Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

quarta-feira, 25 de abril de 2018

Gilmar Mendes não faz por merecer o cargo que ocupa.

Crédito da imagem: Gazeta do Povo

Vou ser breve nos comentários de hoje. O assunto foge dos meus assuntos profissionais do dia a dia, pois não milito na área jurídica e nem tampouco na área de saúde.  Vou fazer um breve comentário sobre os últimos atos do ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes. Enfim, o ministro Gilmar Mendes não anda bem da cabeça.  Os últimos atos e falas do ministro mostram o estado avançado da insanidade mental.

Vejamos, então. Na sessão que decidia sobre embargo de infringência da condenação do deputado Paulo Maluf, o ministro Gilmar Mendes entre seus comentários vociferou sobre as atitudes do juiz Sérgio Moro de Curitiba. Gilmar Mendes errou. O assunto que estava em pauta nem era sobre processo que fora julgado pelo juiz federal de Curitiba. Para um leigo como eu, deu para aperceber que o ministro Gilmar Mendes tem uma inveja tremenda da notoriedade que ganhou o juiz Sérgio Moro de Curitiba. Inveja também é uma doença!

Ontem, o ministro Gilmar Mendes votou pela retirada dos depoimentos dos Odebrecht (Marcelo e Emílio) do processos conhecido como do terreno do Instituto Lula e do sítio de Atibaia que correm na Vara Criminal sob responsabilidade do juiz federal Sérgio Moro. Ambos processos, inciados há cerca de dois anos, já estão em fase final para conclusão.  O alegado motivo da não citação da Petrobras nos depoimentos ao juiz Sérgio Moro, apresentado pelo relator ministro Toffoli no seu voto não tem fundamento.  A Rede Globo, na noite de ontem, mostrou os depoimentos do Emílio Odebrech e do Antonio Palocci citando explicitamente que as propinas referidas nos processos em citados tinha origem nos contratos da Odebrech com a Petrobras.  O ministro Gilmar Mendes foi o voto que definiu pela retirada dos depoimentos dos Odebrech essencial nos processos que corre na 13ª Vara Criminal Federal. Isto vai dar muito pano para manga, ainda. A Procuradoria Geral da República já anunciou que vai recorrer da decisão da Segunda Turma do STF ao plenário do STF.

O fato notório é que o ministro Gilmar Mendes tem a sua clientela favorita. O ministro Gilmar Mendes, tem tomado decisões de favorecimento aos seus amigos do Rio de Janeiro, que chega a saltar aos olhos de leigos como eu. Os noticiários da grande imprensa tem mostrado claramente a relação promíscua do ministro Gilmar Mendes com alguns escritórios de advogacia no Rio de Janeiro. 

O ministro Gilmar Mendes tem demonstrado explicitamente de que é amigo de alguns investigados pelo crimes de corrupção. Um desses círculos de amizade é com o senador Aécio Neves que se tornou réu num processo de corrupção passiva pelo STF, na última semana. Sem nenhum receio de errar poderemos tirar as nossas conclusões de que o ministro Gilmar Mendes tem seus clientes de estimação e seus desafetos como o juiz federal Sérgio Moro de Curitiba e Marcelo Bretas do Rio de Janeiro. 

Gilmar Mendes demonstra claramente que não é imparcial, como é de se esperar de um ministro do Supremo Tribunal Federal.  Gilmar Mendes não faz por merecer o cargo de ocupa. 

Ossami Sakamori


3 comentários:

Linda Novaes Linda Novaes disse...

O homem é mau; uns MAIS, outros MENOS...O ministro Gilmar(+alguns) não deveria fazer parte da Suprema Corte: ele, no meu entendimento, não representa o EXEMPLO; nos envergonha e deixa um grande VÁCUO, um grande VAZIO, uma enorme LACUNA na Justiça e no anseio de cada brasileiro de Bem...Alguém disse: "O mal é uma palavra que usamos para descrever a ausência de Deus". Sinto frustração e temor com as decisões de alguns ministros do STF... Uma grande parte de brasileiros se sente ÓRFÃO de uma JUSTIÇA útil,imparcial e JUSTA... Como sempre meu Mestre, que tanto admiro, o comentário é bom e elegante! E sempre estou compartilhando no G+. Bom dia com luz e paz!!!

CARLOS_JBB disse...

A justiça para ser JUSTA precisa de imparcialidade total e infelizmente não é o que vemos em nossa Suprema Corte. Em uma situação clara como a de parcialidade do ministro Gilmar Mendes, bem como de outros no STF, bem observado em seu texto que coloca que até mesmo a grande midia vem deixando isso bem claro, teríamos que ter mecanismos constitucionais para que os ministros que agissem dessa forma fossem substituídos por juizes que façam por merecer e que honrem nossa Suprema Corte!

Cecilia pereira de borba disse...

Linda. Seu. Comentário foi. Perfeito. Gilmar. Mendes não. Deveria fazer. Parte. Do. Supremo de. Fato um. Homem. Mal. Que. Trabalha. Pelas. Suas. Conviniencias pior. Ainda. Prejudicando. O. Pais. E. Um. Povo. Sofrido. Pela. Corrupção. Essa. Que. Gilmar. Mendes. Aprova