Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

sexta-feira, 6 de junho de 2014

Oposição ganha eleição pelo demérito da Dilma


Pesquisa Datafolha concluída nesta quinta-feira (5) confirma a lenta tendência de queda de intenções de voto pela reeleição da presidente Dilma Rousseff. Em relação a maio, data do levantamento anterior, ela variou de 37% para 34%. Desde fevereiro, já caiu dez pontos percentuais. Fonte: Folha.

A nova rodada do Datafolha mostra que o que cresceu de forma notável entre maio e agora foi o total de eleitores que não sabem em quem votar, de 8% para 13%. Além disso, outros 17% afirmam que pretendem votar nulo, em branco ou em nenhum dos candidatos apresentados. Fonte: Folha.

O tradicional jornal Folha divulgou a pesquisa Datafolha, nesta quinta-feira sobre intenções de votos para presidência da República no próximo 5 de outubro.  Vamos à análise dos números divulgados.  

A presidente Dilma que há pouco mais de 2 anos atrás estava com popularidade em alta, cerca de 77% de aprovação do seu nome entre ótimo e bom, está agora com pífio 34% de intenção de voto, segundo a pesquisa apurada pela Datafolha. O número impressionante é que, ainda segundo a Datafolha, a intenção de voto para Dilma caiu 10% desde fevereiro deste ano.  

Em relação aos candidatos pela oposição, os números continuam praticamente estáveis.  Isto não chega a ser novidade, uma vez que a exposição à mídia acontece somente com a Dilma.  Os demais candidatos, em tese, estão na condição de pré-candidatos, portanto estão proibidos pela legislação de fazer campanha eleitoral ostensiva.  O que me impressiona é o crescimento do nome do pastor Everaldo do PSC, que ostenta 4% de intenção de voto.  Fica como registro, o crescimento do nome do pastor.

A nova rodada do Datafolha mostra que o que cresceu de forma notável entre maio e agora foi o total de eleitores que não sabem em quem votar, de 8% para 13%. Além disso, outros 17% afirmam que pretendem votar nulo, em branco ou em nenhum dos candidatos apresentados. Fonte: Folha.

O número que representa a soma de eleitores indecisos e eleitores que dizem votar nulos é expressivo, a menos de 4 meses das eleições de 5 de outubro.  Não me causa estranheza o número de eleitores insatisfeitos com os candidatos já colocados.  A grande verdade é que os candidatos da oposição, pelo menos até agora, não falaram para que vieram.   Não há propostas concretas dos candidatos, a não ser em linhas gerais, que mais se assemelha aos programas da Dilma do que propriamente de mudanças.

O Brasil merece ouvir dos candidatos da oposição as propostas de mudanças do rumo do país, quer seja no plano econômico ou no plano social.  Que mudanças que o povo quer, cabe aos candidatos da oposição ouvir e auferir.  

Eu digo sempre e repito aqui novamente, que os candidatos à presidência da República, deverão descer dos palanques.  Do palanque é fácil de prometer.  Estando no palanque, a mídia encarrega de expor ao público, candidatos limpos com impecáveis ternos ou terninhos e bem maquiados.  Nos velhos tempos, os candidatos à presidência se misturavam no meio do povo.  Eu vivi tempo das campanhas do Juscelino e do Jânio Quadros.  Literalmente, as duas figuras desciam do palanque para misturar-se na multidão.  Isto faz parte da política.  Quem não se digna a descer do palanque que nem se candidate.  O povo quer, um dos seus, na presidência da República.

O fato é que Dilma não se reelege, não pelo fato de ter candidatos da oposição fortes, com qualidades que se opõe à atual presidente.   As eleições, fatalmente, levará vitória à oposição, não pelo mérito dos candidatos postos, mas pelo demérito da Dilma.  Cobrem dos candidatos da oposição, os programas alternativos para o País.  Já estamos muito saco cheio dos blá-blá-blá de todos postulantes.




Oposição ganha eleições pelo demérito da Dilma!

Ossami Sakamori



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.