Receba novas matérias via e-mail adicionando o endereço

domingo, 8 de janeiro de 2017

Quem paga o "pato" somos nós!



Li um artigo do renomado comentarista econômico Luis Nassif, que indicava o "mercado" como poder decisório da política econômica do País. Nada disso é verdadeiro! O mercado financeiro "sobe e desce" ao sabor do ambiente político e econômico, não o contrário. O mercado financeiro, comumente denominado de "mercado", não determina e nem impõe a política econômica e monetária do País. O "mercado" é apenas "termômetro" do ambiente político econômico criado por sucessivos governos de plantões. 

Não vamos confundir os "especuladores financeiros", os agiotas nacionais e internacionais, com o "mercado". Mercado é exatamente como o "mercado municipal" de qualquer cidade do país, apenas um local de troca de mercadoria por dinheiro. "Mercado" é onde se define o preço de "mercadoria" ao sabor das forças de ofertas e da procuras e nada mais. O mercado financeiro não é diferente. O "mercado", apenas define o preço de troca das ações ou dos títulos, nada além disso. 

Quem define o rumo da política econômica e monetária do País são os especuladores financeiros, que comumente denomino de "agiotas nacionais e internacionais". Os agiotas internacionais operam no "mercado financeiro" ou no "mercado", determinando o viés da especulação. O "mercado financeiro", não manda, pelo contrário obedece aos movimentos dos agiotas internacionais.  Não vamos confundir o coxo (local onde deposita a ração) com o porco. Porco é uma coisa, o coxo é outra coisa. Uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa.

Quem manda no Brasil, tenho dito sempre, não é o "mercado", mas são os agiotas internacionais e nacionais, os banqueiros nacionais e internacionais, aliados aos beneficiários do "bolsa empresário", que dão as cartas no País. Vamos dizer, claramente, os agiotas mandam no País. O ministro da Fazenda Henrique Meirelles era um dos executivos do grupo empresarial, o maior beneficiário do "bolsa empresário". O presidente do Banco Central Ilan Goldfajn foi o principal executivo de um dos maiores bancos comerciais do País, até a véspera de tomar posse no BC. Eles, seguramente, não são representantes do "mercado" mas são "perfeitos representantes dos agiotas nacionais e internacionais". 

Vamos ser claros, o Brasil tem no comando da economia, o Ministério da Fazenda e o Banco Central, os representantes dos setores especulativos, os já mencionados por mim como agiotas nacionais e internacionais. O Brasil tem ousadia de acabar com os setores produtivos, mas não tem a mesma coragem de acabar com os setores especulativos. O Brasil pratica a taxa básica de juros reais Selic, a mais alta do mundo, com único interesse de atender a saciedade dos agiotas nacionais e internacionais. Os setores bancários e especulativos nunca ganharam tanto dinheiro nos últimos 20 anos! Na contra mão, os setores produtivos amargam os prejuízos e os trabalhadores ressentem o desemprego cada vez mais preocupante. 

O Brasil como país, dentro deste contexto global, está se afundando anos após anos, transferindo renda dos "remediados" (empresários produtivos) para os "mais ricos" (banqueiros e agiotas). Para alimentar a "saciedade" dos agiotas nacionais e internacionais e não o "mercado", o Brasil continua a financiar os gastos públicos, agora oficializado com o originário PEC 241, emitindo títulos da dívida pública.  Uma hora, Brasil vai virar Grécia! Não vamos nos iludir!

O "mercado" não manda no País. Quem manda no País são o ministro da Fazenda e o presidente do Banco Central, explícitos representantes dos agiotas nacionais e internacionais. Isto não é o mesmo que entregar a chave dos cofres públicos para os assaltantes de piores linhagens? Ou em outras palavras, colocaram o lobo para cuidar do galinheiro. 

Nem é preciso lembrar que nesta história, quem paga o "pato" somos nós, o povo brasileiro, os dignos e merecidos "otários" !

Ossami Sakamori



6 comentários:

  1. Bom dia, prof. Sakamori

    Parabéns por mais uma pérola, corajosa e contundente explicação do que ocorre com o que acredito ter sido um dia um país chamado Brasil que, em minha opinião, nunca foi de fato um país (que o diga a comunidade internacional, com políticos comprometidos com seu povo,não com o bolso dos supostos donos da nação, cuja bandeira é $$$$). Somos um porto seguro para os especuladores, tanto que isso se reflete em todos os setores (veja a agropecuária, onde ninguém investe em nada a não ser em comprar imóveis e supervalorizá-los para revender). Não vejo nenhum setor produtivo investir em indústrias e setores que gerem mão-de-obra. Quando não investem em imóveis para especular, o fazem em aplicações financeiras. Tenho 70 anos e nunca vi nenhum governo fazer nada que beneficiasse, de forma direta e permanente, o povo, que só serve para votar (nem sei para que, se nada muda).Pena e triste realidade. o país acabou.

    ResponderExcluir
  2. Eu sou leigo nesse assunto mas acho que o mercado só fica aquecido ou desaquecido pela interferência do governo. No caso dos imóveis ou automóveis; se o governo libera dinheiro para os bancos financiarem os consumidores o mercado aquece e quando os bancos fecham a porta aos consumidores, o mercado desaquece. Então, na verdade, quem regula é o governo. Contudo, o governo só deveria interferir em caso de necessidade. O que Lula fez foi desumano, como o povo não tinha acesso a financiamento fácil e ele permitiu que qualquer um conseguisse financiamento, mas pagando juros elevados. Com isso os bancos ganharam muito e o povo ficou cada vez mais pobre e endividado. Com o desemprego em massa, tem muitos que já venderam carro, casa e até bicicleta para sair das dívidas.

    ResponderExcluir
  3. Obrigado Professor Ossami Sakamori por mais este artigo muito bom e também acho que de muita coragem. Ficou claro que de fato os lobos estão mandando no galinheiro e nós o povo estamos pagando a conta de agora e será ainda mais cara no amanhã de curto prazo. É uma pena que falte um pouco de seriedade e humanidade aos nossos atuais governantes e sobre neles a ganancia dos seus protegidos. Após ler este seu artigo fui pesquisar e entendi que a bolsa empresário é uma manobra que perdoa as grandes e milionárias dívidas de um monte de empresa exploradora do Brasil, incluindo aí a bilionária dívida da Rede Globo.

    ResponderExcluir
  4. Deveriam mandar os donos das concessionárias de pedágio nos ajudar. Não dão comprovante fiscal aos usuários. Duvido que paguem impostos. Ninguém vê isso ?

    ResponderExcluir
  5. Os postos-chave da administração foram todos colocados pelo partido de todos eles e, com coligações asquerosas, fingem que se preocupam com o povo (população) mas estão preocupados é com o povo (colegas e amigos do rei). O país está fadado à continuar sendo modelo de patifaria para quem quiser copiar, sem precisar pagar royalties.

    ResponderExcluir
  6. Nossos governantes vão nos matar, aos poucos, à míngua.
    Usam a tática da sucuri, ou seja, dissimulam, atacam, envolvem, apertam e dão uma trégua para a vítima (povo) pensar que se livrou e aí volta o ciclo do aperta e descansa até que a presa (povo) deixe de reagir (morre). Desde que os portugueses cá aportaram é assim (e chamam isso de democracia). Pqp .

    ResponderExcluir

Não há censura ou moderação nos comentários postados aqui.
De acordo com a legislação em vigor, o editor deste blog é responsável solidário pelos comentários postados aqui, inclusive de anônimos.