Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

terça-feira, 27 de junho de 2017

Temer: E para mim? O que tem?

Crédito da imagem: Estadão

Segundo a Procuradoria Geral da Justiça, que pediu ontem a abertura de inquérito contra presidente Michel Temer por "corrupção passiva", cita o diálogo mantido por um dos principais executivos do grupo JBS, o Ricardo Saud. Segundo o delator, numa reunião na residência particular do Michel Temer, o presidente teria dito ao executivo da JBS, em se referindo a distribuição de "propinas": "E para mim? O que tem?".

Segundo a grande imprensa, é a primeira vez que um presidente da República, no exercício do cargo é objeto de pedido de inquérito policial por "crime comum", no caso ao de "corrupção passiva". O pedido da abertura do inquérito policial vai à apreciação do relator dos processos Lava Jato ou o plenário do STF, que deverá solicitar à Câmara dos Deputados, autorização para a abertura do processo. Isto é o rito previsto na Constituição da República. Isto deverá ocorrer sem prejuízo do recesso do STF.

Para que a autorização seja aprovada na Câmara dos Deputados será necessário 342 votos à favor, dentre 513 deputados. O processo ocorrerá tal qual, a autorização para que o Senado Federal julgasse o processo de impeachment da ex-presidente Dilma. O rito de autorização ou não da abertura de inquérito é extremamente desgastante uma vez que o processo passa pela apreciação e votação na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara. Certamente, as sessões serão televisionadas pelas grandes emissoras de televisão, constrangendo os deputados na decisão a poucos meses antes das suas próprias eleições. Após a manifestação pela Comissão de Constituição de Justiça o processo será votado pelo plenário da Câmara dos Deputados, onde a votação será feito nominalmente. 

No caso de autorização pela Câmara dos Deputados, o presidente Temer será afastado do cargo de presidente por 180 dias e assume o cargo o primeiro na linha de sucessão, o presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia. Na sequência, o Rodrigo Maia, em 30 dias, deverá promover "eleição indireta" para presidente da República "tampão", com votos de senadores e deputados que compõe o Congresso Nacional.

Como o Procurador Geral da República vai fatiar a denúncia, é certo que esta situação constrangedora deverá ocorrer pelo menos, até o momento, em mais duas votações.  Sem contar com a possível delação do Funaro, o Procurador Geral Rodrigo Janot tem ainda dois pedidos de inquéritos em preparação, objeto da delação do grupo JBS. Nos próximos três meses, tudo pode acontecer na área política. Inclusive a renúncia do próprio Michel Temer. 

Temer: E para mim? O que tem?

Ossami Sakamori


3 comentários:

  1. Estamos em pleno Estado Cleptocrático de Direito, onde tudo está dominado e o povo escravo das quadrilhas políticas que se revezam para permanecer incólumes no poder. País sem futuro e povo morto.

    ResponderExcluir
  2. Sem julgamento de ninguém, isso tudo foi armado. Enquanto isso o Lula e seus sócios, açougueiros, continuam livres e soltos...

    ResponderExcluir
  3. E essa gente IMUNDA cuida das verbas da saúde, das verbas da merenda das crianças, das verbas para segurança, estradas etc. Que nojo!

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.