Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Estados Unidos suspendem a compra da carne bovina.


Estados Unidos suspenderam, nesta quinta-feira, dia 22, todas importações da carne bovina "in natura" do Brasil. O resultado é de uma inspeção rigorosa dos lotes de carnes enviadas pelos frigoríficos brasileiros. O comunicado foi emitido pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) e foi duro. As carnes que estão "na água" ou "embarcados em navios" seguindo para aquele país, estão impedidos de entrar no país.

A suspensão da importação pelos Estados Unidos poderá trazer consequências imprevisíveis para o setor agropecuário brasileiro. A União Européia deverá, em qualquer momento, acompanhar a decisão dos Estados Unidos. A União Européia tem um lobby muito forte dos produtores locais, altamente subsidiados pelos governos locais. Os dois mercados foram conquistados às duras penas, só para lembrar. 

Colocar toda a culpa do ocorrido na Operação Carne Fraca da Polícia Federal  para a barreira comercial e sanitária impostas pelos países importadores é desconhecer o problema que é recorrente no Brasil. Convenhamos, quem compra produtos exigem qualidade. No caso da carne '"in natura" com muito mais razão. As barreiras sanitárias são impostas para garantir a saúde da população. O Brasil pode ser leniente, mas os importadores não são. O Brasil carece fazer o dever de casa ao invés de tentar exportar as suas mazelas. 

Como sempre, o brasileiro corre atrás do prejuízo. Este blog, em 8 de março de 2014, portanto há mais de 3 anos, já chamava atenção do governo e dos produtores brasileiros, sobre o movimento de resistência dos países importadores, sobretudo dos Estados Unidos. Leia a matéria abaixo, em itálico, reprodução de uma matéria do noticiário Kansas City Star de 4 de fevereiro de 2014. 

Planejar importação de carne do Brasil causa alvoroço.
(Reprodução da notícia Kansas City Star, 4/2/2014)Tradução, via translator do Google
Grifo das cores é meu, não é da fonte.

Pé e boca, doença é tão altamente contagiosa que pode ser transmitida em uma brisa suave ou nos pneus de máquinas agrícolas. 
Read more here: http://www.kansascity.com/2014/03/04/4866138/plan-to-import-beef-from-brazil.html#storylink=cpy
A doença, que afeta o gado e outros animais de cascos, foi erradicada nos EUA mais de 80 anos atrás. Mas uma proposta do governo para importar carne bovina "in natura" do Brasil - onde a doença ainda está ativa - despertou temores de uma nova epidemia que poderia custar ao gado dos Estados Unidos e na indústria bilhões de dólares.
A ideía é "ridícula", escreveu fazendeiro Tracy Trask do Dakota do Sul em um site do governo, onde a proposta foi publicado.  "Você perdeu sua mente Freakin? Qual seria o benefício econômico que superam a dizimação do gado e indústria neste país ...? "
A proposta uniu facções dentro da indústria de carne que os EUA raramente concordam em alguma coisa. Dos mais de 500 comentários postados no site a partir de terça-feira, quase todos são negativos.
A Associação de Carne Bovina do Nacional Pecuaristas, cujos membros incluem as grandes processadoras de carne bovina que poderiam se beneficiar da proposta, diz que compartilha essas preocupações. O grupo, que se opõe a tais importações, desde que a febre aftosa continua a ser um problema no Brasil, pediu ao governo para "um potload de documentos" sobre a proposta, disse Colin Woodall, vice-presidente da associação de assuntos governamentais.
A proposta, do Departamento de Animais e Plantas de Inspeção de Saúde Serviço de Agricultura dos EUA, apareceu no site da agência, dois dias antes do Natal do ano passado.
Especialistas do USDA disse na proposta que eles iriam limitar as importações para carne de bovino proveniente dos estados brasileiros que não tiveram casos recentes de febre aftosa.
"Estamos cientes das preocupações dos pecuaristas", disse um porta-voz do APHIS disse ao jornal The Kansas City Star na sexta-feira. "USDA baseia as suas decisões de importação sobre ciência e continuará a proteger a saúde da agricultura dos EUA através de requisitos adequados de elegibilidade importação."
Funcionários disseram que basearam a sua avaliação de que as importações não iria reacender a doença aqui, pelo menos em parte, em informações fornecidas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil, e em visitas ao local por especialistas norte-americanos no Brasil.

