Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

domingo, 22 de abril de 2018

Presidenciáveis. Cuidado com promessas fáceis!

Crédito da imagem: Estadão

Podem estranhar o motivo que me leva a escrever uma breve biografia do Jânio Quadros, o vigésimo segundo presidente da República do Brasil. Jânio Quadros deixou o exemplo de tudo que não se deve fazer na política brasileira. Jânio Quadros é tudo que os atuais postulantes à presidência da República não devem seguir. Isto é uma alerta para os eleitores desavisados. 

Jânio da Silva Quadros, nasceu em Campo Grande em 1917 e morreu em São Paulo em 1992. Ele, advogado e professor, exerceu o cargo de vereador da cidade de São Paulo. Foi eleito, também, pela eleição direta ao cargo de governador do estado de São Paulo.  O principal símbolo para eleição ao governo de São Paulo era a "vassoura" para limpar a corrupção que supostamente teria havido no governo do seu antecessor.  A história do "marketing político" já funcionava a todo vapor já naquela época, tudo no mesmo figurino de hoje.

Jânio Quadros foi eleito presidente da República na eleição de 3 de outubro de 1960. Tomou posse em 31 de janeiro de 1961. A principal iniciativa do governo Jânio Quadros, a única importante foi dar destaque para a Sumoc - Superintendência da Moeda e Crédito que fora criada no governo Vargas. Tal qual alguns dos candidatos à presidência de hoje prometem, o Jânio Quadros utilizou-se de medidas espetaculosas como proibição de biquíni e proibição de briga de galo. Os candidatos de hoje, prometem armar os ruralistas até os dentes, como chavão para campanha. Outros prometem combater a corrupção. Tudo isto lembra a figura do ex-presidente Jânio Quadros e outro tanto do Fernando Collor, o caçador de "marajás". 

Jânio Quadros utilizou-se da imagem de combate à corrupção durante toda a sua carreira política, tendo como símbolo a "vassoura". Jânio Quadros foi eleito com 5,6 milhões de votos que representava maioria absoluta dos eleitores da época. Jânio Quadros renunciou em 25 de agosto de 1961, após pouco mais de 6 meses após a sua posse no cargo de presidente da República.  Na carta renúncia, elenca forças poderosas, ocultas, como motivo para renúncia. Não se sabe se a renúncia era uma tentativa de "golpe" para voltar ao poder com força do povo, já que fora eleito com votação expressiva.  Nunca foi revelado a tal "forças ocultas" para a população. 

O fato concreto é que Jânio Quadros renunciou por falta de apoio no Congresso Nacional para suas diversas inciativas. Preocupa-me, sobremaneira, os atuais candidatos à presidência da República, não levarem em conta o apoio dos partidos que irá compor o novo Congresso Nacional, necessários no regime democrático.  Receio ainda que um novo presidente da República eleito sem uma representação expressiva no Congresso Nacional possa atacar de frente as reformas estruturantes que o Brasil tanto precisa.  Falo de candidatos que se definem como "independentes" e "autônomos". Esse filme já vi com Jânio Quadros e com o Fernando Collor. 

Finalmente, à despeito de Jânio Quadros ter combatido a corrupção durante toda vida política, no final da sua vida foi denunciado pela única filha como "corrupto" e internado à força numa clínica psiquiátrica.  Jânio Quadros, o caçador de corrutos, deixou 66 imóveis para herdeiros e uma conta bancária secreta na Suíça no montante de E$ 20 milhões, segundo Operação Castelo de Areia da Polícia Federal. 

Há que se pensar seriamente em candidatos à presidência da República que prometem resolver todos problemas estruturantes do Brasil, no "grito" e na "bravata", sem o apoio do Congresso Nacional. Esse filme já vi na história recente do País com o "caçador de marajás" e "caçador de corruptos".  Um presidente da República, sem apoio do Congresso Nacional, não se sustenta. 

Espero que o povo brasileiro vote conscientemente para não amargar com mais uma decepção com falsas promessas dos candidatos "donos da verdade". 

Ossami Sakamori

Compartilhe:

4 comentários:

  1. Não tenho qualquer ilusão quanto aos presidenciáveis. O vácuo é tão grande e tão fundo que não dá para acreditar que vai surgir um Salvador da Pátria...Gostei da sua matéria e, como sempre, muito esclarecedora. Parabéns Mestre Sakamori!

    ResponderExcluir
  2. Só tem gente boa,eu fico um tanto aborrecido por não poder votar em todos eles.

    ResponderExcluir
  3. Grande mestre Sakamori! Excelente e muito exclarecedor, porém é uma lástima que nossa população não tenha acesso a uma educação de qualidade e como consequência não tenha maturidade e entendimento para compreender o momento político atual e escolher um presidente conforme está muito bem colocado em seu texto. Parabéns meu caro amigo! Estamos juntos no Twitter @carlosjsb_b Grande abraço

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.