Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

terça-feira, 10 de abril de 2018

Aécio Neves nos bancos do STF

Crédito da imagem: Folha

No próximo dia 17, terça-feira, o senador Aécio Neves, PSDB/MG, poderá se tornar réu no processo de corrupção passiva devido ao recebimento de propina da empresa JBS no montante de R$ 2 milhões, flagrantemente pego em pelo sigilo de telefone e imagem, autorizados pelo Procuradoria Geral da República.  O julgamento pela 1ª turma do Supremo Tribunal Federal acontece na sequência da prisão do Lula da Silva do PT/SP.

O senador Aécio Neves tem tido comportamento fora do padrão ético e moral como senador da República, tal qual as críticas que fizera no exercício do mandato parlamentar contra o Partido do Trabalhador. Com Lula da Silva preso na carceragem da Polícia Federal, nada mais justo que a STF tome providências para torná-lo réu ou inocentá-lo.  O mesmo critério de justiça deve se aplicar a todos em igual procedimento. 

O PSDB, nos últimos dias tem experimentado o mesmo veneno que fora aplicado ao PT.  No estado de São Paulo, o Paulo Preto, ex-diretor do DERSA e caixa de campanha do senador José Serra ao governo de São Paulo, foi preso com suposto desvio de recursos públicos.  Por hora, a grande imprensa divulgou ter encontrado depósito de mais de R$ 100 milhões em contas do Paulo Preto no exterior. 

Os próximos capítulos das investigações da Lava Jato devem ser sobre os parlamentares do PSDB e do MDB. Até onde isto deve influir nas pré-candidatura do Michel Temer, MDB/SP e Geraldo Alckmin, PSDB/SP, não sabemos. Um graduado delegado da Polícia Federal insinuou que os próximos capítulos do Lava Jato seriam destinados aos já citados. 

Aécio Neves nos bancos do STF.

Ossami Sakamori

Um comentário:

  1. Oque fazer Saka? Me parece que é só um candidato ter um mantra, no caso dele, PT é o maior ladrão, que arregimenta uma multidão. Qual será o novo mantra dos políticos? Porque caimos nessa esparrela?

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.