Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Relação incestuosa do Meirelles e JBS/Friboi.


O ministro da Fazenda Henrique Meirelles esclareceu à imprensa que fazia parte do Conselho Consultivo da empresa J&F, a "holding" do grupo econômico JBS/Friboi, até véspera de ser nomeado chefe da equipe econômica do governo Michel Temer.  Informou ainda, o ministro da Fazenda, que seus serviços era consultoria ao grupo econômico J&F, sendo que a maior parte dos serviços foi para ajudar na montagem do Banco Original para o grupo.  O esclarecimento veio depois que os irmãos Joesley e Wesley Batista, donos do grupo econômico JBS/Friboi, estão sendo coercitivamente prestar depoimento na Polícia Federal, no âmbito da Operação Greenfield. A Operação deflagada investiga as operações fraudulentas nos fundos de pensão das estatais Petros, Funcef, Previ e Postalis. 

Já no mês de janeiro de 2014, o jornal Folha dizia: "Sob o argumento de promover a internacionalização e reduzir a informalidade, o BNDES injetou, por da meio da compra de ações e títulos, R$ 12,8 bilhões em frigoríficos como JBS, Mafrig e Independência desde 2007. A cifra corresponde a 9% do orçamento do banco em 2014".  O governo Dilma, através do BNDES promoveu maior concentração no setor de frigoríficos, sob alegação de competitividade no exterior. Já o Lula da Silva dizia que era preciso criar "players" brasileiros no mundo global, entre eles o JBS/Friboi e Odebrecht.

No dia 19 de janeiro de 2014, portanto há mais de dois anos e meio, eu já comentava sobre a injeção de dinheiro do BNDES para o JBS/Friboi: "O dinheiro dos empréstimos ou participações do banco de fomento federal somem no ralo, sem dar a mínima explicação ao mercado e ao contribuinte. Foi o que aconteceu, também, com os empréstimos do BNDES, no montante declarado pelo próprio BNDES de R$ 10,6 bilhões concedidos ao grupo OGX. Simplesmente, ninguém explicou para onde foi parar o recurso público".  

Comentei ainda: "As notícias da Folha aponta que Mafrig do grupo JBS se encontra em situação delicada.  Consta na notícia, também, que JBS assumiu uma dívida junto ao BNDES no montante de R$ 5,85 bilhões na aquisição da empresa Seara pertencente a Mafrig, para não deixar a Mafrig naufragar de vez.  Foi dada uma espécie de sobrevida a Mafrig, do grupo JBS, para evitar escândalo igual ao que aconteceu com a OGX do Eike Batista".

Completava eu no meu comentário: "O grupo Mafrig é apenas ponta de "iceberg" dos empréstimos "fajutos" do BNDES aos frigoríficos.  Isto, não sou eu que estou a afirmar, mas no mercado financeiro até o engraxate da Bovespa sabe que o rombo maior é da empesa JBS. Para quem não sabe, com a ajuda do Lula & Dilma, o grupo se tornou maior empresa no setor de frigoríficos, e maior faturamento do Brasil".  

"Estes Batistas, referindo-me aos irmãos Joesley e Wesley, têm comportamento megalomaníaco do outro Batista, o estelionatário Eike Batista.  Acontecem e esbanjam com o nosso suado dinheiro do sistema BNDES.  Os dois irmãos, são empresários que não tem 40 anos de idade e não herdaram fortuna dos pais.  Ambos Batistas tem em comum os padrinhos Lula & Dilma.  Isto explica a repentina ascensão".  


Fui contundente ao dizer, à época: "Enquanto permanecer os governos Lula & Dilma, os  Batistas dos Friboi do Tony Ramos, estarão na mídia e estarão blindados com o dinheiro fácil do BNDES.  Só para lembrar, o presidente do Banco Central do Lula, o banqueiro Henrique Meirelles é o principal articulador do grupo junto ao governo da Dilma. Costa quente eles tem, até demais.  Até quando o grupo JBS/Friboi vai viver às custas do BNDES, ninguém sabe.  Só Dilma sabe!

O jornal Estadão comenta nesta semana: "Um possível atraso na reestruturação societária da JBS e a percepção de obstáculos no refinanciamento da dívida da empresa são as principais preocupações do mercado em relação à JBS, após a operação Greenfild, que investiga gestão temerária e fraudulenta nos fudnos de pensão estatais brasileiros. Apesar de não envolver a processadora de carnes diretamente, a investigação tem como alvo a Eldorada Celulose, empresa controlada pela mesma holding, a J&F".

O que questiono é a existência de relação promíscua entre o ministro da Fazenda Henrique Meirelles, o formulador da política econômica do governo Michel Temer, e o grupo JBS/Friboi, investigado como "gestão temerária e fraudulenta" pelo Ministério Público Federal. Como quer o presidente Temer que o mercado financeiro nacional e internacional depositem confiança na política econômica formulada pelo Henrique Meirelles, o principal consultor do grupo JBS/Friboi, alvo de investigações pela Polícia Federal.

Já em outra matéria, afirmei antes das eleições de 2014 que o grupo JBS/Friboi seria o maior doador da campanha da Dilma para presidência da República. E foi. O grupo JBS/Friboi foi o maior doador individual à campanha presidencial de 2014 aos candidatos Dilma e Aécio. Cada uma das campanhas presidenciais recebeu mais de R$ 300 milhões ou seja, na somatória, mais de meio R$ bilhão. Assim garantiu o grupo JBS/Friboi a vaga cativa para o Meirelles na Fazenda. Só não enxerga quem não quer.

Henrique Meirelles não tem condições de permanecer à como formulador da política econômica do governo Temer, sendo que ele fazia parte do grupo econômico que permitiu a "falcatrua" e "ladroagem" do dinheiro público.  

Meirelles não reúne condições de permanecer como principal figura da equipe do presidente Temer.

Ossami Sakamori
@Brasillivre


3 comentários:

  1. Todo mundo sabe quem é o mentor e chefe da imensa quadrilha que manda no Brasil (mesmo que indiretamente). Não há lei, porisso mesmo nada foi nem será feito (essa quadrilha rasga a Constituição, rasga leis, edita novas entre outras artimanhas para se perpetuar). Não há guilhotina no Brasil e continuaremos reféns desses FDP.

    ResponderExcluir
  2. Essa moça é aquela que era da Band? Zerada!

    ResponderExcluir
  3. Não sei qual é a estratégia de Michel Temer pois sabemos que Henrique Meireles é o pupilo do Lula. Tanto é que Lula queria que Dilma colocasse Meireles como Min da Economia no governo dela, mas ela não aceitou. Agora Michel Temer nomeou Meireles como Min da Economia à conselho do Lula? Meireles e Lula acabaram com a Economia brasileira. Deixaram o Pais na desgraça e Michel Temer nomeia Meireles como min da Economia? Meireles trabalha para a volta do Lula em 2018. Ele(Meireles) vai segurar estrategicamente a economia bem fraca para dar força as manifestações dos petistas para o "volta lula" ou novas eleições ou diretas já que nada mais é que o volta Lula.
    Não tem Lava Jato que limpe uma Política que se suja todo dia.
    As Instituições estão completamente contaminadas. Por que Michel Temer não faz um "limpa"? Ou Michel Temer é fraco ou tem culpa no cartório.
    Com Henrique Meireles no comando da Economia o Brasil estará igual ao Delegado que colocar Fernando Beira Mar tomando conta do depósito de drogas; ou seja: no outro dia o depósito estará limpo.

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.