Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

domingo, 20 de novembro de 2016

Previdência. Opinião independente

Por: Jesus Divino

Ele é sindicalista e meu amigo e possui blog sobre assunto da Previdência.







A próxima medida impactante do governo Temer é a Reforma da Previdência. Como empresário de construção civil, contribui ao sistema previdenciária um bom naco de dinheiro, mas assim mesmo, particularmente, não fui buscar a minha aposentadoria tamanha é a burocracia. Imagino a dificuldade para quem não tem escolaridade. 

Apesar de tudo, estou sempre atento ao assunto da Previdência, sem me aprofundar sobre os cálculos autoriais que sustenta o sistema. Achei oportuno o artigo do amigo Jesus Divino de Goiás, que passo a reproduzir, sem edição. 

Não tome decisões precipitadas.

Evite os arrependimentos e as surpresas desagradáveis, tanto na hora de efetivar a sua aposentadoria, quanto depois de aposentado, procure informações seguras e confiáveis para fazer o seu planejamento previdenciário.

Insisto, antes de decidir procure se apropriar de cada detalhe e fazer uma análise acuradíssima. Só se aposente quando não tiver mais nenhuma dúvida, pois "aquele que não sabe por conta própria, não sabe" (Berthold Brecht).

Alerto, os maiores riscos não estão nas dúvidas que você tem, mas contraditoriamente, naquelas dúvidas que você não tem, ou seja, nas "certezas". 

É preciso de muita calma e paciência pra desmitificar esse emaranhado de falácias e cantilenas, um amontoado de mitos, de coisas que nunca existiram e outras que já foram revogadas há décadas, mas continuam "vivas", repetidas com tanta frequência, eloquência e veemência, que fica parecendo que são a mais pura verdade.

Alguns cuidados:

- Os professores, devem observar que na fórmula do "Fator Previdenciário" - "Fator", o "bônus" de cinco anos das mulheres e, o "bônus" de dez anos das professoras, incide apenas no "Tempo de Contribuição" - "Tc". O impacto positivo deste "bônus" no cálculo do "Fator" é muito pequeno, pois o "Tc" no cálculo do "Fator" é muito pequeno. Observe que não tem nenhum "bônus" nas demais premissas, especialmente nas de maior "peso", que são: "Idade" - "Id" e especialmente, a "Expectativa de sobrevida" - "Es";

- Quem tem direito à conversão de tempo de contribuição especial para tempo comum, também deve se atentar para a observação acima, pois o que aumenta para eles também é apenas o "Tc", enquanto os demais premissas do "Fator" continuam inalteradas;

- Quem tem direito à aposentadoria proporcional por tempo de contribuição, que, embora seja cada vez mais raro encontrar quem ainda tem esse direito, deve se atentar para o fato de que esse tipo de aposentadoria, além do "Fator", tem o pedágio e coeficiente da proporcionalidade, que, juntos, reduzem, em muito, o valor da aposentadoria causando prejuízos irreparáveis, e

-Quem tem direito à aposentadoria por tempo de contribuição e está próximo de completar 60 anos para mulher ou 65 anos para homem, principalmente se ela for proporcional (não tiver respectivamente, no mínimo 30 ou 35 anos de contribuição), deve ser ainda mais cuidadoso, é preciso observar que por tempo de contribuição tem a incidência quase sempre negativa do "Fator", enquanto que por idade o "Fator" nunca é aplicado para reduzir o benefício, mas apenas se isso resultar em melhoria do benefício (sic). Por pouquíssimos dias perde-se mais de 40% do valor da aposentadoria. As perdas, nestes casos, podem ser de até R$ 2.000,00. As maiores perdas acontecem nas aposentadorias das mulheres, e as vezes, isso ocorre por falta de aguardar pouquíssimos dias. 

Resumidamente: Entre ter direto de se aposentar e ser "o melhor momento de se aposentar", tem muita diferença. Fique atento(a), pois além dos aspectos matemáticos, vários outros devem ser cuidadosamente analisados.

Muitos poderiam ter se aposentado pela fórmula 85/95 assim que ela foi promulgada, mas infelizmente acabaram se aposentando com a incidência negativa do "Fator". Algumas dessas aposentadorias foram concedidas a poucos meses dessa nova regra, com perdas significativas. 

Mas, apesar de tudo isso, os "especialistas" ainda recomendam o suicídio como sendo o melhor antídoto para a morte. O pior é que fazem isso impunemente. Os únicos punidos são os mortos insepultos, vítimas desse Jim Jones do século XXI. 

Enquanto isso, o meu histórico de acertos é de goleada sobre a maioria dos "especialistas". Isso acontece porque eu não faço previsões, faço análises, com base em dados reais, sem fantasias e sem politicagem. 

Aquele que me ouviram, tiveram calma, não se precipitaram e aguardam "o melhor momento de se aposentar", já estão aposentados com uma condição muito melhor do que as daqueles que ouviram os "especialistas".

Portanto, fica o alerta: "se ficar o bicho come, se correr o bicho pega e se esconder o bicho acha, porém se unir o bicho foge". 

Aqueles que ainda tem dúvidas, acessem ao blog do Jesus Divino que é JesusPrev .

Espero ter contribuído aos leitores assíduos do meu blog.

Ossami Sakamori

2 comentários:

  1. Muito bom. Essa explicação, com certeza, vai ajudar muitos)as) que estão a um passo de se aposentar. A aposentadoria deveria ser um premio no entanto, é um deboche para com os que contribuíram financeiramente e ajudaram com seu trabalho a construir nosso Brasil.

    ResponderExcluir
  2. Estou deveramente feliz em ver uma postagem minha reproduzida no seu blog.


    Obrigado!

    Tenho uma postagem antiga, que é atemporal, que acredito que você é os seus leitores vão gostar.

    http://jesusprev.zip.net/arch2013-08-01_2013-08-31.html#2013_08-07_19_21_28-129422711-0

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.