Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

matrix. Política cambial equivocada leva ao desemprego.


Dando continuidade sobre a nova "matrix" econômica, hoje vou abordar o assunto sobre o câmbio. Não se preocupe que não vou me aprofundar no assunto, apenas vou explicar como funciona o câmbio e estabelecer algumas premissas sobre como deve nortear a administração do câmbio, pelo Banco Central do Brasil. Um pouco mais profundo do que afirmar que o câmbio deve ser flutuante. 

Basicamente, há duas formas de Banco Central atuar no câmbio, o câmbio centralizado e o câmbio flutuante. Vamos falar do "câmbio flutuante" que é como o câmbio é administrado no Brasil. Ao contrário do "câmbio flutuante", o câmbio controlado ou centralizado é quando o País está com reserva próximo de zero. O que não é o caso do Brasil, no momento. O "câmbio centralizado" está mais para a situação da Venezuela, onde a reserva cambial está muito baixa, em função da baixa do preço do petróleo no mercado mundial.

O Banco Central pode "intervir" no mercado, no mercado à vista (spot), no mercado futuro ou no mercado de "swap cambial" tradicional ou reverso. O termo "câmbio flutuante" de certa forma engana as pessoas que não tem conhecimento do mercado financeiro. O "câmbio flutuante" não quer dizer que o Banco Central deixa "correr solto" o mercado de dólar. Até poderia, mas na prática não faz. Qualquer Banco Central responsável faz "intervenções", minuto a minuto, dia após dias, sempre com olhos voltados ao cenário internacional.

O "câmbio" é um dos pilares importantes da política monetária de qualquer País. O "câmbio" pode definir a situação da reserva cambial do País. O "câmbio" define o valor da moeda local em função do dólar, que é moeda de transação comercial que domina o mundo. O "dólar" foi instituído como moeda de troca, logo após o término da II Guerra Mundial. À época, além de Estados Unidos serem os vencedores da guerra, a economia do país representava cerca de 50% do PIB. Enfim, a política cambial deve ocupar o lugar de destaque na política econômica.  

O "câmbio" sendo administrado pelo Banco Central do Brasil, este tem o "arbítrio" de deixar a moeda americana, mais valorizada ou menos valorizado. A política cambial deve ser suporte para o plano de desenvolvimento do País. Eu disse que o Banco Central tem instrumentos para administrar o "cambio". O real valorizado cria emprego no estrangeiro, enquanto o real desvalorizado cria emprego no País. 

Os governos Lula da Silva e Dilma, optou em deixar o dólar desvalorizado para produzir a "sensação de bem estar" e a "sensação de poder de compra" da população. O governo PT fez opção de deixar real valorizado ou dólar desvalorizado. Graças ao artifício, o Brasil viveu momento em que a população pode fazer viagens aéreas ao invés de terrestres. Foi o momento que brasileiros puderam viajar para o exterior com pouco real e bastante dólar. Foi o momento em que as mercadorias nos Estados Unidos estavam sobejamente mais barato que no Brasil. Isto foi opção do governo do PT, mas sabidamente equivocada. Agora, pagamos o preço do equívoco, com inflação e desemprego. 

O dólar desvalorizado causou distorções enormes na economia brasileira. As indústrias brasileiras perderam competitividade no exterior. Os produtos estrangeiros ficaram mais baratos do que que os produtos nacionais. Importar ficou mais barato do que produzir aqui no Brasil. A indústria brasileira que representava 26% do PIB no final do governo FHC, hoje, não representa menos que 12% do PIB. O Brasi viveu o "sonho" como o mundo de carnaval, que é feito de "fantasia". Brasil vive a maior ressaca da história recente. 

Na nova matrix (matriz) econômica, o câmbio continuará "flutuante", mas as intervenções serão mais presentes no dia a dia. O Banco Central deve intervir no mercado de "spot" e lançar mão de "swap cambial" ou "mercado futuro" somente em casos excepcionais de crise. Os instrumentos de intervenções, como os derivativos, não devem tornar-se permanente. Só para se ter ideia, o Banco Central do governo Dilma, vem lançando mão do "swap cambial" tradicional, desde junho de 2013, após o susto do dia de cachorro louco no final de maio daquele ano. 

