Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

matrix. Fim dos subsídios para setor produtivo.


Aproveitando o período do carnaval, que não há novidades na área econômica no País, vou esboçar aqui parte da nova matriz econômica que estou a propor, para algum candidato à presidência dela quiser seguir. Hoje, vamos falar sobre o fim dos subsídios dado pelo governo, de quaisquer natureza, para o setor produtivo brasileiro. Vou receber muitas críticas, pois que as empresas se acostumaram com "benesses" do governo para crescerem no País.

Ao longo de décadas, sobretudo nos últimos 21 anos de sucessivos governos, os "neoliberais", tem tentado o desenvolvimento do País baseado em "subsídios" de toda forma para o setor privado. Sim, estou a falar dos governos do PT e do PSDB. Nesta área, ambos partidos são irmãos siameses, são "neoliberais". A investigação sobre compra de Medidas Provisórias pelo setor automotivo e ascensão repentina de estelionatários ocupando posição de destaque no setor produtivo nos remetem ao questionamento de "subsídios" oferecidos (comprados) pelo governo.


Os subsídios estão tão impregnados no espírito do empresariado brasileiro que já fazem pautas de revindicações de qualquer setor, seja industrial, comercial ou de serviços. É verdade que o Brasil já viveu até um momento em que empresas exportadoras foram subsidiados com os "créditos prêmios" sobre impostos. Além de isenções de impostos, recebiam "créditos prêmios" para serem utilizados em outros segmentos da própria empresa. 

No primeiro mandato da Dilma, houve a "desoneração tributária", que não deixa de ser também um "subsídio" indireto. No ano passado, 2015, o governo Dilma voltou com a "re-oneração tributária" porque descobriu o "equívoco" cometido. Cito isto, para demonstrar que tanto do lado do governo como do lado do setor produtivo, utilizam os "subsídios" como "moeda de troca". Os empresários que vivem no regime de "livre concorrência" que fiquem sossegados. Não estou generalizando a todos setores e a todas empresas.

Mas, é no BNDES - Banco de Desenvolvimento Econômico e Social que concentra os "subsídios diretos" do Tesouro Nacional para o setor industrial e de serviços. Só o "subsídio" dado pelo PSI - Programa Sustentável de Investimentos, dinheiro do Tesouro Nacional, utilizado para financiar o setor produtivo, à taxa TJLP, grosso modo chega a R$ 50 bilhões anuais. O "subsídio" ao setor produtivo é quase o dobro do que o Tesouro banca a "Bolsa Família". É o que chamo de "Bolsa Empresário.

Outra forma de subsídios que ficou evidente foi o financiamento de infraestrutura para empresas fora do País, dentro do programa de incentivo às exportações. Sabemos que as empreiteiras envolvidos na Operação Lava Jato, entre elas a Odebrecht, Andrade Gutierrez e OAS, foram os principais beneficiados com as obras dentro do programa aos diversos países da América Latina e da África. O montante do financiamento ascende a US$ 10 bilhões ou equivalente a R$ 40 bilhões, com juros subsidiados com pagamentos à perder de vista. No entanto, diversas cidades brasileiras, esperam pelo financiamento de "metrôs" por exemplo. Com esse "mundaréu" de dinheiro, as principais capitais brasileiras poderiam estar providos de principal modal de transporte coletivo. 


O dinheiro é pequeno, mas uma outra forma de subsídios, são os financiamentos à fundo perdido, de projetos culturais, via Lei Rouanet. O dinheiro dos projetos culturais que beneficiam alguns poucos "ator e atrizes globais", faz parte do dinheiro que as empresas teriam que depositar nos cofres do Tesouro Nacional, em forma de Imposto de Renta. É uma pena que alguns poucos atores e atrizes tenham sidos "comprados" pelo Palácio do Planalto a troco de "subsídios". O ônus dos impostos sempre é sempre dos contribuintes, só para lembrar. Isto é uma pouca vergonha!


Os subsídios de maneira geral, criam pessoas e empresas ineficientes. Os subsídios tornam empresas sem criatividade, e tem sido um dos fatores da falta de "inovações tecnológicas" nas empresas brasileiras. As empresas brasileiras não conseguem competir em igualdade de condições com as empresas estrangeiras, porque já se acostumaram com os "subsídios" de toda forma. Um dos clássicos exemplos é a empresa JBS/Friboi dos Batista,


A matriz econômica proposta por nós (matrix), passa necessariamente pela "desregulamentação" do setor produtivo e de "ambiente econômico", que o governo deverá criar, sem os "subsídios". O ambiente econômico que desenhamos, passa necessariamente pela política de juros e política cambial, administrados pelo Banco Central. Nem é preciso dizer que a origem da crise econômica que passa o País, está na política monetária equivocada de sucessivos governos, nos últimos 21 anos, O Banco Central tem remado na contra-mão do desenvolvimento sustentável do País.

Defendo a "desregulamentação" e o "fim dos subsídios" ao setor produtivo!

Ossami Sakamori












13 comentários:

  1. Subsídios não proliferam em um estado liberal, os impostos nesse país servem principalmente a aposentadorias milionárias, quase nada de retorno social, a grosso modo, em um país liberal você paga diretamente ao seu fornecedor, em um estado socialista você entrega o seu dinheiro a um "altruísta" que promete te dar saúde, educação e segurança, o que ele faz? Embolsa o dinheiro,chama os amigos para o churrasco e muita cerveja e benefícios sociais nada.
    Simples assim, a natureza humana é a mais podre possível,por isso os dogmas do socialismo não passam de falácias de oportunistas, o estado liberal é o que pode ser mais benéfico é só ver o quadro mundial, o estelionato da esquerda acabou, a máscara caiu, o sonho do comunista é ter a vida do burguês, o que deveria nivelar as classes sociais na realidade cria um abismo entre elas provocou a derrocada da URSS, uma casta de funcionários públicos com direito a tudo e o resto sem direito a nada, recordes de improdutividade sem capacidade de gerar riquezas, só poderia naufragar, ainda enganam alguns trouxas resilientes, mas a informação, os fatos sem edição e censura são os aliados da verdade.

