Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

quinta-feira, 16 de março de 2017

Quem recebe propina não vai para cadeia!


Não sou defensor das empresas que pagaram "propinas" aos agentes públicos, pegos de calças curtas nas operações da Lava Jato. Pelo que sei, as empresas Odebrecht, Andrade Gutierrez, UTC, Camargo Correia, OAS, Queiroz Galvão, Mendes Junior e outras citadas na Lava Jato, não são nem um pouco "santas". As empresas envolvidas na Lava Jato formavam um verdadeiro "cartel"   de empreiteiras que prestavam serviços, sobretudo na Petrobras. O que me espanta que as empreiteiras, algumas, já estão na cadeia e os parlamentares no "foro privilegiado". 

De princípios, a formação de cartel de empreiteiras para fornecimento de serviços para o governo ou especificamente à Petrobras, são "donos absolutos" sobre a situação diante de concorrência. Cartel é combinação de fornecimento de serviços ou produtos, feito em cima da "tabela" da própria Companhia, por "fila de espera", definindo a vencedora pelo desconto simbólico. 

No esquema de "cartel", de princípio, não precisaria pagar nenhuma "propina" para conseguir os contratos de obras, já que obedece a uma "fila de atendimento". E, o governo entregaria àquela empresa "vencedora" da concorrência "pro forma" pelo preço de tabela. Não havendo "sobrepreço" o governo não teria prejuízo, já que as obras seriam executadas pela "tabela" estabelecida pelo próprio governo.

Na prática, o que há é um verdadeiro "achaque" de "propinas" por parte dos agentes públicos, seja ele parlamentar ou diretores das Companhias nomeados por estes. As empreiteiras se submetem a este "esquema" de "propinas" para não serem "perseguidas" e ficarem fora da "fila de espera" das obras. As empreiteiras no Brasil são totalmente "subservientes" aos agentes públicos, ao contrário de imagem que a imprensa quer passar. As empresas não são santas, é verdade, mas elas não são responsáveis sozinhos pelo verdadeiro esquema de "corrupção".  Se não tivesse quem "achacasse" não haveria pagamento de "propinas".

Como me disse o taxista que me levava do Aeroporto de Brasília para um Hotel da Capital Federal: "Os que pagaram "propinas" estão presos, mas os que receberam estão "soltos". Esta frase já tinha ouvido na rede social, mas ouvido de uma pessoa simples do povo, o taxista, me causou um certo constrangimento, por fazer parte da classe formadora de opinião, mas totalmente impotente diante dos fatos que ocorrem no País. 

Senti na alma, o que o taxista quis se referir. Ele vivendo na Capital Federal, deve estar sentindo de perto as denúncias contra deputados e senadores e nada acontecerem com eles por terem o "foro privilegiado". Naquele momento, senti impotente em não poder dar resposta adequada a não ser simplesmente concordar com o que ele me dissera. Eu que já fui professor universitário, naquele momento, senti-me totalmente insignificante e um verdadeiro bosta!

Quem recebe "propina" não vai para cadeia!

Ossami Sakamori


7 comentários:

  1. É verdade Senhor Sakamori!
    E muitos dos que receberam pronina, além de não estarem presos, tomaram um "banho de água benta", daquela que tem atrás da porta da igreja, e hoje são ministros e assessores do "governo pirata".

    ResponderExcluir
  2. Seu Saka,

    Desta vez não nomenclaturasse o "Silva" certamente reconhecendo que ele é um legítimo Bourbon Orléans e Bragança

    KKKKK

    ResponderExcluir
  3. Para quem acredita nessa falsa Democracia e repudia uma Intervenção Militar Constitucional(não um golpe), essas presepadas dos políticos é refresco para o que ainda virá. Povo manso, emotivo e bobo, que acredita em qualquer coisa e tem medo de reagir tem essa sina: SOFRER.

    ResponderExcluir
  4. Me solidarizo com a tua frustração.Todos somos impotentes diante de tantas aberracoes, Mestre.
    Grande abraço e muita esperança para o nosso país.

    ResponderExcluir
  5. JÁ IMAGINARAM SE TIVESSE TODOS OS DEDOS?

    CRUZ CREDO

    ResponderExcluir
  6. Ordem e Progresso...
    Só se for na casa dos políticos, porquanto na casa do povo há desordem e retrocesso, desde sempre.

    ResponderExcluir
  7. A indignação e a impotência de fazer são sentimentos comuns a todos, frente a tirania do políticos e seus aliados tecnocratas em se auto proteger e meter a mão no erário público... É muito frustante... Ótima matéria Professor, e colocada de forma muito solidária...
    Aproveito para lembrar dois fatos: 1) o Lula não tem foro privilegiado e é acusado há 15 anos de ser o maior ladão do Brasil, por que ele ainda está em liberdade? e 2) no caso MENSALÃO, por que havia a necessidade da menzada para aprovar matéria de interesse do Governo e do povo? e por que os que exigiram e receberam as menzadas não recebeu qualquer atenção da mídia e do povo esclarecido? ...

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.