Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Dilma & Cunha estão "in love" !


Ontem à noite, foi mantido o veto sobre o reajuste dos funcionários do Judiciário, matéria aprovada como "pauta bomba" pelo Congresso Nacional. Para derrubada do veto seriam necessários 257 votos contra, mas a votação terminou com 251 votos contrários. Não conseguindo a derrubada pelos deputados, o assunto não seguiu para votação pelos senadores. A presidente Dilma conseguiu vitória importante para desarmar a pauta boma e o pedido de impeachment.

Quanto o Congresso Nacional aprovou a "pauta bomba", o presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha estava de "bico" com a presidente Dilma, por conta das investigações seletivas sobre suas contas na Suíça, pelo Procurador Geral da República. Após a mudança do ministério e com Jaques Wagner no cargo de chefe da Casa Civil, Dilma conseguiu desarticular a "pauta bomba" e aproximar-se do Eduardo Cunha.  

O presidente da Câmara Eduardo Cunha está respondendo ao pedido de cassação de mandato pelo Conselho de Ética e Decoro Parlamentar, motivo que fez a aproximação do Eduardo Cunha com a presidente Dilma. No Conselho de Ética o deputado Eduardo Cunha tem como voto assegurado 10 entre 21 votos da Comissão. Para absolvição no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar, o presidente da Câmara teria que contar com os votos da base aliada da Dilma. Com certeza, Dilma vai ceder alguns votos para a absolvição do Eduardo Cunha.

Com a vitória dada à Dilma, ontem, no Congresso Nacional e aprovação da nova Lei de Diretrizes Orçamentárias deste ano, 2015, pela Comissão Mista de Orçamentos, comandada pelo PMDB, que será encaminhada ao plenário do Congresso Nacional, incluindo o "rombo" de R$ 117 bilhões, evitando a futura condenação da Dilma pelo TCU sobre "nova pedalada fiscal". Para aprovação da nova Lei de Diretrizes Orçamentárias tem a ver com as mãos do deputado Eduardo Cunha e do senador Renan Calheiros.

Com um acordão entre a presidente da República Dilma Rousseff, o presidente do Senado Renan Calheiros e o presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha, tecnicamente, fica inviabilizada a apreciação do pedido de impeachment da presidente Dilma, ainda neste ano. O assunto ficará para reinício da atividade parlamentar à partir de fevereiro do ano que vem. 

Dilma vai passar o Natal no Palácio do Planalto e Eduardo Cunha vai passar o Ano Novo, presidente da Câmara dos Deputados.

Dilma e Cunha estão "in love" !

Ossami Sakamori













8 comentários:

  1. Isso mostra uma coisa vergonhosa:
    Nada muda,para o bem do povo.Continuaremos a ser a republiqueta de última categoria,paisinho de conchavos,sem rumo,sem vergonha,com povo sem futuro.Quem quiser um país sério tem que adotar um e sumir daqui.Nossa terra,à cada dia que passa,se mostra terra de ninguém,onde só corvos,cobras e abutres abundam (desculpem esses animais pela analogia,pois não merecem a comparação).Comunistas FDP,lesa-pátrias vagabundos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há algumas décadas,o presidente francês Charles DeGaulle disse que o Brasil não era um país sério e muitos brasileiros se ofenderam.Alguém duvida da fala do ilustre,já falecido,presidente francês?

      Excluir
  2. Bom Saka, nada de diferente poderia acontecer em um País onde quem manda é o $$$$ e a corrupção e não o Governo preocupado com as necessidades do povo que o elegeu. Realmente, sāo 3 Poderes a favor do Desgoverno.

    ResponderExcluir
  3. Em um lugar onde há disputa entre várias gangs, não adianta a polícia retirar somente uma gang pois outra a substituirá. É preciso desarticular todas as gangs de uma vez só prendendo os "chefes". Essa situação assemelhasse ao Brasil onde Partidos políticos, Governo, empresas, ongs,...são, na verdade, facções criminosas.

    ResponderExcluir
  4. O mais aborrecido foi ver esses deputados federais votarem contra a melhoria das aposentadorias, quando na semana passada essa vaca aprovou aumento de 11% na ajuda da bolsa presos

    "Congresso mantém veto de Dilma contra regra de reajuste do mínimo para aposentadorias

    BRASÍLIA (Reuters) - Parlamentares mantiveram nesta quarta-feira o veto da presidente Dilma Rousseff a uma medida que estendia a todos os aposentados a política de reajuste do salário mínimo e que teria grande impacto nas contas públicas, em mais uma vitória apertada do governo no Congresso Nacional.

    Na sessão conjunta do Congresso, 211 deputados votaram pela derrubada do veto, enquanto que 160 votaram pela manutenção. Mas como são necessários 257 votos na Câmara para derrubar um veto, a decisão presidencial foi mantida e não será apreciada pelos senadores.

    (...)"

    http://br.reuters.com/article/topNews/idBRKCN0T72QV20151118.

    ResponderExcluir
  5. Que foto asquerosa, nojenta mesmo!

    ResponderExcluir
  6. A dilma no encontro dos G 20, durante seu discurso, falou na CPMF.
    Ninguém entendeu. Está louca essa mulher além de continuar a envergonhar o Brasil.

    ResponderExcluir
  7. Esse poste é igual ao cabrito que urina nele...
    Fazer jogo de palavras ininteligíveis é com eles mesmo.
    Falam,desconversam,dizem que não falaram...

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.