Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

domingo, 22 de outubro de 2017

Tudo, farinha do mesmo saco!

Crédito da imagem: Veja

O "messiânico" Henrique Meirelles dá indicação de que a taxa básica de juros Selic deverá terminar o ano abaixo de 7% ao ano. O ministro da Fazenda prevê tendência de uma forte e robusto crescimento do País para o próximo ano. Meirelles diz constatar uma visível retomada de investimentos do setor produtivo. Ele tem os números na mão para poder fazer tais afirmações. Mas, receio que tanto otimismo não condiz com a realidade. 

Olhando a política econômica de fora do governo, podemos dizer que tais afirmações são um tanto exagerado. É certo que o País já saiu da pior recessão dos últimos 100 anos, mas tamanho otimismo não guarda relação com o quadro econômico atual. Pontualmente, o ministro da Fazenda cita "a queda no valor dos alimentos aumentou o poder de compra do salário mínimo, ressaltando que este ganho foi de 16,7%". Receio que o preço dos alimentos venha subir nos próximos meses com a chegada do verão. 

Os indicadores econômicos mostram um quadro totalmente diverso daquele do ministro da Fazenda Henrique Meirelles. O número de desempregados e desalentados continuam no mesmo patamar de 40 milhões, enquanto o IBGE apresenta contratação de apenas 35 mil trabalhadores com carteira assinada, o que vem a ser uma gota no oceano. Outro indicador importante, o número de inadimplentes, continua no mesmo patamar de 60 milhões de adultos negativados.

Só vamos lembar que o "messiânico", Henrique Meirelles foi o principal condutor da política econômica do governo PT por 8 longos anos, que nos levou à "pior crise econômica" dos últimos 100 anos. Engana-se quem pensa que o único culpado pela dita "herança maldita" é apenas do governo Dilma, período em que Meirelles esteve afastado das funções públicas. No período do governo Dilma, Meirelles participou ativamente como principal executivo do grupo JBS, que provocou prejuízos bilionários ao BNDES. Meirelles não é nem santo e nem messiânico!

Na política tem essas coisas. Meirelles "ignora" que participou ativamente do governo PT. Michel Temer quer descolar-se da Dilma Rousseff, ainda que tenha sido eleito na chapa dela, no cargo de seu substituto natural.  Nem vamos pensar que o vice-presidente deu golpe no seu titular. Mas, o presidente Temer chama para a equipe do governo o Meirelles do Lula (PT) e muitos ex-ministros da Dilma (PT) para compor sua equipe de governo. Está como diz um velho ditado: "Tudo, farinha do mesmo saco!".

Ossami Sakamori


Um comentário:

  1. Bom dia! Nosso mal é esse, Sr Sakamori. Pelo pouco que sei, foi Henrique Meireles quem deu as ideias para Lula expandir créditos ao povão. Lembram dos carros com taxa zero para os pobres? Crédito Consignado; depois eletrodomésticos e móveis com taxa baixas para os dependentes do bolsa família? Tudo isso para demonstrar crescimento nas vendas e aumentar a arrecadação dos impostos porque o povão está agora de bicicleta e olha lá; os móveis e eletrodomésticos já acabaram e muitos estão enrolados e endividados por causa dos empréstimos consignados em folha de pagamento com juros absurdos. Dilma herdou uma "bomba" do Lula, não aceitou Meireles em seu governo, e o rombo econômico apareceu. Michel Temer rapidamente empossou Meireles e lá vem ele com as "mágicas", de novo: Liberou FGTS para o povo(já é do trabalhador só que era para sacar em casos especiais); Pis Pasep,..mas a taxa de desemprego só aumenta e os preços sobem como o combustível, gás de cozinha, energia, carnes,...Enfim, Meireles tenta enganar mas não consegue pois sabemos que se estamos saindo do poço, o mérito é dos empresários sérios e da classe média que não esperam benesses do governo e trabalham dia e noite para auto sustentar e sustentar os governos. Se o governo não atrapalhasse o Brasil, nós nem cairíamos no poço.

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.