AUDITÁVEL TRANSPARENTE E LEGITIMA, POIS ANTES NÃO FOI E NINGUEM ANULOU POR FALTA DE LEGITIMIDADE, QUE SE PERMEIA DE SER AUDITÁVEL DE BOA FÉ..

    ResponderExcluir
  2. VIVA A DEMOCRACIA, AUDITÁVEL TRANSPARENTE E LEGITIMA, POIS ANTES NÃO FOI E NINGUEM ANULOU POR FALTA DE LEGITIMIDADE, QUE SE PERMEIA DE SER AUDITÁVEL DE BOA FÉ..

    ResponderExcluir
  3. Não se iludam.
    Quem conhece os políticos brasileiros,sabe que nada aqui é sério.
    Vão achar um jeito de levar com a barriga até a eleição do Lula(de novo,haaf!) e,quando garantirem a continuação da pilantragem legalizada,quiçá façam nova alteração da legislação,no que são hábeis articuladores e o povo,como sempre,continuara´ a ser palhaço do sistema.
    Alguém duvida?quer apostar?

    ResponderExcluir
  4. Minha luta é pela volta do voto em papel com a presença de fiscais tanto do sistema eleitoral quanto dos partidos políticos, como antigamente. A urna eletrônica nada mais é que um software programado, e como o TSE não dá permissão nem para fazer vistoria nas urnas, ficasse a dúvida: Será que a empresa que fabrica o software não poderá adaptar a impressão do voto impresso pelo votante no candidato escolhido mas na verdade o voto ser computado para outro? Em informática tudo pode acontecer!

    ResponderExcluir
  5. MINISTRA DA AGRICULTURA, EM VIAGEM À CHINA, DISSE QUE O BRASIL EXPORTARÁ JUMENTOS PARA AQUELE PAÍS.

    Brasília ficará um deserto

    ResponderExcluir
  6. Sugiro que a impressão do voto poderia ser feita em 2 vias (como no cartão de credito) uma para o eleitor e outra na urna física, ai conseguimos confrontar com a contagem do software, ficaria também a cargo do eleitor acompanhar a apuração da sua zona eleitoral tudo pela segurança e transparência.@duartevalmir

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se fizerem isso a mamata e a patifaria política acaba no Brasil.
      Como fica a turma da maracutaia, parasita e lesa-pátria?

      Excluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. PT pode não ser mais aguerrido dentro do Congresso. Contudo, seus discipulados continuam cada dia pior. A semente do 'topete', da discórdia, da viseira foram plantadas. Hora de separar o joio do trigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só uma guerra civil pode mudar o Brasil.

      Excluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.