Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

terça-feira, 13 de junho de 2017

Aécio e Temer saíram abraçados, ontem!

Crédito da imagem: Folha

Os tucanos reuniram-se ontem, segunda-feria, para tomar decisão sobre eventual desembarque do governo Temer. A imprensa jocosamente falou sobre os tucanos anciões e os tucanos cabeça preta, com referência aos tucanos de plumagem mais antiga e os tucanos da ala mais jovem do partido. Segundo a grande imprensa, os tucanos de cabeça preta tentaram movimento de "desembarque" do governo Temer, mas foram vencidos pelos votos dos tucanos anciões.  Afinal ficou como entrou na reunião, o PSDB continua na base de apoio do governo Temer, apesar de desgaste político.

A imprensa deu destaque ao discurso oficial de continuidade ao apoio às reformas estruturantes e invocando de certa forma a "governabilidade" do governo Temer. Nada disso é verdadeiro. Isto é para inglês ver ou melhor para os otários verem. 

Os tucanos tem projeto para 2018, de lançar candidato à presidência da República pela sigla, em dobradinha com o PMDB, a quem caberia indicação do cargo de vice-presidente. Os tucanos não querem, com vista ao projeto nacional para o próximo ano, criar pontos de atrito com o maior partido no Congresso Nacional, hoje. Isto é o pano de fundo, o principal objetivo dos tucanos em permanecer na base de apoio do governo Temer.  

No entanto, o verdadeiro objetivo, neste momento é um "toma lá, dá cá". Os tucanos apoiariam o presidente Temer que está prestes a ser "indiciado" pela Justiça com fortes indícios da prática de crimes comuns revelados pelo "grampo" do empresário estelionatário Joesley Batista. Em troca o partido do presidente Temer, o PMDB, votaria contra a cassação do senador Aécio Neves no Conselho de Ética do Senado. Um casamento perfeito, uma troca-troca perfeita, uma estratégia para "salvar" ambos "caciques" dos dois maiores bancadas no Congresso Nacional. 

O combinado é que o PSDB vai fazer "corpo mole" sobre a decisão contrária à cassação da chapa Dilma/ Temer no TSE e garantir votos contrários à autorização ao indiciamento do Michel Temer na Câmara dos Deputados, 172, referente ao processo do "grampo". Por outro lado, o PMDB garantiria ao Aécio Neves, ainda presidente da Executiva Nacional do PSDB, para sair-se ileso da cassação de mandato do Aécio Neves.  É um verdadeiro "toma lá, dá cá". 

Comemorando o "dia dos namorados", de ontem, o PSDB do Aécio e PMDB do Temer saíram "se amando", até o próximo episódio.

Ossami Sakamori

6 comentários:

  1. Numa republiqueta de aconchavos patrióticos como a nossa o fato narrado é simplesmente tido como normal. Estelionato é um nome apropriado, sem aplicação para os donos da Pindorama...

    ResponderExcluir
  2. Seu Saka,

    Fala um nome de político 100 % confiável. Entendi sua resposta brigadão

    NIHIL

    ResponderExcluir
  3. Formam uma bela dupla, digna do que são.

    ResponderExcluir
  4. Senhor Sakamori, o grande culpado dessa "putaria institucionalizada" que vive o Brasil é o Poder Judiciário brasileiro. Agora mesmo depois dessa "suruba" realizada no TSE, transmitida ao vivo durante quatro dias para todo o Brasil, ACABOU! VALE TUDO AGORA!
    A impunidade incentiva o homem ao cometimento do crime.
    Se uma Sociedade não tiver leis claras, precisas e rígidas que alcancem à todos, inclusive ao Presidente da República criminoso, não existe sociedade.
    Estamos vivendo agora num "Brasil Suruba", e salve-se quem puder!
    ACABOU, Sr. Sakamori!

    ResponderExcluir
  5. É ensurdecedor o silêncio de OAB, ABI em todo esse descalabro que se transformou o país dos irmãos castro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se isso não é ditadura, então o que é?
      O Brasil já está cubanizado e venezuelado.
      Só palavras não mudarão nada, por aqui.
      Quem pode deve mudar para algum país sério, fora da américa latrina.

      Excluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.