Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

sexta-feira, 31 de março de 2017

Que cada um tire suas próprias conclusões!

Crédito da imagem: Veja

A presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, foi presa nessa quinta-feira, na Coreira do Sul, por acusações de suborno, extorsão e abuso de poder. Segundo jornal New York Times, após a emissão do mandado de prisão, a ex-presidente sul-coreana foi encaminhada para uma prisão, onde permanecerá por um período de 20 dias ou até o julgamento. 


Enquanto no Brasil, a ex-presidente Dilma Rousseff, legitimamente, cassada pelo Senado Federal e com processo de registro de chapa Dilma/ Temer, em julgamento no TSE, faz seu périplo internacional, promovendo "palestras", arriscando o seu sofrível francês. Há que considerar que ainda tem gente que "aguenta" ouvir suas "indecifráveis" frases. 

A diferença é que a Coreia do Sul, destruído pela II Guerra Mundial, recebendo recursos dos Estados Unidos, tornou-se uma das maiores potências mundiais, em matéria de tecnologia de informação. Enquanto isto, o Brasil continua amargando a pior "depressão" mundial desde 1929, sem esperança de alcançar o desenvolvimento sustentável no curto prazo.

Não vou entrar em defesa de um ou de outro país, mas o que fica evidente é que o Brasil é um país "leniente" com os descalabros na administração pública, "leniente" com a ladroagem dos cofres públicos. E o povo assiste de "quatro", submetido às brigas entre "facções criminosas" que disputam os cargos nos três poderes da República.

Que cada um tire as suas próprias conclusões!

Ossami Sakamori


7 comentários:

  1. Vamos continuar sendo colônia de outros países, sendo governado por quadrilhas que se revezam, como corvos em cima de carne fraca, digo, carne podre. Não temos futuro, como nação. Infelizmente.

    ResponderExcluir
  2. Mas Sr. Sakamori, a facção criminosa que comandava antes com "impichada", conjuntamente, juntinhos na mesma chapa, continua "dando as cartas" e agora é titular do poder.

    ResponderExcluir
  3. Sr Sakamori, a "facção criminosa" que esteve lado a lado com o PT em toda a roubalheira, hoje é poder, e é ela quem dá as cartas. Como vamos melhorar desse jeito?

    ResponderExcluir
  4. O cidadão trabalha como carteiro uma vida toda, para depois de aposentado chegarem uns delinquentes e roubarem o fundo de pensão. A solução encontrada pelos governantes é descontarem 30 por cento da aposentadoria que já é uma miséria. Já ladrão, faz uma delação premiada e fica tomando banho de piscina jogando o Scott para dentro da caveira.
    País de bosta!!! Políticos de bosta!!!

    ResponderExcluir
  5. Na Coreia, desonestidade é defeito. No Brasil, desonestidade é virtude. O goleiro Bruno saiu da cadeia e os repórteres o esperavam para uma coletiva. Os políticos mais enrolados com corrupção são os que mais tem poder para decidir nosso destino. Os pastores mais enganadores são os que tem as igrejas mais lotadas de "fiéis". e por aí vai........

    ResponderExcluir
  6. Ex Senador Paulo Octávio subiu no telhado

    ResponderExcluir
  7. o problema desta pais ,esta na educaçao, as criancas sao pessimamente educadas pelo menos no meu tempo. lembro do meus tempos de colegio. onde o cara que estudava e se esforcava para ser honesto. era visito pela turma como "nerd" ,"cdf". sofria "bullying" e coisas do genero. enquanto o individuo que o era o "bacana" que colava conseguia enganar os demais, era o o "cara". se vc era o certinho da turma. era o mais "zoado". os que levavam vantagem sobre os demais eram os vangloriados. cultura besta que ensinava desde criança a formar "malandros". a propria musica popular brasileira os filmes a tv vangloriava esta epopeia. alguem ja ouvio uma musica dizendo que ser "cdf" eh bom. espero que os valores morais mudem. e o povo passe a ver que a caminho mais curto nao vale a pena. suar a camisa  é muito mais mais honrado.

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.