Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

quarta-feira, 13 de janeiro de 2021

Paulo Guedes é pedra no sapato do presidente Bolsonaro!


Ontem, teve  a notícia de fechamento de fábricas da Ford do Brasil, demitindo cerca de 60 mil trabalhadores, diretos e indiretos.  Do assunto, podemos tirar várias versões.  A primeira versão, verbalizada pelo presidente da República foi de que a Ford pediu subsídios como condição para permanecer no País.  Isto pode ser mais uma versão inventada pelo ministro Paulo Guedes para justificar a sua inoperância no Ministério da Economia.  Porém, o buraco é mais para baixo!   A retirada da montadora do País pode ser o início de debandada de outras indústrias transnacionais e postergação de investimentos diretos de muitas empresas genuinamente nacionais.  Brasil não é visto como país para investimentos produtivos, nem para empresários brasileiros e nem para investidores estrangeiros, infelizmente. 

O maior entrave para investimentos diretos ou investimentos produtivos é o ambiente de negócios no Brasil.  Isto, não é de hoje, vem de há décadas.  Brasil é um país de cartórios, de setores beneficiados com alguma forma de subsídios ou incentivos, concedidos que foram, desde FHC aos últimos governos petistas.  O País privilegiou o capital especulativo, sempre.  Basta notar a prevalência de empresas listadas na Bolsa de Valores do País.  Elas são predominantemente de serviços e comércio.  Bovespa é uma bolha de especulação, já que o investimentos em títulos do Tesouro Nacional ficou sem competição diante das ações especulativas.

Por outro lado, as despesas do governo são contidos pela Emenda 95, do teto dos gastos públicos.  O aumento das despesas com benefícios previdenciários e assistenciais abocanha cada vez mais o Orçamento Fiscal do governo federal.  Desta forma, os investimentos públicos em 2021 deverá ser de apenas R$ 28,6 bilhões, o menor em 15 anos. 

Em matérias anteriores, destaco a revogação da Emenda 95, que limita os Orçamentos Fiscais dos próximos anos igual ao do ano de 2016, corrigido pela inflação do período.  Vamos apenas lembrar que o ano de 2016 foi marcado como ápice da pior depressão que o País viveu, desde 1929.  Os Orçamentos Fiscais posteriores, desde 2017, incluído o de 2021, está sendo marcado como os piores anos em investimentos públicos.  

Já estamos a caminhar, na segunda metade do governo do presidente Bolsonaro,  com o ministro Guedes, considerado por ele próprio como o "mago" da política econômica liberal. Isto não é verdade.  O ministro Paulo Guedes, só conseguiu aprovar a reforma da previdência porque já estava tudo alinhavado pelo governo anterior e graças a destreza do atual ministro de Desenvolvimento Urbano, Rogério Marinho.  O ministro Paulo Guedes, da Economia, não tem habilidade para negociar com o Congresso Nacional, a reforma tributária.  Ministro da Economia quer culpar o Congresso Nacional sobre a responsabilidade da aprovação da reforma tributária e conexos.  Não, não é assim que funciona!  A reforma tributária é um novo marco para o desenvolvimento do País, por isso, deveria ser a reforma do governo Bolsonaro.  Com a reforma tributária e simplificação do emaranhado de leis sobre economia que "segurarão" os investimentos produtivos, como a da montadora Ford.   Nada de Paulo Guedes querer lavar as mãos!   

Assim colocado, afirmo com absoluta convicção de que o ministro da Economia, Paulo Guedes, é uma pedra no caminho para o projeto de reeleição do presidente Jair Bolsonaro.  Com Paulo Guedes, Jair Bolsonaro não se reelege em 2022.  

Ossami Sakamori







O aumento das despesas com benefícios previdenciários e assistenciais, na esteira do reajuste do salário mínimo, deve comprimir os investimentos públicos em 2021 a um nível considerado extremamente baixo por especialistas. O valor projetado em agosto do ano passado, de R$ 28,6 bilhões para obras e outras ações – o menor em, pelo menos, 15 anos – pode cair ainda mais para abrir espaço no Orçamento para os chamados gastos obrigatórios.

As despesas vão crescer principalmente porque o salário mínimo foi reajustado a R$ 1.100 no início de 2021, acima dos R$ 1.067 previstos em agosto do ano passado e que serviram de referência para a elaboração do Orçamento – e que ainda será votado pelo Congresso Nacional. A definição só deve ocorrer após a votação para o comando da Câmara e do Senado.

Nenhum comentário: