Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

segunda-feira, 28 de março de 2016

Crise econômica veio para ficar

Crédito da imagem: Gazeta do Povo

Estamos no final do primeiro trimestre, do segundo ano de recessão, e a economia brasileira não mostra sinais de recuperação. Muito ao contrário, na ponta do consumo, há visível sinais de que a crise veio para ficar, pelo menos até o final deste ano.

A queda da venda do setor automobilístico em relação ao mesmo período do ano passado, aponta queda acima de 25%. A queda de venda de imóveis novos caiu mais de 60% em relação ao mesmo período de 2015. Único setor que está em expansão, pelo menos em volume de produção, é a área agrícola com expansão média de 2% em relação ao volume de produção do ano passado. 

A indicação de que a crise econômica atingiu todos os segmentos da classe social, podemos avaliar, grosso modo, pelo número de pessoas que adiaram viagens nos próximos seis meses, em mais de 60%. Nesse período de Semana Santa, o movimento do maior terminal rodoviário do País, a Rodoviária do Tietê, o movimento de passageiros que utilizam este tipo de transporte, caiu em 50% em relação ao mesmo período do ano passado. 

Fica de fora, o segmento da classe A que corresponde a cerca de 4% da população brasileira, que nunca ganhou dinheiro como agora. A classe A, nos últimos 12 meses teve ganho líquido de R$ 250 bilhões com juros reais dos títulos do Tesouro e pelos diversos tipos de subsídios. Este é um dos fatores de a classe dirigente não engajar no movimento pela mudança no rumo do País. Sem querer fazer divisão de classes sociais, a verdade tem que ser dita.

Nos próximos meses vamos assistir instabilidade política de toda ordem. O processo de impeachment está em marcha. O processo de cassação da chapa Dilma/ Temer está a ser relatado e votado no terceiro trimestre deste ano. Por consequência, poderá haver troca troca de presidentes, se houver encaminhamento positivo nas diversas frentes. 

É possível e provável que o Brasil tenha 4 presidentes neste ano: Dilma, Temer, Cunha e um novo, eleito em eleição extraordinária, tudo de acordo com que determina a Constituição da República. Com tanta instabilidade política não há plano econômica que resista. O Brasil terminará com recessão de 4% conforme previsto pelo economista chefe do Banco Itaú e por este blog no início do ano.

Diante do quadro, o novo presidente, eleito, deverá colocar o País no Centro de Tratamento Intensivo. A boa notícia é que, ao contrário do que dito pelos analistas econômicos, o Brasil sairá da crise, se tomadas medidas adequadas, em curto espaço de tempo. O Brasil terá que ser repensado. Recomendo a leitura de uma nova política econômica, proposta por este que escreve. 

Publicidade: Clique >  Proposta de uma nova política econômica

Simples mudança de nomes não garante a mudança do rumo do País.

Ossami Sakamori











@SakaJapa_



14 comentários:

  1. O Brasil precisa ser "reinventado".
    Ótimo artigo!

    ResponderExcluir
  2. E lá vamos nós outra vez. Sem amparo social,tudo se degenerando,o pobre cada vez mais pobre e burro e o rico cada vez mais rico . E os políticos ? Nada fazem para melhorar a situação do povo. Só se preocupam com a própria. E a nossa economia cada vez mais terrível. O Brasil tem futuro ? Nas mãos dos russos.

    ResponderExcluir
  3. E lá vamos nós outra vez. Sem amparo social,tudo se degenerando,o pobre cada vez mais pobre e burro e o rico cada vez mais rico . E os políticos ? Nada fazem para melhorar a situação do povo. Só se preocupam com a própria. E a nossa economia cada vez mais terrível. O Brasil tem futuro ? Nas mãos dos russos.

    ResponderExcluir
  4. Sempre repito:
    O Brasil acabou e não tem mais recuperação.
    Já somos colônia comunista e não temos saída.
    Como disse a senhora Célia Mancini, nosso futuro depende dos russos (venezuelização tupiniquim).

    ResponderExcluir
  5. Bom dia! Para quem está desesperançoso com nosso Brasil, e que as nossas Forças Armadas se venderam; Leiam abaixo:

    28 DE MARÇO DE 2016
    CHEFES MILITARES JÁ SE ENTENDEM COM OPOSIÇÃO
    Um dos sinais reveladores do declínio da presidente Dilma no poder tem sido a aproximação dos chamados setores “de Estado” com a oposição. Representantes do Itamaraty, inconformados com a nova condição brasileira de “anão diplomático”, e a significativa interlocução com chefes militares, em geral muito discretos. Todos se mostram preocupados, mas concordam em um ponto: o governo Dilma acabou.

    PAPO RETO
    Um dos comandantes das três Forças pediu reunião urgente com o Líder do PSDB no Senado, Aloysio Nunes (SP). Será nesta terça (29).

    BRASIL FARDADO
    A inquietação dos comandantes militares reflete a caserna, onde estão brasileiros indignados clamando por mudança como quaisquer outros.

    AQUI NÃO É VENEZUELA
    Os chefes militares rejeitaram a idéia do Planalto de decretar “Estado de Defesa” para coibir e reprimir manifestações, como na Venezuela.

    AQUI HÁ DEMOCRACIA
    As discussões sobre o “Estado de Defesa”, cogitado por Dilma, foram reveladas a políticos da oposição nas conversas com chefes militares.

