Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Palácio do Planalto é uma verdadeira latrina!



Por mais que os políticos queiram justificar que o fato de constar nome nas delações premiadas de empreiteiros envolvidos na Operação Lava Jato não quer dizer que eles são corruptos, na minha cabeça a justificativa não me satisfaz.  Os políticos envolvidos, querem parecer perante à população de que as delações sobre recebimento de propinas não são elementos suficientes para colocá-los fora do cenário político nacional. 

Se o Brasil fosse país sério, as desculpas apresentadas pelos políticos, sobretudo aqueles que exercem cargos públicos, não seriam aceitas e seriam compelidos a renunciar aos cargos que ocupam.  A começar pelo presidente da República, Michel Temer, a lista se espalha ao redor da Praça dos Três Poderes. 

O presidente Temer é acusado de ter "achacado" o delator premiado Marcelo Odebrecht para financiar os candidatos do seu partido, o PMDB. O "achaque" teria acontecido no recinto do Palácio do Jaburu, residência oficial do vice-presidente da República.

O presidente do Senado Federal e concomitante presidente do Congresso Nacional, o senador Eunício de Oliveira faz parte da lista da Odebrecht, segundo a grande imprensa, que receberam as propinas proveniente do dinheiro sujo da Lava Jato, ganho com "sobrepreço" pela empreiteira nas obras da Petrobras.

O presidente da Câmara dos Deputados, o deputado Rodrigo Maia, faz parte da delação premiada da Lava Jato como beneficiário da propina de uma outra empreiteira, a OAS, que teria financiado a campanha do seu pai César Maia, à pedido do deputado. 

O presidente da Comissão de Justiça do Senado Federal, onde são aprovados os nomes de principais figuras do Executivo, o senador Edson Lobão, faz parte da lista de propina da Odebrecht.  A Comissão de Justiça do Senado é onde aprova  ou desaprova o nome indicado pelo presidente da República para o cargo do STF. É uma situação inusitada, o investigado Lobão vai chancelar ou não o nome do possível e provável julgador no STF. 

O ministro Eliseu Padilha, chefe da Casa Civil é acusado de fazer parte do lote de propina que supostamente teria sido direcionado para a campanha do PMDB, num mesmo pacote de "achaque" do presidente Temer.

O ministro chefe da Secretaria Geral da Presidência Moreira Franco, está temporariamente afastado. Pesa sobre ele, a tentativa de "blindar" o nome, diante de mais de 34 ocorrência de favorecimento pela empresa Odebrecht. O ministro Moreira Franco, segundo a grande imprensa, vem a ser o sogro do presidente da Câmara Rodrigo Maia. Assim, o propinoduto fica tudo em casa. 

O senador Romero Jucá, nomeado para ministro do Planejamento, foi afastado do cargo por seu nome constar da lista de "propina" revelado pelo ex-deputado e ex-diretor da Petrobras Sérgio Machado. Ele é um articulador importante do governo Temer no Senado Federal, atualmente.

O ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha, em seu depoimento na Lava Jato, envolve o nome do presidente da República Michel Temer como partícipe nas nomeações dos diretores da Petrobras, da cota do PMDB. O Palácio do Planalto nega. 

O ex-chefe do Gabinete Civil da presidência Geddel Vieira Lima é pessoa muito próxima do presidente Temer, foi afastado do cargo em razão do uso indevido do cargo público para o benefício próprio.

Pelo visto, para fazer parte do governo Temer, o currículo necessário é ter se beneficiado de alguma "ladroagem", direta ou indiretamente. Enquanto isto, a população brasileira é entregue à própria sorte, diante da pior crise social dos últimos 100 anos!

Palácio do Planalto é uma verdadeira ladrina!

Ossami Sakamori




9 comentários:

  1. Deu até vontade de arriar um barro naquela privada

    ResponderExcluir
  2. Não tem tatuzão ou limpa fossas que dê conta de tanto cocô. Enquanto isso o mau cheiro exalado já chega em outros países. O povo brasileiro? Ah! esse já acostunou ao mau cheiro e não reclama pois o sentido olfativo se adapta ao odor se este se prolongar por muito tempo. Em tempo: Onde estão os movimentos de rua? A advogada Janaína Lima(vem pra rua) elegeu-se para vereadora; Em São Paulo, Fernando Holiday (DEM), um dos líderes dos protestos das ruas, recebeu 48.055 votos e ficou em décimo terceiro lugar entre os vereadores. Vários outros também conseguiram uma boquinha na câmara de vereadores, e engraçado: NaS manifestações todos diziam ser APARTIDÁRIOS. Agora estão quietinhos.....e o povo se lascando, sem rumo.

    ResponderExcluir
  3. São tantos bandidos e tantas as delações e acusações que alguns deles a gente nem lembrava mais.

    ResponderExcluir
  4. Entrevista dada agora na Globonews pelo governador do ES pareceu mais campanha para presidência da república do que solução para a guerrilha urbana instalada no estado.
    Político é tudo uma bosta

    ResponderExcluir
  5. O Poder Legislativo é o responsável. Por isso a importância de não votar em ninguém. Não existe nem representatividade real e muito menos legitimidade.
    Onde está o rigor na punição da rataiada que roubou a Petrobrás? Copa do Mundo, Olimpíadas, serviram exclusivamente para roubar.
    Peguem os recursos para pagar os policiais do ES no mesmo endereço que pegaram para construção dos estádios "elefantes branco".
    Chega a trilhão a maracutaia feita em fundos de pensão, mensalão, petrolão e outros ãos.
    Hipocrisia total. Todos em cargos estratégicos no país estão sob suspeição. Inclusive os responsáveis por jugá-los.

    ResponderExcluir
  6. O QUE O PROCURADOR VAI FAZER EM VITÓRIA? A BANDIDAGEM ESTÁ EM BRASÍLIA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Circulam boatos, pelo Youtube, de que a dona Marisa foi vista, forte e saudável, na Itália. Se assim for, cremaram um manequim e o original está fora do Brasil, esperando seu príncipe encantado que conseguirá ir para lá, ardilosamente.

      Excluir
  7. Kkk...
    É verdade! O Seu Janot foi para Vitória por causa da criminalidade se a causa está lá em Brasília com os criminosos que ocupam cargo eletivo?

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.