Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

matrix. O equívoco da política de juros.


Um dos maiores equívoco da política econômica "neoliberal" dos últimos 21 anos é a "política de juros". Brasil se porta como um país de economia estável como Estados Unidos, Alemanha ou Japão. Brasil está longe de ter os indicadores comparável com aqueles países desenvolvidos. No entanto, os sucessivos governos "neoliberais", tanto PT como PSDB, praticam "fórmula clássica" recomendada pelo FMI e outros organismos de fomento ao desenvolvimento. 

O Banco Central do Brasil tenta controlar a inflação apenas com a "política de juros", mesmo no ambiente de inflação de dois dígitos (acima de 10%). Isto é um tremendo equívoco! A taxa de juros praticados pelo Banco Central, Selic a 14,25%, por exemplo, embute o "juro real" próximo de 4% ao ano. O Brasil paga juros reais, segundo maior entre 40 maiores economias do mundo, atrás apenas da Turquia! O que serve para economia com inflação abaixo de 2% ao ano, não serve de base para economia com inflação acima de 10% ao ano, como o nosso caso.

No ambiente econômico com juros reais muito acima da inflação, não só não controla a inflação, mas "realimenta" a própria inflação. O fato é que o Brasil está precisando financiar a sua dívida pública com dinheiro dos especuladores nacionais e estrangeiros. Cerca de 20% da dívida pública bruta é financiada pelos especuladores estrangeiros. O motivo desta distorção é que o Banco Central do Brasil tenta evitar a fuga do capital especulativo estrangeiro, pagando juros "abusivos". Isto que é a realidade! O resto é conversa para boi dormir.

Uma boa "política de juros" aliada com a "política cambial" com "controle do expansão da base monetária", poderão induzir a economia a tomar o rumo do desenvolvimento sustentável do País. A "política de juros" e a "política cambial" deverão perseguir a meta de inflação e a meta de crescimento. O Banco Central tem todos os instrumentos para estabelecer a "calibragem" dos "juros" e do "câmbio" em níveis adequados. 

A "dogma" de que o Banco Central deve ser "independente" do governo é uma "falsa tese" que é aceita pelos formuladores da política econômica dos sucessivos governos "neoliberais". Imagine se o FED praticasse política monetária na contra mão do Obama. Imagine se o Banco Central da Alemanha ousasse divergir da Angela Merkel. O primeiro ministro do Japão trocou o presidente do Banco Central porque este ousou não querer seguir a política econômica do governo Abe. Banco Central independente, não existe na prática. 

No Brasil dos governos "neoliberais", o ministro da Fazenda vai para um lado e o presidente do Banco Central vai para outro lado. Cada um rema para direção diversa. Essa queda de braço entre o ministro da Fazenda e o presidente do Banco Central é visível até para leigo como este que escreve. O fato é que no Brasil, o presidente ou a presidente da República não dá diretriz para que ambos caminhem no mesmo sentido. Infelizmente, o Brasil é desprovido de presidentes competentes. Tomara que o próximo entenda pelo menos, a base da economia sustentável. 

A consequência nefasta desta "política econômica" equivocada é a transferência de renda dos mais pobres para os mais ricos. Pelos indicadores econômicos atuais, 96% da população, cerca de 196 milhões, transferem cerca de R$ 200 bilhões para os "agiotas internacionais" e 4% ou 8 milhões da população brasileira. Nunca se viu tamanha transferência de renda dos mais pobres para mais ricos. Como referência, a transferência de renda via Bolsa Família é de R$ 28 bilhões. 

Não vou aqui estabelecer as metas de inflação e de crescimento do País, nem tão pouco colocar aqui, a política de juros e a política de câmbio, porque é tarefa da equipe econômica do presidente da República. O que vale é a tese defendida aqui na nova "matrix" econômica proposta por este editor. Se deixar que eu desenhe a política econômica, farei que o Brasil cresça 6% por ano, ao longo de décadas. E, prestarei o serviço gratuitamente, para qualquer governo, independente de viés partidário. O que interessa é o Brasil. 

Em resumo, o Brasil é um país que tem todos ingredientes para elaborar um plano de desenvolvimento sustentável. É imprescindível, para que isto possa acontecer, que o País tenha um presidente probo e competente. Só isto, nada mais do que isto! Sem ladroagem e competência!