O "câmbio", a taxa básica de juros e o depósito compulsório dos bancos devem andar de "mãos dadas". Isto depende da definição da política econômica do governo. É neste tripé que o governo deve elaborar o plano de desenvolvimento sustentável do País. Não tenho dados para definir a taxa de câmbio ideal para o crescimento sustentável, mas arrisco a dizer que deverá estar mais próximo de R$ 5 do que de R$ 4, grosso modo. 

Resumindo, o "política cambial" é instrumento da política monetária, imprescindível para elaborar qualquer plano de desenvolvimento sustentável do País. Que me perdoem os economistas e articulistas econômicos pela maneira singela de explicar sobre o "câmbio". 

Política cambial equivocada pode provocar desemprego. 

Ossami Sakamori











17 comentários:

  1. Li na Folha de ontem, acho, um economista americano dizer que o que o BC está fazendo com o Swap futuro, para manter a ilusão de 370 milhões de Reserva é suicídio!

    ResponderExcluir
  2. As reservas líquidas estão se aproximando do "zero", o que significa que o governo não poderá mais lançar mãos de Derivativos para controlar o câmbio. Significa que a velocidade de queima das reservas aumentarão e o Brasil sofrerá novamente a crise da "Dívida Externa" que tanta dor de cabeça nos causou no passado.

    ResponderExcluir
  3. Saka,a semana passada no Uruguai em diversos lugares sofremos a gozaçāo do comerciante uruguaio. Só recebia em Dólares, dava o troco em peso Uruguaio a 4 pontos e quando vc ia trocar na casa de câmbio, o Real só alcançava 3,5
    Fora isso,ainda diziam que o dinheiro brasileiro ñ fazia falta para os Uruguaios, o Brasil falido arrastava qualquer País para o buraco. Ñ posso falar o mesmo dos Argentinos,apesar da cotaçāo do Dolar ser bem baixa, 3,37 eles foram educados e disseram que quem sabe esse inferno nosso acaba logo. Só um povo que respeita outro pode compreender o que está acontecendo no Brasil. Infelizmente ñ é coisa boa. Ainda vai ocorrer muito desemprego vc tem razão.

    ResponderExcluir
  4. Saka,a semana passada no Uruguai em diversos lugares sofremos a gozaçāo do comerciante uruguaio. Só recebia em Dólares, dava o troco em peso Uruguaio a 4 pontos e quando vc ia trocar na casa de câmbio, o Real só alcançava 3,5
    Fora isso,ainda diziam que o dinheiro brasileiro ñ fazia falta para os Uruguaios, o Brasil falido arrastava qualquer País para o buraco. Ñ posso falar o mesmo dos Argentinos,apesar da cotaçāo do Dolar ser bem baixa, 3,37 eles foram educados e disseram que quem sabe esse inferno nosso acaba logo. Só um povo que respeita outro pode compreender o que está acontecendo no Brasil. Infelizmente ñ é coisa boa. Ainda vai ocorrer muito desemprego vc tem razão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Brasil não existe mais.
      Simples assim.
      Ninho de bandidos corruptos e ladrões legalizados.

      Excluir
  5. Impossível não concordar com Sakamori, basta lembrar que milhões de pessoas pobres viajaram de avião pela primeira vez na vida. Na época, isto foi muito positivo para a política partidária que se desenvolvia. Cá entre nós, o ideal não é viajar de avião. Concordam? E digo mais: "um governo que, efetivamente, se preocupasse com o povo teria alcançado sucesso se tivesse empreendido na infraestrutura, por exemplo, na revitalização das ferrovias". Isto feito, possibilitaria que milhões de pessoas mantivessem suas viagens no longo prazo e a custo baixo. O sucesso dos passeios aéreos foi ledo engano ou comparável aquela criança que deixou cair o sorvete. Por fim, importante lembrar àqueles que compõem o governo: "o sorvete que saboreavam se derreteu e não tem como recuperá-lo".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A grande missão desse governo incompetente é mentir, dissimular, ocultar e levar o país à bancarrota. Ou alguem duvida que isso seja verdade?

