Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

sexta-feira, 8 de julho de 2016

O fim da facção criminosa PT



O País respirou aliviado pela renúncia do ainda deputado Eduardo Cunha ao cargo de presidente da Câmara dos Deputados. A briga de comando entre facções criminosas, como que no morro do Alemão, está prestes a dar baixa os principais chefes das facções que dominaram os últimos momentos, os três poderes da República.


Por 13 anos a bandeira do comando vermelho, o PT, tremulou no Palácio do Planalto, a sede da República do Federativa do Brasil. Da briga entre facções como acontece rotineiramente no morro do Alemão, deu baixa aos principais artífices do tráfico de influência nos poderes da República. 


Tal qual comunidade do morro do Alemão, sem alternativa viável, o povo brasileiro apostou na força do Eduardo Cunha para desalojar a chefe da facção Dilma. Cunha foi até venerado pela comunidade como o "bandido favorito", por absoluta falta de opção para fazer a faxina do PT do poder. 


O povo espera que o novo comandante do Palácio do Planalto corresponda à expectativa de uma faxina geral no Palácio do Planalto e devolver a esperança e autoestima para a população tão carente de verdadeiras lideranças. 

Hoje, respiro aliviado, após 4 anos e meio brigando neste blog e nas redes sociais para ver o Lula da Silva, Dilma e PT do poder.  A luta não acabou, ainda há muito o que fazer para que o povo comecem a acreditar nas instituições da República. Isto faz parte do processo democrático. 

Ossami Sakamori










3 comentários:

  1. Eles ainda estão usando nosso oxigênio. Mas vamos lutar e, se precisar com armas brancas permitidas aos petistas, foices e facões.

    ResponderExcluir
  2. Há muita pedra no caminho ainda. Mas uma coisa é certa: Enquanto as 10 Medidas Contra a Corrupção não forem aprovadas, teremos que tomar muito remédio pra memória a fim de nos lembrar da lista interminável de corruptos em quem "NÃO VOTAR".

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.