    Link: http://diariodopoder.com.br/coluna.php

    ResponderExcluir
  6. Se venderam sim, senhor Daniel. Leu o que o chefão melancia com 4 estrelas disse?

    "O Comandante do Exército Brasileiro, general Eduardo Villas Bôas, chamou de lamentável o clamor por intervenção militar que vem de parte dos manifestantes presentes nos atos antigovernistas das últimas semanas."

    Se o Exércite tem uma merda assim, que esperar desse exército?
    Eu respondo: massacres e genocidio dos brasileiros não coniventes com o crime organizado, com o PT e com o PC do B.

    ResponderExcluir
  7. Devo concordar com o anônimo das 15:07.
    As manifestações do comandante do exército (cadê a manifestação dos comandantes das outras forças) é, no mínimo, anti-patriótica. Falam mas nao agem. A Constituição já foi ignorada. Em países sérios, teriam dado um basta na quadrilha que se apoderou, inclusive dos guardiões da pátria.

    ResponderExcluir
  8. O Brasil está programado para ser a nova Venezuela.
    Basta ver como caminha a política e quem a comanda.

    ResponderExcluir
  9. Senhor Ossami

    O processo de impeachment contra dilma está em marcha, mas quem lhe garante que essa tresloucada após receber a decisão abandona o Palácio do Planalto?
    Pensou? Se ela continuar a dizer que é golpe e daqui recuso-me a sair? Quem vai lá e tira ela á força de bofatadas ou açoites? Os militares? Nem pensar nisso é bom. Eles se forem lá será para defendê-la e mantê-la no Poder. O MST? O PT? O PC do B?
    Quem senhor Ossami? O senhor sabe perfeitamente que ela poderá fazer isso, pois vive numa outra realidade como bipolar!
    E se lula não conseguir ir para Itália, ficando aqui, vai incitar todos movimentos de esquerda terrorista á luta. Pensou a trapalhada que pode vir por aí?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A trapalhada já está feita.
      Os patifes/patetas de plantão acham que compraram o Brasil (parece que o fizeram).
      Como tirar o dono da casa, de casa?
      O palácio das pizzas está dando pedaços para todo mundo para ficar como está...

      Excluir
    2. Lamentavelmente, a incompetência junto com a ganância governamental é que vieram para ficar.
      A crise econômica, arrastada pela crise política, é, fundamentalmente, resultado da crise moral, tão disseminada na fonte.O efeito não muda a causa.Só a causa resulta no efeito. Isso é Lei da Física e não tem excessão.

      Excluir
    3. Anônimo das 20:00

      É isso aí, como tirar o dono da casa, de casa?
      Eu sinceramente pelo que estou assistindo e vendo a teimosia de dilma em não renunciar, acredito piamente que ela não vai sair. E depois, como será?

      Excluir
  10. "A DISCRETA MOVIMENTAÇÃO DOS MILITARES

    Um dos sinais reveladores do declínio da presidente Dilma no poder tem sido a aproximação dos chamados setores “de Estado” com a oposição. Representantes do Itamaraty, inconformados com a nova condição brasileira de “anão diplomático”, e a significativa interlocução com chefes militares, em geral muito discretos. Todos se mostram preocupados, mas concordam em um ponto: o governo Dilma acabou. A informação é do colunista Claudio Humberto, do Diário do Poder.

    Um dos comandantes das três Forças pediu reunião urgente com o Líder do PSDB no Senado, Aloysio Nunes (SP). Será nesta terça (29).

    (...)"

    http://aluizioamorim.blogspot.com.br/2016/03/a-discreta-movimentacao-dos-militares.html

    ResponderExcluir
  11. Estamos as voltas com uma turbulência interna provocada não por falta de aviso mas por falta de caráter de nossos pseudos governantes onde o objetivo mor não é o país, mas sim a ganância generalizada(vide bancos e políticos) e a manutenção do poder.
    .
    Vivemos em um país de uma sociedade influenciável e manipulável ao extremo. Espertalhões os convence com discursos e propagandas mentirosas a mergulharem de cabeça em devaneios.
    .
    Estamos em uma crise sem precedentes logo após uma aposta mundial de que teríamos achado o caminho do Eldorado. O mundo e o povo brasileiro não se apercebeu que o mapa do tesouro foi roubado por um pirata de barba e voz rouca.
    .
    Bancos e políticos nunca antes ganharam tanto dinheiro e tão fácil. Agora que o barco esta afundando os ratos que provocaram essa tragédia econômica estão a debandar do navio e se instalando em outros barcos criados propositalmente como salva vidas de corruptos e ladrões.
    .
    Para debelarmos este incêndio criminoso, temos que injetar uma injeção letal no sistema. É impossível conceber um pensamento que nossos políticos sacanas movimentaram bilhões até as casa do trilhão por um sistema bancário sem que houvessem alarmes reluzentes.
    .
    O sistema esta corrompido do Oiapoque ao Chui. Desde de o manipulado invasor de propriedades público e privada, até o sistema eleitoral que desde já comunico que continua operando com as mesmas manobras vis.
    .
    As únicas leis que estão em ascensão no momento no Brasil são as leis de Gerson e a Lei de Murph...
    .
    O Brasil tem futuro sim...

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.