      Excluir









  6. existem alguns pontos a serem considerados, não acredito em equívoco, e sim, em doutrina para alcançar os reais objetivos, qual o objetivo principal da política do pt? Certamente o poder a qualquer preço, o embuste é necessário, não acredito que só a política cambial represente alguma coisa, a manutenção de parasitas no poder sugam todas as forças da classe produtiva, para essa gente todo recurso é pouco, uma coisa que eu não entendo, é como esse país ainda consegue ter indústria, eu acho que ainda tem muita gente teimosa no Brasil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A venezuelização tupiniquim anda a passos largos, com o mesmo objetivo da repúblicas comunistas, em relação ao povo.

      Excluir
  7. A política cambial foi populista, faltou rigor do Banco Central. Enquanto as portas foram abertas para produtos chineses, o setor industrial foi prejudicado, está aí a sua explicação dos 12% das industrias brasileiras no PIB e não vamos esquecer que este setor é o que mais emprega.O dólar vai segurar até quando o agronegócio se também depende de produtos importados?
    Uma atrocidade para um povo:Na Venezuela não tem mais reservas cambiais, agora vai a reserva mais critica da economia: vender reservas de OURO.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para lula e quem sabe, também a dilma terem contas bancárias no paraíso fiscal de Hong Kong, lula decretou que a China passasse a ser considerado "parceiro comercial priviligado".
      Isso foi a nossa ruína com o fechamente de inúmeras pequenas e médias empresas muitas delas familiares pois não podiam competir com os preços dos produtos vindos da China fabricados por operários sem sindicatos e onde a oferta de emprego é muito menor que a procura.
      Enfim, coisas do comunismo.
      E aqui quando acabarem os dólares, quero ver como vai ser, pois estamos importando entre outras coisas como cebolas, tomate, alho e por aí vai. A lista é longa.

      Excluir
  8. A incompetência administrativa e corrupta dos políticos tupiniquins é marca registrada conhecida no mundo inteiro. Não haverá país sério nunca. Temos pouca diferença de existência entre os Estados Unidos e nós (1492 para 1500) mas uma intergalática diferença, em todos os sentidos. Lá existe uma nação, aqui uma latrina dentro da América Latrina. Quem pode já arrumou as malas e foi para algum país sério fora da América Comunista.

    ResponderExcluir
  9. Caríssimo Professor, leio sempre que posso os seus artigos e procuro estudá-los para aprender um pouco de economia, pois aprecio muito sua abordagem mais prática do que teórica.

    Porém, no 5º parágrafo a frase "O dólar valorizado cria emprego no estrangeiro, enquanto o dólar desvalorizado cria emprego no País." não está invertida?

    No 7º parágrafo, o sr. complementa: "O dólar desvalorizado causou distorções enormes na economia brasileira. As indústrias brasileiras perderam competitividade no exterior." e em seguida diz que a indústria caiu 14 % em participação no PIB.

    Como o dólar desvalorizado poderia criar empregos no país se a desvalorização incentiva a substituição dos bens produzidos no país pelos importados?

    Não sei se fiz uma interpretação incorreta, mas realmente não consegui entender esse ponto.

    Agradeço a atenção,
    S.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você tem razão. Vou fazer correção. Obrigado!

      Excluir
  10. Em virtude de não possuirmos uma política cambial sadia e correta , o resultado só poderia ser desemprego maciço chegando .

    ResponderExcluir
  11. Gostei muito do assunto, para ajudar a combater sites falsos e sair da crise encontrei um site muito bom de empregos: http://vagadeemprego.liste.com.br/

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.