Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Itáu Unibanco, uma bomba de R$ 25 bilhões!


O Banco Itaú livrou-se de uma bomba, a mãe de todas elas. Na segunda feira última, dia 10/4/2017, o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais, o CARF, decidiu em favor do Itaú Unibanco, um processo em que a Receita Federal cobrava pagamento de tributos ligados à fusão do Banco Itaú com o Unibanco, em 2008.

O auto de infração foi feito em junho de 2013, no valor de R$ 18,7 bilhões, acrescido de multa e juros. Em valores atualizados para hoje, abril de 2017, daria cerca de R$ 25 bilhões. 

Segundo o Banco Itaú, desde o recebimento do auto de infração pela Receita Federal, o maior banco privado do País, considerou como remoto o risco de perda no procedimento fiscal objeto da multa, pelos seus advogados e auditores externos. O grupo Itaú Unibanco não tinha feito até o último balanço, previsão da perda do valor no seu balanço, referente ao valor da multa. 

Muito estranho é a coincidência do momento da decisão. A decisão do CARG ocorre, justamente, no meio da quebra do sigilo das gravações das delações premiadas da Odebrecht, conhecidas como "Lista do Fachin". A Lista do Fachin se refere aos parlamentares que receberam as propinas da Operação Lava Jato. A bomba do Itaú Unibanco ficou nas segundas páginas da grande imprensa. 

Esquema perfeito para camuflar a decisão favorável ao maior grupo financeiro em desfavor da Receita Federal do Brasil. Pela decisão da CARF, o Banco Itaú Unibanco vai deixar de recolher aos cofres da União cerca de R$ 25 bilhões. O Tesouro Nacional não vai poder mais contar com a receita extra.

O que estranha é que a decisão do CARF, subordinado ao Ministério da Fazenda, ocorre justamento no momento em que o titular do Ministério é o Henrique Meirelles, um grande acionista do Banco Itaú Unibanco e quando o presidente do Banco Central é o Ilan Goldfajn que foi diretor do grupo financeiro até à véspera da indicação ao maior posto na área monetária do País. Ambos agem sob a batuta do presidente Michel Temer. 

Vale lembrar, também, que uma das principais acionistas do grupo Itaú Unibanco, a Neca Setúbal, na campanha presidencial de 2014, apoiou ostensivamente à campanha da Marina Silva. Isto fica apenas como registro. Pelo jeito o grupo Itaú Unibanco apostou em todas fichas em 2014. 

O valor envolvido é como "maior bomba de todas elas". A decisão ocorre no momento de fragilidade do governo Michel Temer, em que é delatado no esquema de propinas da Odebrecht. O presidente Temer está protegido pela "imunidade" do cargo de presidente da República, até o final do mandato em 31 de dezembro de 2018, em todas suspeitas que por ventura venham ocorrer. 

Que cada um tire as suas próprias conclusões!

Ossami Sakamori



15 comentários:

  1. Banco algum joga para perder. Observem os LUCROS destes bancos. Com crise ou sem crise eles são sempre volumosos.
    Lógico que devemos entender quem quem se prepara, investe e tem expertise em lidar com as oscilações do mercado tem mesmo que ter seu lucro.
    O problema é quando vemos negociatas envolvendo gente graúda da política nacional, e engenhosas manipulações onde as raposas se vestem de galinhas para assaltarem o galinheiro.
    Pena que nós brasileiros estamos com as mentes ocupadas e entupidas com as falácias das almas desprovidas de moral...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo plenamente. Se estamos deveras ocupados em solucionar problemas pessoais, estaremos a cada dia, mais desunidos. O povo brasileiro nao reage.É lamentável essa falta de interesse. Estou indignada.

      Excluir
    2. O tesouro Nacional precisa é deixar o dinheiro com os donos de direito, povo e empresários. O mal deste país é esse governo que ainda nos explora como colônia.

      Excluir
    3. Acho que quem julgou a ação calculou o risco/benefício: O governo abre mão dessa multa OU o governo recebe os 25 bilhões e quebra o banco e o mesmo governo vai ter que pagar o dobro para apagar o rastilho de pólvora dessa quebra contaminando o mercado financeiro.

      Excluir
  2. Pátria amada, salve, salve!
    Quando será restaurado nosso orgulho de sermos brasileiros?

    ResponderExcluir
  3. Quando se pensa que ficaram com medo de maracutaiar vem essa...

    ResponderExcluir
  4. E esses "vagabundos" ainda querem fazer com que o trabalhador brasileiro pague por todo esse descalabro abrindo mão de direitos trabalhistas e previdenciários?
    Bando de canalhas!

    ResponderExcluir
  5. Veremos se o MP vai seguir no processo acionando judicialmente, pois o Carf é orgão máximo administrativo.

    ResponderExcluir
  6. Um homem mata uma abelha mas um enxame mata o homem. O governo federal está acabando com o povo mas o povo não consegue scabar com o governo justamente porque não age como as abelhas.

    ResponderExcluir
  7. O mal é que nós brasileiros não fazemos nada, aceitamos tudo igual cordeirinho indo pro abatedouro.

    ResponderExcluir
  8. O mal é que nós brasileiros não fazemos nada, aceitamos tudo igual cordeirinho indo pro abatedouro.

    ResponderExcluir
  9. E a �������������� �������������� vai deixar por isso mesmo ou tem como recorrer?

    ResponderExcluir
  10. Receita Federal (onde não deu certo o negrito)

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.