"Concluímos que o Brasil tem infra-estrutura e capacidade de resposta de emergência adequadas para conter e erradicar a febre aftosa no caso de um surto e para cumprir com as restrições às importações norte-americanas de produtos provenientes de áreas afetadas de forma eficaz", disse o USDA na proposta.
O governo brasileiro solicitou que os EUA realizar uma revisão das restrições à importação depois de autoridades norte-americanas e brasileiras anunciaram que iriam trabalhar para eliminar as barreiras comerciais entre os dois países.
O USDA originalmente fechou consultas públicas sobre a proposta há duas semanas, mas foi reaberto na Quinta-feira, após a consulta à proposta ter recebida com reações rápidas e negativos. 
Entre os comentários:
"Os produtores de carne bovina dos EUA não pode correr o risco de importar carne inacreditável de um país com conhecidos febre aftosa. Eliminamos-la e vamos trazê-la de volta "!
Oito senadores norte-americanos, incluindo de Kansas, os republicanos Pat Roberts e Jerry Moran, escreveu o secretário de Agricultura, Tom Vilsack, no mês passado para solicitar uma prorrogação de 60 dias do período de consulta pública, dizendo que eles estavam "preocupado com o possível risco da Febre Aftosa (FMD) que está sendo trazido para os Estados Unidos. "
Os EUA tinham nove surtos da doença entre 1870 e 1929, a mais grave em 1914, infectando 170.000 bovinos, ovinos e suínos em 3500 rebanhos.
Um surto de 1924 exigia o abate e eliminação de 109 mil fazendas animais e um número estimado de 22.000 veados. O último surto, em 1929, iniciou-se em porcos que haviam comido restos de carne infectada jogado fora por um navio a vapor com carne de turismo da Argentina.
A febre aftosa hoje continua sendo uma das doenças economicamente mais prejudiciais do mundo, com dezenas de países que ainda trabalham para erradicá-la.
Os seres humanos não contraem a doença, mas pode carregá-lo em suas narinas e em suas roupas e passá-lo para os animais. Seus efeitos são devastadores para o gado, provocando febre alta, babando excessiva, indo fora de sua alimentação, claudicação e, em alguns casos, morte.
E a doença pode sobreviver em carne fresca de animais infectados, disse Bob Larson, um veterinário e professor da Faculdade de Medicina Veterinária da Kansas State University. E a doença pode sobreviver em carne fresca de animais infectados, disse Bob Larson, um veterinário e professor da Faculdade de Medicina Veterinária da Kansas State University.
Ele poderia se espalhar de lá para animais vivos aqui, disse ele. Apesar de que seria necessária uma série de eventos improváveis ​​de ocorrer, que não é impossível, acrescentou.
"É provavelmente é um risco bem pequeno", Larson disse, "mas a pergunta que as pessoas estão pedindo, é que uma quantidade adequada de risco para os benefícios comerciais que iria receber?"
Juergen Richt, um microbiologista veterinária na Kansas State, concorda que se a infecção da carne brasileira foram para chegar a um animal susceptível de os EUA ", sim, teremos um problema."
Se isso ocorreu, Richt disse, os EUA rapidamente ser designado como um aftosa positivo no país e teria que parar de exportar carne, custando a indústria da carne aqui bilhões de dólares.
Em sua objeção à proposta, Associação de Pecuaristas Kansas citou um relatório K-Estado, que constatou que um surto de febre aftosa em Kansas só iria custar ao Estado cerca de US $ 1 bilhão.
Richt comparou os efeitos de um potencial foco de febre aftosa aqui sobre um incidente de 2003, em que foi encontrada uma vaca no estado de Washington ter encefalopatia espongiforme bovina, ou "doença da vaca louca".
Esse incidente imediatamente fechou mais de 50 países às importações de carne bovina dos Estados Unidos e custar bilhões de dólares da indústria do gado.
No final, disse Richt, a febre aftosa ", é um dos agentes mais contagiosas no reino animal."
É tão eficiente e perigoso, disse Richt, que também dirige o Departamento de Centro de Excelência de Segurança Interna para emergentes e zoonoses animais no K-Estado, que as autoridades americanas estão cientes de seu potencial como uma arma do terrorismo.
Alguns pensam que a importação de carne bovina in natura do Brasil poderia ajudar a flágeis fontes norte-americanas e ajudar a reduzir os preços da carne altíssimos em os EUA.
"Há sinais econômicos claros" para prosseguir importar mais carne bovina, disse Glynn Tonsor, um economista agrícola da Kansas State. No entanto, o valor previsto pela proposta brasileira, pelo menos neste momento, é minúsculo.
O USDA diz que antecipa em algum lugar entre 20.000 e 65.000 toneladas métricas de carne bovina brasileira viria para os EUA - menos de um aumento de 1 por cento do total das importações de carne bovina dos Estados Unidos.
Bill Bullard, chefe da base-Montana rancheiros-Pecuaristas Ação Fundo Legal, disse que acha que o motorista real por trás da proposta é o JBS SA, uma carne brasileira empresa que se estabeleceu em os EUA
Bullard, cujo grupo acredita grandes embaladores e carne estrangeira está dirigindo pequenos fazendeiros fora do negócio, disse o USDA está apenas "kowtowing" a JBS, maior produtor de carne bovina do mundo eo terceiro maior embalador carne bovina dos EUA.
"JBS quer importar gado de alto risco e de carne bovina para os Estados Unidos, sem levar em conta o bem-estar da indústria gado os EUA ea segurança dos consumidores norte-americanos", disse Bullard.
Ele acha que a JBS, o que contribui grandes quantidades para os EUA e os políticos brasileiros e que os benefícios de empréstimos do governo brasileiro, são, pelo menos em parte, estão por trás do movimento do governo brasileiro para a proposta.
Funcionários do USDA disse que se JBS não deve pressionar-los sobre a questão, e a empresa nega que eles estão por trás da iniciativa. A empresa disse em um comunicado sexta-feira que"desempenhou nenhum papel neste processo de negociação entre dois governos soberanos."
A empresa acrescentou que apoia "condições transparentes, previsíveis internacionais de negociação com base em dados científicos sólidos.Acreditamos que qualquer esforço para eliminar as barreiras comerciais ... e reforçar a cooperação entre os nossos dois países é um fator positivo para as pessoas de ambas as nações. "
Bullard e outros observam, porém, que a JBS e Brasil tiveram a sua quota de problemas comerciais e de importação. No ano passado, as autoridades brasileiras reconheceram um atraso de dois anos em relatar um "atípico" vaca-BSE positivo em rebanho bovino dessa nação, que teria parado as exportações para muitos países. Autoridades brasileiras culpou o atraso em uma "anomalia logístico" no seu laboratório.
E em 2010, Segurança Alimentar do USDA Serviço de Inspeção e lembrou que constatou £ 258.000 de carne cozida de uma planta da JBS com sede em Chicago. 
A carne havia sido importado do Brasil, apesar de uma proibição dos EUA sobre essas importações por causa dos altos níveis de vermífugo, um medicamento usado para controle de verminoses intestinais em gado. 
Fim.