    ResponderExcluir
  2. Subsídio é um aporte uma ajuda que o desgoverno(no caso) da a empresas visando fomentar o aumento da produtividade na busca por competitividade interna e externa.
    .
    Existe uma metodologia que estudo que sem sombra de duvidas colocaria o país em um processo onde a infla~ç
    O problema é que no Brasil subsídio se transformou em muletas para uns setores e mutretas para outros.
    .
    Nossos pseudos empresários&políticos fizeram do BNDES uma pirâmide a ser escalada e vilipendiada as custas do suor da nação.
    .
    Usam sempre a máxima que negócio bom é investir com o dinheiro dos outros. As negociatas (como o caso das montadoras com a compra de medidas provisórias),se formos olhar bem de perto são generalizadas pelo país afora.
    .
    Estudo um processo capaz de subverter esses subsídios em ações reais e concretas aprimorando nossa produção com enfoque na inflação e na competitividade com o mercado internacional.
    .
    Vejam que os EUA passaram por uma crise(com precedentes em 1929)e não vimos seus juros e nem sua inflação dispararem e agora eles surfam no Tsunami que Lula&Dilma provocaram no Brasil.
    .
    Peço uma oportunidade de expor meu raciocínio em sua matriz.Tenho a plena certeza que o presidente que a utilizar recolocará o país no rol dos exportadores, pois nossas empresas tem muito mais qualidade que as chinesas...

    ResponderExcluir
  3. A única certeza é que o modelo que dá suporte ao socialismo no Brasil,não será replicado em nenhum lugar civilizado do mundo. Universidades mundo afora o terão como forma de falência social.

    ResponderExcluir
  4. Os subsídios ao setor produtivo faz parte de um falido modelo paternalista e populista. A intervenção garante o apoio financeiro necessário para perpetuar o poder e ter o apoio dos poderosos. É mais uma bolsa - a bolsa empresário. Nesse caso transfere-se a riqueza do país para os donos dos meios produtivos, tornando o trabalhador ainda mais dependente.

    ResponderExcluir
  5. Texto perfeito mandou muito bem a realidade dos fatos

    ResponderExcluir
  6. A DRU (saques na receita do INSS para pagar jrs. da dívida aos banqueiros), assim como as desonerações da folha de pagamento impactaram substancialmente o orçamento da Previdência Social, provocando um déficit bilionário, e, para equacionar a conta, o governo já articula a aprovação da reforma previdenciária (corte de benefícios), lançando mão dos velhos expedientes: loteamento de cargos e liberação de Emendas.

    ResponderExcluir
  7. Reflexão enviada pelo leitor Roald C. Máximo, de Pomerode, Santa Catarina:

    "Um país é o retrato de seu povo. A desordem que aí está foi implantada pelo povo brasileiro cujos micro-encéfalos só alcançam elaborar sobre sacanagem, carnaval e futebol. Eu me sinto como tendo nascido em um imenso manicômio lotado de malucos e débeis mentais e, por isso mesmo, sendo visto, fora daqui, também como parte da mesma massa e impossibilitado de emigrar. Tenho oitenta e seis anos de vida e durante toda esta vida cultivei cândidas esperanças de um dia ver este manicômio se transfigurar em uma nação respeitável. E, por um breve período, foi assim durante o governo militar. Infelizmente durou pouco e, hoje, me sinto prisioneiro novamente; não posso viajar para fora destes limites pois lá fora sinto a vergonha de ser visto e tratado como ser desprezível. Percam, pois, toda a esperança oh vós que aqui nascestes. Esta é uma terra condenada e o brasileiro um povo que não deu certo!"


    Fonte:http://www.alertatotal.net/2016/02/quem-nao-esta-pt-da-vida-no-carnaval-da.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Senhor Máximo,
      Infelizmente o Brasil deixou de existir quando a corrupção legalizada tomou conta da administração do país e nos venderam aos comunistas. Aqui não há patriotismo nem identidade nacional. Infelizmente seu raciocínio está correto. Estamos condenados mesmo...

      Excluir
    2. Lamentavelmente , você está certo ! O maior culpado desse hedionda situação em que se encontra o país é por culpa do próprio povo que , além de ser interesseiro e malandro , não sabe votar com consciência .

      Excluir
  8. Estranhamente, o PC do B ordenou á dilma que colocasa nas ruas das cidades e não nas fronteiras 220 mil militares do Exército, Marinha e a FAB para combater ridiculamente o mosquito Zika sem saber se este mosquito é o verdadeiro culpado.
    Que militares ridiculos, que generais estupidamente ridiculos. Aqui tem coisa! Tem que ter pois nunca se viu aberração militar em nenhuma nação do mundo. Só aqui, só nós! Aqi tem merda do PC do B, e muita merda mesmo, por que eles não fazem nada sem que lhes dê lucro, muito lucro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Onde der para desviar dinheiro lá estão eles...

      Excluir
  9. Agora azedou de vez o cu do frango

    ResponderExcluir
  10. Enquanto o sapo for o dono do Brasil vai continuar assim.
    Pelo jeito nunca nada vai mudar em nosso paisinho.

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.