Ossami Sakamori







8 comentários:

  1. Esperar político honesto, probo e competente no Brasil?
    Só quando Papai Noel e disco voador existirem!
    O Brasil só funiona como tem funcionado, se quiser ser nação tem que voltar no tempo e pedir para os ingleses aportarem aqui (bem que os holandeses e franceses quiserem, mas os corruptos da época não deixaram...)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa conclusão é totalmente equivocada! a diferença está no tipo de colônia: De exploração X de povoamento.

      Estados Unidos = colônia de povoamento.

      Brasil = colônia de exploração.

      Na época dos grandes descobrimentos as super potências eram Portugal e Espanha. Por isso, ingleses, franceses, holandeses não fariam a menor diferença na colonização se a mesma fosse para retirar riquezas. Nos EUA a riqueza gerada era investida no próprio país. Se todo ouro extraído do Brasil tivesse sido aplicado aqui, estaríamos pau a pau com os maiores

      Excluir
    2. Foi exatamente o que eu disse.
      Claro que há enorme diferença, pois quem conhece a história da Inglaterra, Holanda e França sabe que os portugueses e espanhois tinham a mentalidade de EXPLORAÇÃO e nunca de POVOAÇÃO . Me aponte algum país que foi colonizado por espanhóis e portugueses que estão no topo.

      Excluir
  2. dilma pelo Decreto 8.661, autorizou e cedeu uma zona franca à Bolívia no Porto de Paranaguá, no litoral do Paraná por onde evo morales, o maior produtor de cocaína da America do Sul, exporta cocaína e armas.
    Brasil está mesmo na merda e 220 mil militares vão andar caçandos mosquitos. PQP.
    Tem foto dos dois.

    "Mistério Bolívia-BrasilDilma decidiu ceder uma zona franca à Bolívia no Porto de Paranaguá, no litoral do Paraná. Isso aumentou as suspeitas das autoridades policiais sobre as ações do país vizinho.

    A presidente Dilma decidiu ceder uma zona franca à Bolívia no Porto de Paranaguá, no litoral do Paraná, pelo Decreto 8.661. Isso aumentou as suspeitas das autoridades policiais sobre as ações do país vizinho. Há anos o Brasil e Bolívia têm um tratado pelo qual cargas em containers que atravessam a fronteira, desde que com um lacre da Receita Federal, não podem ser abertas e fiscalizadas pela Polícia Rodoviária em estradas brasileiras. Vindas de um país líder em produção de cocaína no mundo, há um grande risco de má fiscalização e até falsificação de selos nos transportes.

    Blindagem diplomática

    Para desespero da Polícia Federal, além das cargas que cruzam a fronteira, agora no terminal no porto cedido à Bolívia nada poderá ser fiscalizado. Apenas sob denúncias.

    Só atrapalha

    Há fortes suspeitas de autoridades brasileiras e do FBI de que a Bolívia é a maior rota de tráfico internacional de drogas e armas. O tratado com o Brasil não ajuda em nada.

    Revelações

    Em maio de 2014, o ex-ministro da Justiça Luiz Vásquez, e o ex-presidente Tuto Quiroga revelaram à Coluna que o narcotráfico na Bolívia movimenta US$ 12 bilhões/ano – 80% passariam pelo Brasil. Detalhes aqui – http://bit.ly/1W6oy5q."

    http://opiniaoenoticia.com.br/brasil/319716/

    ResponderExcluir
  3. Qual a parcela da população que se lembra da década de 80, Saka-san? Quando se reajustava salário todo mês e os preços todos os dias? Quando a corrida entre salário e preços parecia um Fusca contra um Fórmula 1?
    Vê alguma saída? Alguma luz no fim do tunel que evite tudo isso acontecer de novo? Conte a história desses anos de hiper-inflação para os que não viveram, mestre Sakamori! "Um povo sem memória está fadado a repetir os mesmos erros"!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A corrupção grassa muito bem tendo a inflação como combustível. Cada um faz o que quer, cobra o que quer e espolia sem próximo, na base da Lei do Gerson. Isso se chama (desde sempre) Brasil.

      Excluir
  4. Se ao menos a "anta" escolhesse homens capazes e íntegros para serem ministro da Fazenda ou presidente do BACEN , o quadro não seria tão nefasto quanto to é .

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.