Para os menos informados, a suspensão da importação da carne bovina "in natura" pelos Estados Unidos devem parecer como retaliação repentina, mas isto não é verdade. Há mais de três anos que o assunto vem sendo debatido pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). E este blog, novamente, antecipou os fatos que acabou terminando em suspensão da importação. 

O ministro da Agricultura Blairo Maggi disse à imprensa que vai tentar reverter a situação. Receio que o assunto não será resolvido no prazo curto. O controle sanitário dos Estados Unidos é tão rigoroso quanto da União Européia. Na minha avaliação, a União Europeia, mais dias, menos dias, deverá adotar medidas sanitárias semelhante às dos Estados Unidos.

O Brasil sempre corre atrás do prejuízo. O País é notório improvisador em todos segmentos, que vai da política econômica às soluções para sociedade como todo.  O povo brasileiro vai pagar mais uma vez, com perda de empregos no setor agropecuário decorrente dos fatos narrados. 

Ossami Sakamori


4 comentários:

  1. Compare a política educacional da Finlândia com a do Brasil, e você verá como aqui tudo é marketing, para que o dinheiro público escorra, aos bilhões, para os bolsos podres de políticos nojentos...
    Edgardo Amorim Rego

    ResponderExcluir
  2. Feio a coisa. Com improvisos então, nem pensar...

    ResponderExcluir
  3. Bom dia à todos(as). Temer está em uma má fase lá fora. A Noruega cortou 50% dos investimentos na Amazônia por o Brasil não cumprir com o acordo de impedir o desmatamento; Com o "Putim" as negociações não foram tão boas e os EUA barram a importação da nossa carne. A carne bovina brasileira deveria dar uma recuada no preço pois se já não está exportando tanto o jeito é vender para o consumidor interno porém aqui, em MS, não tem abatedouros suficientes para tanto gado pois a JBS monopolizou e agora, falindo, fechou alguns de seus abatedouros e deve aos pecuaristas. A situação brasileira economicamente só tende a piorar. Detesto ver Michel Temer usar de palavras bonitas referindo-se à crise que, segundo ele, já passou e que estamos crescendo economicamente; só se for crescendo igual ao rabo do cavalo, ou seja: para baixo.

    ResponderExcluir
  4. Parece que o Decálogo de Lenin já está na fase final...

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.